sexta-feira, setembro 25, 2020

ISRAEL EM CONFINAMENTO TOTAL NO INÍCIO DO YOM KIPPUR

 


Com mais de 8.000 novos casos nas últimas 24 horas, o governo de Jerusalém impôs um novo confinamento - lockdown - que entrou em vigor a partir das 2 da tarde de hoje. 708 pessoas encontram-se em sérias condições e 178 em ventiladores. Até agora 1.412 pessoas faleceram vítimas da pandemia.

Entre os novos casos há um grupo de 400 jovens estudantes de yeshivas - escolas religiosas - que tinham participado conjuntamente em reuniões durante o dia da Festa das Trombetas. Todos eles foram transferidos para hotéis destinados ao tratamento da doença e às quarentenas necessárias.

O primeiro-ministro, a braços com manifestações diárias de contestação, afirmou que esta decisão foi bastante difícil, mas incontornável: "Este estado de emergência obriga-nos a tomar decisões difíceis, mas necessárias. Não é fácil, tanto em Israel como em outros países europeus onde a doença está também em elevado crescendo. Mas eu estou aqui, como primeiro-ministro de Israel, para os dias e decisões difíceis."

Os transportes públicos funcionarão em formato limitado, basicamente para permitir as deslocações de essenciais e de trabalhadores que se dirigem ou saem dos seus empregos.

A população em geral não pode deslocar-se mais do que um quilómetro das suas casas, a menos que haja uma razão válida, como para a obtenção de medicação e alimentos. 

O aeroporto só funcionará para voos cujos bilhetes foram comprados até ao início do confinamento. Este confinamento deverá ter a duração de 2 semanas ou mais. O uso de máscaras e o distanciamento de 2 metros entre as pessoas passa também a ser obrigatório em lugares públicos e em espaços abertos. Todo o comércio não essencial ficará encerrado, e os restaurantes só poderão funcionar em sistema de delivery.

Pela primeira vez na História, os israelitas terão de celebrar o Yom Kippur (Dia da Expiação) em casa e em confinamento. É neste dia que esta noite se inicia que os judeus em todo o mundo, seguindo as tradições religiosas, confessam os seus pecados a Deus e tentam resolver os seus problemas pessoais, esperando dessa forma que Deus não risque os seus nomes do Livro da Vida.

Shalom, Israel!


quarta-feira, setembro 23, 2020

ISRAEL PARTICIPA NO LANÇAMENTO DE UM IMPORTANTE ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA A EXPLORAÇÃO DO GÁS NATURAL


Sete ministros da energia de seis países e da Autoridade Palestiniana fizeram ontem avançar o "Fórum para o Gás do Mediterrâneo Oriental", através de uma vídeo conferência, num evento organizado pelo Cairo, o quartel general desta associação. 

Israel fez-se representar pelo seu ministro Yuval Steinitz, e juntou na conferência os ministros da Grécia, Chipre, Jordânia, Itália e Autoridade Palestiniana. Também participaram na conferência os embaixadores de outros 3 países interessados em fazer parte deste fórum: França, EUA e União Europeia.

Este fórum foi uma iniciativa egípcia depois da descoberta de grandes reservas de gás natural nas bacias marítimas mediterrânicas do Egipto e de Israel. A ideia inicial foi a de facilitar as conversações entre países mediterrânicos relativas à exportação de gás natural, a cooperação em várias áreas relacionadas com a energia, e o avanço da construção de uma conduta marítima que conduzirá o gás até ao Sul da Europa.

A cerimónia de ontem formaliza assim a transformação do fórum para uma organização internacionalmente reconhecida, e não inclui a Turquia, actualmente em disputa com a Grécia pelo domínio das águas territoriais dos dois países. 

A declaração conjunta publicada durante o lançamento diz que "a nova estrutura servirá como plataforma que unirá produtores de gás, consumidores e países de trânsito, afim de se criar uma visão conjunta e estabelecer uma sistemática e estruturada política de diálogo sobre o gás natural, conduzindo ao desenvolvimento de um mercado regional e sustentável de gás, libertando em pleno o potencial do gás natural na região, para o benefício e prosperidade do seu povo."

Nas palavras do ministro israelita, "a bênção do gás trás a cooperação regional entre países árabes e europeus, a primeira do seu tipo na História, incluindo contratos para a exportação de 30 biliões de dólares em gás azul e branco para a Jordânia e o Egipto, e isso é só o início."

Esta cooperação é muito importante para Israel. O país espera elevado retorno como resultado da descoberta e exploração dos campos de gás Leviathan e Tamar, em águas territoriais israelitas, mas, para além disso, espera também alargar a sua parceria diplomática com a Grécia e Chipre, e também com o Egipto. A aliança com a Grécia e com Chipre tem-se desenvolvido nestes últimos anos também nas áreas da cooperação militar e da defesa. A Turquia vê obviamente esta cooperação como um acto de provocação.

Shalom, Israel!


terça-feira, setembro 22, 2020

EMBAIXADOR ISRAELITA ABANDONA SALA DURANTE DISCURSO ANTISSEMITA DE ERDOGAN À ONU


Neste primeiro dia da Assembleia Geral das Nações Unidas, enquanto o presidente brasileiro Jair Bolsonaro e o norte-americano Donald Trump rasgaram elogios aos recentes acordos de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos e o Barein, o presidente ditador turco Recep Erdogan, no seu discurso gravado, e tal como lhe é já habitual, atacou e condenou duramente Israel e suas políticas:

"A ocupação e opressão da Palestina é uma ferida aberta da humanidade." E acrescentou: "A mão suja - certamente dos israelitas - está a aumentar constantemente a sua audácia nos lugares sagrados de Jerusalém."

O cruel ditador turco com pretensões a califa aproveitou ainda para elogiar os palestinianos, que, segundo ele, "têm enfrentado as políticas israelitas de violência e de intimidação por mais de meio século."

Erdogan acusou ainda Donald Trump de ser "um colaborador" de Israel, apelidando o seu plano de paz de "um documento de rendição." E acrescentou: "A Turquia não apoiará nenhum plano ao qual o povo palestiniano não dê o seu consentimento. O plano não significa nada mais do que servir os interesses de Israel para diluir os parâmetros básicos internacionais."

Referindo-se aos países que abriram ou planeiam abrir embaixadas em Jerusalém, Erdogan disse que "a sua violação da lei internacional apenas serve para complicar mais o conflito."

E, arrematando mais ódio na parte final do seu discurso, o chefe turco concluiu: "O conflito palestiniano só pode ser resolvido com um estado da Palestina soberano e contíguo, baseado nas fronteiras de 67, com Jerusalém oriental como sua capital. Procurar soluções que não esta é vão, injusto e unilateral."

Revoltado com esta habitual ladaínha antissemita, o embaixador de Israel na ONU Gilag Erdan abandonou a sala durante o discurso do ditador turco, acusando-o de antissemitismo.

Shalom, Israel!

segunda-feira, setembro 21, 2020

HOSPITAIS ISRAELITAS JÁ NÃO ACEITAM MAIS PACIENTES DA COVID-19

Com mais de 1.300 pessoas internadas nos hospitais com o vírus covid-19, novos pacientes começam a ser rejeitados nos hospitais já sobrelotados e a fechar alas inteiras dos mesmos. Os médicos estão a ser aconselhados a adiar cirurgias não urgentes afim de poderem atender aos novos casos de coronavírus. As Forças de Defesa de Israel anunciaram entretanto que irão montar um hospital de campo com capacidade para 200 leitos para ajudar a cuidar dos pacientes.

O gabinete do coronavírus irá reunir-se amanhã para analisar uma lista de novas medidas que poderão vir a ser impostas de imediato logo a seguir ao Yom Kippur, na semana que vem. 

Shalom, Israel!

sábado, setembro 19, 2020

TRUMP TENTA RELANÇAR CONVERSAÇÕES ENTRE ISRAEL E O LÍBANO SOBRE OS CAMPOS DE GÁS NATURAL DO MEDITERRÂNEO



O candidato a prémio Nobel para a paz Donald Trump quer agora incentivar o relançamento das conversações entre as partes israelita e libanesa concernente à disputa sobre os 860 quilómetros quadrados no Mar Mediterrâneo oriental que inclui vários blocos ricos em gás natural na costa dos dois países.


Sabe-se que o presidente Donald Trump tentou esta semana colocar novamente na mesa as conversações sobre esta disputa antiga entre Israel e o vizinho Líbano, dois países considerados inimigos. Segundo se sabe, a administração norte-americana tem como objectivo estabelecer a demarcação das fronteiras marítimas, o que pode conduzir a uma solução
definitiva à disputa entre os dois países sobre a exploração do gás natural no Mediterrâneo Oriental.

Desde há décadas que esta disputa se mantém, pelo que um entendimento final seria mais um trunfo para a actual administração de Trump.

O Líbano enfrenta ainda as trágicas consequências da mega explosão no porto de Beirute  em 4 de Agosto, uma crescente crise económica e social, e uma crescente contestação à influência do Hezbollah no governo. Foi este ambiente de crise que levou Trump a querer avançar com esta proposta de retoma de negociações.

O maior obstáculo para o avanço das negociações tem a ver com a exigência do Líbano de que a ONU faça parte das negociações, algo que Israel rejeita. Ambos os países aceitam no entanto a intermediação dos Estados Unidos. 

Shalom, Israel!


sexta-feira, setembro 18, 2020

A FESTA DAS TROMBETAS HOJE CELEBRADA ANUNCIA O REGRESSO DO MESSIAS JESUS

Todas as 7 Festas do Senhor com Israel apontam para a Pessoa e Obra do Messias Yeshua. São sombras de uma realidade parcialmente cumprida, mas com um cumprimento ainda profético.

As Festas do Senhor são épocas relacionadas com a fertilidade da Terra de Israel e marcadas pelas luas novas, em que o Senhor quis "estar junto" do Seu povo eleito de uma forma especial, dessa forma levando à paragem de toda a actividade física para uma concentração nas dimensões espirituais da vivência pessoal, familiar e colectiva do povo de Deus com o seu Criador.

A palavra usada para "Festa" no hebraico é "mikra", que pode ser traduzida como "santa convocação." Ou seja: uma chamada à reunião do povo. Também pode ser traduzida como "assembleia solene", um convite a uma pausa para um encontro com Deus.

O Livro do Levítico, no seu capítulo 23, dá-nos uma perspectiva das 7 festas, suas épocas e propósitos. Encontramos assim as Festas da Primavera - a Páscoa, os Pães Asmos e as Primícias, a Festa das Semanas, 7 semanas após a Páscoa (conhecida como Pentecoste), e, após o longo período do Verão mediterrânico, as Festas do Outono, iniciando-se hoje com a Festa das Trombetas (Yom Teruah), a celebração do Yom Kippur (Expiação) daqui a 10 dias, e finalmente a Festa das Cabanas, ou dos Tabernáculos. 

As 3 primeiras festas já se cumpriram profeticamente com a morte sacrificial e expiatória do Cordeiro de Deus (Yeshuah), a celebração da Sua vida pura e isenta de imperfeições (pães ázimos), e a Sua ressurreição - os primeiros frutos da restauração divina.


FESTA DAS TROMBETAS
                                                                                               Esta Festa é ainda profética, apontando para o Retorno do Messias Jesus nas nuvens. A palavra hebraica para esta festa é "Yom Teruah", que significa literalmente "forte ruído." Eram tocadas trombetas de prata, com grande alarido, apontando precisamente para o anunciado alarido da "última trombeta" anunciando o Retorno do Messias. A epístola de Paulo aos Tessalonicenses fala sobre essa realidade expectável e ansiada por todos quantos seguem e amam a volta do Seu Cristo: "O mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus." (1 Tessalonicenses 4.16. Na sua epístola aos Coríntios, o apóstolo fala do mesmo evento, mencionando o toque da trombeta por duas vezes: "a última trombeta" e "a trombeta soará."

A Festa celebra também o Novo Ano Judaico, o "Rosh HaShana", que significa: "cabeça do ano." Os judeus despedem-se assim do ano 5780 e entram no novo ano 5781, ainda que a contagem seja dúbia.

O TOQUE DAS TROMBETAS                                                                                         Nos dias bíblicos as trombetas eram feitas de cornos de carneiro (shofar), ou de prata, e eram tocadas pelos sacerdotes e pelos líderes da nação de Israel. Eram produzidos vários tipos de sons em função do propósito do toque da trombeta: anúncio do arranque para uma nova jornada no deserto, convocação para a reunião do povo, marcação de um sacrifício na festa, para avisar de um perigo ou de uma guerra, como forma de louvor, para anunciar uma procissão ou uma festa, para a proclamação de um rei, para ajuntar as tropas para a batalha, para declarar a vitória em batalha. Pode então ser um toque de louvor ou de guerra. As trombetas são também identificadas nas Escrituras na ressurreição dos mortos, na proclamação profética e nos juízos finais do Senhor sobre a humanidade. 

Ao celebrarmos esta Festa, devemos não só lembrar a tradição e a História, mas, muito mais, esperar a anunciar o triunfante e glorioso Regresso do Senhor Jesus nos ares, para nos recolher para Si mesmo, para assim estarmos "para sempre com o Senhor."

Os judeus messiânicos acreditam que o Retorno do Messias Yeshuah acontecerá exactamente na época desta festa, uma vez que será tocada a última trombeta, ao mesmo tempo que a primeira, uma vez que termina um ano e se inicia um novo. Profeticamente, é o anúncio do fim de uma longa espera por demais atribulada, e o início do descanso e da presença perene e física do Senhor junto ao Seu povo.

Shana Tova! Shalom, Israel!

quinta-feira, setembro 17, 2020

ISRAEL ENTRA EM CONFINAMENTO TOTAL POR 3 SEMANAS EM PLENAS FESTAS JUDAICAS

O elevado e crescente número de casos de pessoas contaminadas com o covid-19 levou o governo de Jerusalém a regressar ao confinamento - lockdown - obrigatório durante as próximas 3 semanas, iniciando amanhã à tarde, poucas horas antes do início da primeira festa do período das últimas celebrações festivas em Israel. A primeira festa é a Rosh Hasahnah, a Festa das Trombetas, e início do novo ano judaico. 

Segundo o primeiro-ministro Netanyahu, reunido com o seu governo logo após ter chegado de Washington, esta medida impopular era "importante e necessária" para combater a taxa de crescimento do vírus, que nesta semana teve uma média de novos 5 mil casos diários.

Israel está actualmente com uma das mais elevadas taxas de infecção pelo coronavírus do mundo. A Europa está também a assistir a um preocupante crescimento da pandemia nesta "segunda vaga", levando a que alguns estejam também já a implementar novas medidas de confinamento.

Esta decisão não foi pacífica, gerando algumas guerras internas dentro do governo, mas Netanyahu concluiu que era a única alternativa para debilitar a pandemia, e isto apesar dos elevados custos na economia do país. Hoje ainda ele irá anunciar algumas medidas de apoio aos negócios e à sustentabilidade dos empregos. Netanyhau afirmou também que a vacina já está "no horizonte", ainda que tal possa levar mais "alguns meses."

Israel tem até agora um total de 172.322 casos de covid-19, com 125.671 pessoas recuperadas, 1.163 óbitos e 579 casos em tratamento nos hospitais.

Shalom, Israel!