terça-feira, setembro 19, 2017

GUTERRES DEFENDE "SOLUÇÃO 2 ESTADOS" NA ABERTURA DA ASSEMBLEIA GERAL DA ONU

O secretário-geral das Nações Unidas António Guterres abriu a 72ª assembleia geral da ONU com uma proposta que está mais que provada ser inútil e desprovida de qualquer sentido de realidade. 
Falando esta manhã na tribuna do maior encontro mundial de líderes representando 193 nações membro das Nações Unidas, Guterres apelou a que se retomem os passos para uma "solução 2 estados" no conflito entre árabes e israelitas.

"Não devemos permitir que a estagnação de hoje no processo de paz leve a uma escalada amanhã" - afirmou ele no seu primeiro discurso como líder na ONU.
E acrescentou: "A solução dois estados permanece o único caminho, e deve ser prosseguido."

Quem não deveria prosseguir a falar inutilidades deveria ser ele próprio, que provou mais uma vez estar completamente manipulado e desfasado da realidade. Israel não pode jamais aceitar reconhecer um estado terrorista a paredes meias com o seu território, do qual é legalmente soberano. 
Guterres foi muito hábil na condenação do terrorismo, alegando até no seu discurso que "o terrorismo nunca pode ser justificado." Está certo. Se assim acredita, comece por apelar aos palestinianos que acabem com o terrorismo contra um estado de direito chamado Israel. Guterres deveria ter condenado o regime do Irão pelas suas constantes ameaças de reduzir Israel "a pó." Mas nem uma só palavra acerca disso.
Pelo que, sr. engº Guterres, as suas palavras não são mais do que um sopro no vento, tão inúteis como a sua postura nesta questão cuja resolução nunca será conseguida colocando os promotores do terrorismo ao mesmo nível daqueles que desejam simplesmente viver em paz com os seus vizinhos.

Shalom, Israel!

segunda-feira, setembro 18, 2017

POPULAÇÃO DE ISRAEL QUASE NOS 9 MILHÕES!

Em vésperas do Rosh Hashanah - o Novo Ano judaico - o "Gabinete Central de Estatísticas" de Israel costuma publicar o mais recente censo indicador do número de habitantes do estado judaico, suas preferências e cidades de residência.
Os dados agora publicados colocam o total da população de Israel em 8.743.000 habitantes, sendo 74,6% judeus, e 20,9% árabes. 
Durante o ano passado nasceram em Israel 181.405 bébés, e entraram 25.977 novos imigrantes judeus que fizeram aliyah (retorno).
Em relação a 2016, a população teve um acréscimo de cerca de 156.000 pessoas.
Um dado interessante: cerca de 88% dos israelitas afirmaram estar satisfeitos ou até muito satisfeitos com a vida.

Viva Israel!
Shalom, Israel!

sexta-feira, setembro 15, 2017

ISRAEL REALIZOU O SEU MAIOR EXERCÍCIO MILITAR DOS ÚLTIMOS 19 ANOS

Numa clara mensagem ao Hezbollah de que está preparado para a guerra, e que desta vez as coisas serão diferentes, Israel concluiu o seu maior exercício militar destes últimos 19 anos no Norte do país.
O exercício foi denominado "Or HaDagan" - a luz de Dagan - em honra ao falecido major general Meir Dagan que comandou o último destes exercícios há 19 anos atrás. 
O exercício teve a duração de 10 dias e envolveu diversas divisões activas das Forças de Defesa de Israel, para além de reservistas, 20 brigadas que incluíram infantaria, artilharia, forças de informação e combate, forças especiais, a Força Aérea de Israel, a Marinha de Israel, o Comando da linha da frente e muitas outras unidades.
O principal objectivo deste gigantesco exercício foi o de melhorar a prontidão de combate na região Norte de Israel que faz fronteira com a Síria e o Líbano.
Segundo um dos oficiais responsáveis, "Não basta ser forte. Precisamos de ajustar a resposta aos desafios que se nos deparam."
O maior desafio no Norte é, como se sabe, o grupo terrorista islâmico Hezbollah, instalado no Líbano, com quem Israel travou a última guerra em 2006. Sabe-se que desde então o Hezbollah tem-se fortalecido, não só ao nível de equipamento, mas também de treinos para combate, constituindo actualmente uma forte ameaça ao Norte de Israel.
Algum do equipamento utilizado por Israel foi possuidor de tecnologia avançada, algum chegando a ser usado pela primeira vez por Israel, incluindo robôs, veículos não tripulados e outro material do mais avançado que há no mundo militar.

Shalom, Israel!

quinta-feira, setembro 14, 2017

NETANYAHU TERMINA NO MÉXICO O SEU PÉRIPLO PELA AMÉRICA LATINA

NETANYAHU COM O PRESIDENTE COLOMBIANO
JUAN MANUEL SANTOS
O primeiro-ministro de Israel chegou esta manhã à cidade do México para o início da sua última visita a um país da América Latina neste périplo que o tem levado à Argentina e à Colômbia.
Durante esta visita ao México o primeiro-ministro deverá assinar vários acordos, incluindo um memorando de entendimento ligado à área espacial, um acordo sobre aviação e na área das comunicações.

COLÔMBIA

Antes da visita oficial ao México, Netanyahu foi recebido na Colômbia pelo presidente Juan Manuel Santos. O governo de Jerusalém e o governo de Bogotá assinaram ali vários memorandos de entendimento ligados ao campo da ciência, para além de um acordo ligado ao turismo.
Recebido de braços abertos na Colômbia, o primeiro-ministro israelita participou nos projectos para uma mais profunda cooperação mútua nos campos da agricultura, água, tecnologia, inovação e defesa cibernética. 
Israel é um país observador na Aliança do Pacífico, uma organização económica que inclui a Colômbia, o México, o Perú e o Chile, tornando-se na oitava maior economia mundial. Israel planeia aprofundar a sua cooperação económica com os países membros da aliança.

ARGENTINA
O primeiro país visitado nesta ronda foi a Argentina, onde o líder israelita foi recebido pelo presidente argentino Mauricio Macri e pelo paraguaio Horacio Cartes que se deslocou propositadamente a Buenos Aires para o encontro.
Foram assinados vários acordos entre Israel e a Argentina, incluindo um acordo de segurança interna cujo alvo é aprofundar e fortalecer a cooperação da polícia e das autoridades judiciais dos dois países na prevenção e detecção de ofensas criminais e identificação dos seus autores, primariamente através da troca de informação estratégica.
Para além disso, os dois países assinaram um acordo bilateral na área da segurança social, um acordo alfandegário e ainda um compromisso da parte da Argentina em fornecer a Israel documentação arquivada respeitante às ligações entre Buenos Aires e o regime nazi durante a Segunda Guerra Mundial, especialmente nos anos que se seguiram à guerra, quando o regime de Juan Domingo Perón deu assistência a oficiais nazis que fugiram para Buenos Aires em busca de refúgio. 

ASSEMBLEIA GERAL DA ONU
Logo a seguir à sua visita ao México, Netanyahu deslocar-se-à para os Estados Unidos, onde se encontrará com o presidente Donald Trump, proferindo na Terça-Feira o seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas que, pela primeira vez na História da organização, terá como presidente da reunião onde Netanyahu discursará o próprio embaixador de Israel para as Nações Unidas, Danny Danon.

Shalom, Israel!

terça-feira, setembro 12, 2017

APOCALIPSE 12 E A CONSTELAÇÃO DE 23 DE SETEMBRO: NADA EM COMUM! - Parte final

Sem querer descartar a hipótese de Deus falar à humanidade ou aos "sábios" através de sinais astronómicos, uma vez que os astros foram dados para "sinais e para tempos determinados e para dias e anos" (Génesis 1:14), mesmo assim todo o cuidado é pouco quando se trata de especulações acerca de algo que não tem qualquer fundamento racional, muito menos crédito bíblico. 

É claro que, no passado, os astros serviram por vezes como orientação e até confirmação de algo de tremendo que o Senhor Deus iria ou estava realizando na terra entre os homens. Assim foi com os magos astrólogos que vieram do Oriente adorar o Messias na Judeia, porque tinham visto "a Sua estrela" no Oriente.

Há que no entanto pesquisar a fundo as profecias bíblicas para encontrar "pistas" que nos dêem segurança em relação a sinais presentes ou futuros, uma vez que tanto os profetas, como o Messias Jesus, e os próprios apóstolos nos deixaram um grande número de alertas proféticos, ou seja, acontecimentos invulgares na Natureza que, ao ocorreram, acabariam por confirmar a veracidade das profecias, transmitindo-nos certezas e segurança em relação ao que a seguir virá no programa divino. E, como sabemos, todos esses sinais, alguns deles já visíveis na nossa geração, anunciam a próxima Vinda do Messias e o inescapável juízo de Deus sobre toda a humanidade rebelde.
Contudo, se formos analisar todos os sinais anunciados (guerras e rumores de guerras, fomes, pestes, terramotos em vários lugares, ondas gigantescas, depravação moral e espiritual, falta de fé e de amor verdadeiro, as inúmeras heresias e o abundar de falsos profetas, a perseguição e o martírio dos santos, a indiferença espiritual, o galopante materialismo e hedonismo, a manifestação e controle económico mundial às mãos do Anticristo, etc. etc.), reparamos que todos eles se dão na terra e nomeio da sociedade que nela habita. Nenhum desses sinais tem a ver com constelações de estrelas ou alinhamento de planetas, excepto um. E é sobre esse "grande sinal" que devemos concentrar as nossas expectativas, pois esse, sim, foi anunciado pelo próprio Messias no Seu conhecido sermão profético anunciado no Monte das Oliveiras, e onde podemos descortinar toda a cronologia dos acontecimentos actuais e futuros. 

"O SINAL DA SUA VINDA"
Depois que os discípulos do Mestre receberam da parte d'Ele uma inesperada e aterradora revelação de que aquele majestoso Templo que ali se encontrava diante deles e que todos julgavam imortal, seria derrubado ainda no tempo deles, "não ficando pedra sobre pedra", a primeira imagem que terá passado na mente deles seria a do fim do mundo, tal como eles o conheciam então. E com toda a razão...
Atentemos por isso com toda a atenção às três perguntas que eles fizeram ao Messias:

1 - "Dize-nos: quando serão essas coisas?"
2 - "Dize-nos: que SINAL haverá da Tua vinda?"
3 - "Dize-nos: que sinal haverá do fim do mundo?"

Repare-se que o Messias não fugiu à pergunta essencial "que SINAL", mas deixou a resposta para o fim, pois era necessário que eles (e consequentemente nós também) conhecessem o desenrolar dos acontecimentos ouvidos da boca d'Aquele que tem o futuro nas Suas mãos.
O Senhor passa então a descrever os "pequenos sinais" que antecedem o "grande SINAL" da Sua vinda. Alguns desses sinais já foram descritos acima, e estão enquadrados no período de tempo denominado "princípio de dores", seguido do período mais tenebroso de toda a História conhecido como "Grande Tribulação." 

7 ANOS - 7 SELOS
Esse período de 7 anos em que todos estes acontecimentos irão decorrer só se inicia com a abertura do 1º selo do Livro que está nas mãos do Leão da tribo de Judá - Apocalipse 5 e 6. A sequência da abertura desses 7 selos confirma com toda a exactidão a mesma cronologia dos acontecimentos narrados pelo Messias Jesus em Mateus 24 e Lucas 21:

1º Selo - Manifestação do Anticristo; Ele "saiu vitorioso e para vencer", obviamente através do engano e da falsidade. Dá-se aqui a assinatura da "aliança com muitos por uma semana" (7 anos) revelada através do profeta Daniel (9:27).
2º Selo - Guerras e rumores de guerras;
3º Selo - Grave crise económica e fome universal;
4º Selo - Morte de um quarto da população mundial através de guerras, fomes, pestes e violência animal;
5º Selo - Martírio dos santos (a Igreja fiel ao Messias) à escala global;
6º Selo - Grande sismo e cataclismos, o esperado "big one". Os céus e a terra são sacudidos, escurecendo o sol e a lua, dando lugar a uma verdadeira chuva de estrelas e a hetacombes geológicas e celestiais; gera-se o pânico mundial, tanto mais que se sabe o que vai acontecer de seguida...A Vinda do Messias!
7º Selo - Início do Juízo do Senhor Deus sobre a humanidade, através do toque das 7 trombetas e do derramar das 7 taças da Sua ira.

MAS, "QUE SINAL HAVERÁ DA TUA VINDA?"
Voltando agora à segunda pergunta feita pelos preocupados discípulos: "Que SINAL haverá da Tua vinda?", somos esclarecidos pelo próprio Senhor sobre que SINAL é este. Repito: não "sinais", mas "O SINAL". Passo a narrar as palavras esclarecedoras do próprio Messias:
"Logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas" - Mateus 24:29, confirmado por Apocalipse 6:12 - 14 (6º selo).
E agora, e só agora, vem finalmente a esperada resposta à grande questão: "Qual será O SINAL da Tua Vinda?"

"ENTÃO APARECERÁ NO CÉU O SINAL DO FILHO DO HOMEM"
Logo a seguir às hetacombes anunciadas no verso 29, Jesus começa (no verso 30) com o importante advérbio "então" que, na nossa língua significa: "nesse ou naquele tempo ou momento", "em vista disso", "posto isto", etc. Será por acaso que Ele usa essa palavra? Claro que não! Ele quer que todos saibam que a Sua vinda só acontecerá depois de todos aqueles acontecimentos, ou "pequenos sinais", e que então que será o tempo dos Seus fieis "erguerem as suas cabeças, porque a redenção está próxima!"

Sim, todos verão o "grande SINAL da Sua vinda": quando tudo estiver em trevas (o sol escurecerá e por consequência a lua também) e se der a grande convulsão celeste, então ver-se-à o SINAL: o Filho do homem "vindo nas nuvens com poder e grande glória!"
E como será glorioso esse momento! No meio das terríveis trevas, irradiará a Luz verdadeira, a verdadeira Luz que ilumina o mundo, Jesus, o Messias, o Filho de Deus!

DAR-SE-À DE SEGUIDA "O AJUNTAMENTO DOS ESCOLHIDOS"
Tal como o Messias Jesus prometeu há 2 mil anos pouco antes da Sua morte expiatória, Ele virá buscar os Seus, para que estejam com Ele para sempre - "Virei outra vez, e vos levarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também" - João 14:3.

E é exactamente nesse Dia que se consumará a Sua tão esperada promessa: "Ele enviará os Seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os Seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus" - Mateus 24:31 e Marcos 13:27. 

Este é então o único SINAL a aguardar. Todos os outros são preparatórios e servem para nós de referência para o grande, aquele que nos levará a erguermos as nossas cabeças e a olharmos para cima, para "esperar dos céus o Seu Filho, a Quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura" 
- 1 Tessalonicenses 1:10. 

A CONSTELAÇÃO DO DIA 23 DE SETEMBRO

Em face de todo o conteúdo exposto acima, será uma perda de tempo especular sobre qualquer outro sinal cosmológico. A especulação desenvolvida por Mark Blitz sobre a conjugação de estrelas e de alguns planetas a observar no próximo dia 23 de Setembro, e que, segundo ele, encaixa com a visão que João teve e que está narrada em Apocalipse 12, não só não tem qualquer base bíblica, como não demonstra qualquer lógica. Senão, vejamos:

- A visão que João teve da mulher coroada com 12 estrelas, grávida e com dores de parto, com um dragão desejoso de destruir o fruto do seu ventre, e cujas personagens estão perfeitamente identificadas na História bíblica (Mulher = Israel; o Filho varão = o Messias Jesus; o dragão vermelho = Satanás) é algo ocorrido já há 2 mil anos. Qual a necessidade de repetir essa visão agora? Já não conhecemos a História da incarnação do Emanuel e das tentativas de Herodes (a mando de Satanás) para matar o menino em Belém? 
- Os defensores desta teoria (por sinal possuidores de uma grande imaginação) alegam que o "varão" que a mulher dá à luz é a Igreja, e que portanto o filho "arrebatado para Deus" é a Igreja, donde presumem que esta constelação do dia 23 de Setembro é o sinal que anuncia o arrebatamento. O problema é que, segundo os especialistas e os próprios cientistas, esta constelação só aparece a cada 6 mil anos! Ora, se o apóstolo João viveu há cerca de 2 mil, como é que ele poderia ter visto uma constelação - ainda por cima a olho nu - que só teria sido vista 4 mil anos antes, ou 2 mil anos depois?
- Os propagadores desta imaginativa teoria alegam que "o filho homem" nascido da mulher (Israel) não pode ser o Messias Jesus, porque, segundo eles, a partir do capítulo 4 do Apocalipse tudo é futuro, portanto a visão do "filho homem" não pode corresponder a Jesus, uma vez que Ele nasceu e ascendeu aos céus há 2 mil anos. Portanto, segundo eles, tem de ser a Igreja. Mas então coloca-se a questão: e a Igreja nasceu quando? Não foi há 2 mil anos? Seguindo a lógica (por sinal absurda) desta colocação, a Igreja ainda vai nascer, porque quando a dita constelação do dia 23 for vista, a "criança" ainda está no ventre da mãe...
- Muitas outras questões se levantam sobre este assunto, mas o essencial está dito. E, sinceramente, considero uma grande perda de tempo alimentar esta visão mais própria de um filme de ficção científica...

MAS... E 2017...?
Sem dúvida que 2017 traz a conjugação de muitos acontecimentos fulcrais na História da humanidade. Este é de facto o ano de todas as comemorações. Tanto de coisas boas, como de más. E sem dúvida que Israel está no centro das atenções neste ano e no próximo, uma vez que se completa uma geração bíblica de 70 anos desde a fundação do moderno estado de Israel, e os 50 anos - um Jubileu bíblico - da libertação da capital Jerusalém, em cumprimento de uma das grandes profecias do Messias. Desde há vários anos que neste blog tenho vindo a falar sobre 2017 e os temores associados ao mesmo.  Algo de grande vulto pode até acontecer neste período de tempo a Israel. Tanto de bom, como de mau. Mas não sabemos o quê, muito menos quando. Claro que as Festas do Senhor com Israel sempre coincidem com algum acontecimento importante relacionado com o povo judeu. Estamos à beira do Rosh Hashanah, o Novo Ano judaico, com a celebração da Festa das Trombetas. 
O que poderá acontecer nesses dias? Só o Senhor Deus sabe.
Por tudo isso que expus nestes 4 trabalhosos artigos, a minha proposta é que aguardemos o desenrolar dos acontecimentos, sempre vigilantes e activos na Obra do Senhor, e analisando os sinais à medida que eles se vão encaixando nos textos proféticos, mas nunca antecipando aquilo que não nos foi revelado, muito menos afirmando datas que são do conhecimento único e exclusivo do Senhor Deus. 

Shalom a todos os que pacientemente me leram nestes 4 dias. Como sempre, estou disponível para responder a quaisquer dúvidas, a debater opiniões, mas sempre dentro do respeito que nos é requerido e nunca sob o disfarce do anonimato. Respeito todos quantos têm e professam opiniões divergentes das minhas. Não alego nem nunca presumirei ser a "suma sapiência" em coisa alguma. Desde há décadas que sou um devoto estudioso destes assuntos, é verdade, mas continuo sempre aprendendo, aberto a novas revelações bíblicas, e disponível para partilhar aquilo que julgo ter aprendido ao longo de todos estes anos de vida cristã.

Shalom! Maranatha!







segunda-feira, setembro 11, 2017

APOCALIPSE 12 DECIFRADO - O GRANDE CONFLITO NOS CÉUS E NA TERRA - 3ª Parte

APOCALIPSE 12 DESCODIFICADO

2 - O DRAMA
Tal como numa peça de teatro, esta narrativa do capítulo 12 de Apocalipse tem uma sequência cronológica. E agora que já identificámos as personagens, torna-se mais fácil compreender o desenrolar dos acontecimentos passados e futuros.
 
1º Acto - Israel é visto em forma de mulher, grávida e gritando com dores de parto;
 
2º Acto - Satanás, o dragão, (outrora um anjo semi-perfeito chamado Lúcifer), rebela-se contra o domínio e autoridade do Senhor Deus, arrastando atrás de si um terço dos anjos ("estrelas") do céu e atirando-os para a terra, numa clara invasão planetária de demónios, visivelmente presentes em grande quantidade nos dias do Senhor Jesus na terra.
Conhecendo os planos de Deus para redimir a humanidade através do sacrifício do Seu Ungido, e sabendo que o Messias Redentor está prestes a ser "dado à luz" por Israel (a mulher), Satanás (o dragão com 7 cabeças e 10 chifres) apresenta-se no palco para a todo o custo tentar devorar o filho da mulher.
Não é difícil lembrar esse terrível momento da História em que Herodes - ao serviço de Satanás - tentou executar esse macabro plano, ordenando que fossem assassinadas todas as crianças menores de 2 anos nascidas em Belém - Mateus 2:16. Avisado por um anjo, José (marido de Miriam) foge para o Egipto com sua mulher e o menino Jesus, onde ficam a salvo do ódio de Herodes, o então instrumento humano de Satanás.
É visível na Bíblia essa inimizade entre "a semente da mulher" (o Messias Jesus) e "a antiga serpente", anunciada já na queda do homem. Os planos de Satanás para destruir a "semente" estão exemplificados na tentativa do faraó do Egipto de matar à nascença todos os meninos nascidos de famílias judias (Êxodo 1:22) e de Atalia em destruir "toda a descendência real" (2 Reis 11:1). 
 
3º Acto - A mulher dá à luz o "filho varão". Claramente identificado como Jesus, filho de Maria, da tribo de Judá.
 
4º Acto - O "filho varão", Jesus, é "arrebatado para Deus e para o Seu trono." Este evento coincide exactamente com a ascensão do Messias Jesus aos céus, após ter sido morto e ressuscitado, sentando-Se no trono de Seu Pai, nos altos céus - Actos 1:9. Efésios 1:20
 
5º Acto - A mulher - Israel - "foge para o deserto". Diz o texto que Israel foi para um lugar "já preparado por Deus" (v. 6), onde é "alimentada" (entenda-se: protegida e sustentada) durante 3 anos e meio ("1.260 dias"), portanto durante o período da Grande Tribulação. Este "Israel" que foge para o deserto é obviamente o Israel salvo conhecido como "remanescente", todos os judeus israelitas que reconheceram Jesus como o Messias rejeitado, e que por isso dão ouvidos às Suas instruções expressas no Sermão Profético (Mateus 24 e Lucas 21), fugindo para as montanhas quando virem Jerusalém cercada pelos gentios. Essa "fuga" já aconteceu uma primeira vez pouco antes da destruição do Templo e de Jerusalém no ano 70 d.C., quando milhares de judeus messiânicos, ao observarem os eventos, perceberam que se estava cumprindo aquilo para que o Mestre os havia alertado 30 anos antes.
RUÍNAS DA BASÍLICA CRISTÃ EM PELLA

Muitos desses judeus messiânicos fugiram para a Galiléia e para a antiga cidade de Pellah, na actual Jordânia, onde desenvolveram uma grande comunidade cristã. Essa "fuga" antes da destruição e resistência judaica aos invasores romanos foi considerada como uma traição pelos outros judeus, sendo uma das principais causas do rompimento entre os judeus messiânicos e os ortodoxos.

"Um lugar preparado por Deus" - PETRA ? - Talvez seja este o provável refúgio do remanescente de judeus salvos durante a Grande Tribulação. Muitos comentadores acreditam que a actual Petra, considerada uma das 7 maravilhas do mundo moderno, será o local de refúgio para o remanescente judeu. Tendo visitado estas espectaculares ruínas e zonas envolventes umas dez vezes, a minha conclusão é óbvia: Petra é de facto o lugar ideal para tal refúgio, pelas seguintes razões:
- a antiga cidade dos nabateus fica numa região desértica do sul da Jordânia;
- tão "protegida" estava esta cidade nas montanhas do deserto, que só em 1812 é que foi descoberta por um explorador suíço e revelada ao resto do mundo;
- a milenar cidade está situada na região bíblica de Edom, e é várias vezes mencionada com o nome edomita Selá;
- Edom e Moabe (onde actualmente se situam Bozra e Petra) serão poupados das mãos do Anticristo durante a sua saga destruidora na Grande Tribulação sob as ordens de Satanás - Daniel 11:41 e 42.
- Isaías 63:1-6 menciona a saída triunfante do Messias de Edom e Bozra, "com vestes tintas", marchando "com a Sua grande força" vindo de uma tremenda batalha que travou pelos Seus, sendo "poderoso para salvar", mas com as Suas vestes salpicadas com o sangue dos Seus inimigos. Miquéias 2:12 e 13 revela ainda mais: o Senhor irá a Bozra e, como Rei, irá adiante do Seu povo, depois de ter congregado "o restante de Israel...como ovelhas de Bozra."
Há certamente alusão a um refúgio do remanescente de Israel naquela região, e a uma tremenda batalha em que o Messias irá resgatar o Seu povo, provavelmente trazendo-o triunfalmente para a Terra Prometida.
Há quem identifique Petra com a bíblica Bozra, a antiga capital dos edomitas (descendentes de Esaú). É interessante que o nome Bozra significa "aprisco das ovelhas."

6º Acto - Uma grande batalha no céu. Um violento confronto entre o anjo protector de Israel, Miguel, e seus anjos, e Satanás (o dragão vermelho) e seus anjos (demónios). Depois da grande rebelião ocorrida antes da criação do mundo, levando a que o "querubim protector" Lúcifer se tivesse tornado no opositor Satanás (Isaías 14 e Ezequiel 28), o diabo foi expulso do "monte de Deus", e passou a habitar as "regiões celestiais" onde, com uma miríade de anjos/demónios que arrastou na sua vileza se converteram conjuntamente nas "hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais" (Efésios 6:12).
Mesmo tendo sido expulso da presença do Senhor Deus e do Seu trono de Glória, Satanás tem ainda assim tido acesso a Deus por razões por nós desconhecidas, mas comprovadas pela dramática experiência do patriarca Jó (Jó 1:6 e 2:1).
Desta vez o poderoso Miguel derrota Satanás e lança-o à terra, juntamente com a miríade de demónios que ele comanda, dando-se início ao período mais tenebroso da História humana, com o príncipe das trevas, Satanás, a governar directamente a humanidade através do seu "filho", o Anticristo, e do seu "assessor", o falso profeta. Esse período denominado de "Grande Tribulação" será tão terrível para toda a humanidade, que o Senhor, "por amor aos eleitos" irá intervir, abreviando aqueles dias, pois de outra forma "nenhuma carne se salvaria" (Mateus 24).

7º Acto - Grande alegria nos céus - O céu regozija-se, porque "o grande acusador dos irmãos foi derribado" e o Reino do Messias está agora muito mais próximo de ser instaurado na terra, uma vez que o diabo terá "pouco tempo" de acção. De facto, ele terá apenas quase 3 anos e meio para tentar destruir aquilo que não conseguiu durante estes tenebrosos 6 mil anos em que ele tem sido "o príncipe deste mundo" (João 12:31).

8º Acto - Satanás persegue desesperadamente Israel - Agora que foi atirado para a terra, o "dragão", já que não conseguiu destruir o "varão" resultante da mulher, lança-se agora numa cruzada contra Israel, tentando acabar de uma vez por todas com o remanescente, aquele Israel que fez do filho da mulher o seu Messias e Senhor. Não tendo conseguido acabar com a "semente da mulher" (o Messias), Satanás tenta agora a todo o custo destruir o fruto da semente, o remanescente salvo de Israel.


9º Acto - A mulher voa para o lugar de refúgio no deserto - Como acima falámos, este lugar "preparado por Deus" poderá tratar-se de Petra, cujos acessos difíceis impedem a entrada de carros de combate ou tanques de guerra, tornando-se assim no lugar ideal de esconderijo no meio das imensas rochas e casas cavadas dentro das mesmas.


"Foram dadas à mulher (Israel) duas asas de grande águia" - Muitos interpretam esta visão do velho apóstolo como uma alusão ao moderno avião, cujas asas o fazem voar. Tal como Israel desde a sua fundação organizou várias "pontes aéreas" para trazer judeus da Etiópia e de outras partes para a Terra Prometida, feitos verdadeiramente prodigiosos, em que ao fim de 48 horas milhares de judeus tinham voado para Israel sobre as 2 asas dos aviões preparados para o efeito. Isto prova que organizar uma ponte aérea de emergência para levar milhares de judeus para a região de Edom (Petra e Bozra) não é de todo impossível.
Durante os 3 anos e meio da Grande Tribulação esse remanescente judeu é sobrenaturalmente protegido pelo Messias num dos lugares mais inacessíveis da região.

10º Acto - Satanás tenta arrasar o remanescente israelita através de uma grande inundação. Quem percorrer a entrada de acesso às ruínas de Petra imaginará facilmente o efeito que uma fenomenal torrente de água jorrada da entrada poderá causar, só que...

11º Acto - A própria terra engole o rio de água proveniente da boca do dragão, Satanás.

12º Acto - Satanás vira o seu ódio mortal contra os eleitos. Completamente frustrado nas suas pérfidas intenções, e não conseguindo destruir o remanescente de Israel, o dragão dirige agora o seu ódio mortífero contra "o resto da semente da mulher."
Esse "resto da semente" é identificado como sendo aqueles que "guardam os mandamentos de Deus" e "têm o testemunho de Jesus Cristo." Analisando no capítulo 13 o prosseguimento dessa acção satânica, percebe-se que este terrível ataque visa os "santos" (cap. 13:7 e  Daniel 7:21, 25) e as "testemunhas de Jesus" (cap. 17:6). Satanás consegue matar a maior parte deles, gerando uma incontável multidão de mártires de "todas as nações, e tribos, e povos, e línguas...que vieram de grande tribulação" vistos por João "diante do trono e perante o Cordeiro" (Apocalipse 7:9, 14).
Todos os textos do Novo Testamento se referem aos "santos", "eleitos" e "testemunhas de Jesus" como sendo a Igreja de Jesus, pelo que, a conclusão é simples: não tendo conseguido acabar com o remanescente salvo de Israel - a mulher - Satanás consegue destruir a maior parte da Igreja então presente na terra, ignorando que, ainda que possa matar o corpo, não pode matar a alma e o espírito daqueles que estão dispostos a morrer "por amor da Palavra de Deus e do testemunho que deram" (Apocalipse 6:9).

 Termina no próximo artigo

domingo, setembro 10, 2017

A ENIGMÁTICA PROFECIA DE APOCALIPSE 12 DESCODIFICADA - 2ª Parte


Apocalipse 12 é sem dúvida um dos mais apaixonantes capítulos de toda a Bíblia! Ele abarca um imenso espaço espacial e temporal como nenhum outro na revelação profética. Daí, tal como é característico em textos desta natureza, as interpretações variam e as especulações abundam.
Não sendo senhor da verdade, muito menos presumindo ter a última palavra seja no que for, tenho-me no entanto e desde há muito debruçado sobre este capítulo, estudado alguns dos melhores comentários sobre o mesmo, chegando a conclusões óbvias, e atrevendo-me assim a pronunciar-me sobre tão impressionante revelação apocalíptica.

UM DRAMA NO TEMPO E NO ESPAÇO
Apocalipse 12 é na verdade um grande palco onde se desenrola o milenar conflito entre os propósitos de Deus e os macabros planos e acções do Seu inimigo, Satanás. E, como em qualquer peça de teatro, teremos necessariamente de começar pelos actores e suas identificações, pois que, ao fazê-lo teremos meio caminho andado para perceber o total da revelação dada ao ancião João quando do seu desterro na ilha de Patmos.

CONTEXTO - A cena principal desenrola-se a meio da 70ª semana de Daniel, (a última das 70 reveladas ao profeta Daniel)  ainda não cumprida, tendo assim lugar durante os 3 anos e meio finais antes que a Ira do Senhor Deus seja derramada sobre a humanidade. Esses 3 anos e meio são conhecidos como tempo de "Grande Tribulação".
Isso torna-se claro, não só pela alusão aos "1.260 dias" nos quais Israel estará protegida no deserto, mas também pela sequência dos terríveis acontecimentos descritos no capítulo seguinte (13), em que Satanás (o dragão), o Anticristo (primeira besta) e o falso profeta (segunda besta) têm um papel preponderante e aterrador durante esses mesmos 3 anos e meio da "Grande Tribulação."

1 -  SINAIS NO CÉU

A MULHER - "Uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés e uma coroa de 12 estrelas sobre a cabeça" - esta é uma clara alusão a Israel, a "esposa" de Deus, confirmando a visão dada ao patriarca José relatada em Génesis 37:9 e 10, associando as 12 estrelas aos 12 filhos de Jacó, cujo nome foi mudado para Israel (Génesis 35:10). A mulher representa então Israel com os seus 12 filhos, as 12 tribos israelitas.
Israel é sem dúvida o instrumento de que Deus Se tem servido para realizar os Seus maravilhosos planos na terra. "A salvação vem dos judeus" - João 4.
"e estava grávida e com dores de parto e gritava com ânsias de dar à luz" - o apóstolo Paulo refere-se ao Messias como tendo vindo "de Israel, segundo a carne" (Romanos 9:4,5). Sabemos que a mãe biológica de Jesus foi Miriam (Maria), uma judia que vivia em Nazaré. A genealogia humana de Jesus é toda ligada à família de Israel, pelo que podemos ver claramente que a mulher (Israel) traz ao mundo o Messias (Jesus), cumprindo o anseio judaico revelado na profecia de Isaías "porque um menino nos nasceu" (Isaías 9:6), ou seja, é como que dizer: através de nós, Israel, o Messias veio ao mundo.
As dores de parto da mulher (Israel) são bem conhecidas. O seu sofrimento, perseguições, infidelidades, são constantes, mas o fruto através dela gerado pelo Espirito Santo é perfeito: "Vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou Seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei" (Gálatas 4:4).

O FILHO - "E deu à luz um filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro."
Não pode haver outra identificação coerente com o texto que não a da Pessoa de Jesus, o Messias de Israel, nascido de Israel e vivendo na Terra de Israel. O Salmo 2 identifica este "varão" como "o Rei, o Filho de Deus" que há de reger as nações "com vara de ferro." Apocalipse 19:15 fala do Messias Vitorioso, descendo dos céus à terra, montado num cavalo branco, para "reger as nações com vara de ferro."

O GRANDE DRAGÃO VERMELHO - "E viu-se outro sinal no céu, e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha 7 cabeças e 10 chifres, e, sobre as cabeças, 7 diademas."
Este dragão é chamado de "antiga serpente chamada o diabo e Satanás, que engana todo o mundo." - Apocalipse 12:9. Esta pérfida personagem já é identificada no próprio texto profético. A sua cor é vermelha, uma vez que ele é chamado "homicida desde o princípio" - João 8:44, o verdadeiro promotor de todos os crimes, violência e sangue derramado sobre a terra desde o primeiro homicídio da História às mãos de Caim. Ele é também conhecidos nas Escrituras como "o príncipe das potestades do ar" (Efésios 2:2).

MIGUEL - "Miguel e os seus anjos lutavam contra o dragão" (v. 7). Miguel é um poderoso anjo de Deus, denominado como "grande príncipe" (Daniel 12:1), com a missão específica e fundamental de proteger o povo de Israel: "o grande príncipe que se levanta pelos filhos do teu povo (Israel)" - Daniel 12:1. Em Daniel 10:21 ele é designado como "Miguel, vosso príncipe", comprovando que ele é, abaixo de Deus, o grande protector e defensor dado pelo Altíssimo para o povo de Israel.

O RESTO DA SEMENTE DA MULHER - Há um povo mencionado no último verso de Apocalipse 12, identificado como "resto da semente da mulher", e que está identificado com o Filho da Mulher (Israel): "os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo." Este povo, gerado espiritualmente através da mulher, é obviamente o povo eleito da Aliança, os que nasceram espiritualmente em Jerusalém, o "útero" da mulher, formando um Corpo. Este povo não pode ser outro que não a Igreja, fruto da mulher, e irmão do seu "primeiro fruto", o Messias Jesus.

Continua...