sexta-feira, agosto 18, 2017

"A EUROPA ESTÁ PERDIDA" - ALERTOU O PRINCIPAL RABINO DE BARCELONA, ACONSELHANDO OS JUDEUS ESPANHÓIS A COMPRAREM CASA EM ISRAEL

A Europa "civilizada" pós-cristã e hedonista tem provado nestas últimas 24 horas a espada do Islão na sua sociedade acomodada e egocêntrica.
Não só os dois bárbaros ataques terroristas islâmicos em nome de Alá no coração da Espanha, causando pelo menos 14 mortos e dezenas de feridos, como o esfaqueamento esta tarde de várias pessoas na pacata Finlândia, provocando 2 mortos e muitos feridos, provam que a Europa já não é mais o paraíso seguro e próspero que a tornou tão atraente para tantos. 

Parece que as notícias de mais um ataque terrorista islâmico começam a fazer parte da rotina diária do europeu, tão incomodado quando Israel se defende legitimamente dos ataques dos seus inimigos, mas agora revoltado quando esse mesmo tipo de terrorismo "em nome de Alá" lhe vem bater à porta...
Ciente da realidade actual de uma Europa cada vez mais invadida pelas hordes islâmicas oriundas do Médio Oriente e do Norte de África, o rabino de Barcelona Meir Bar-Hen emitiu um alerta aos cidadãos judeus que vivem em Espanha: "A Europa está perdida. Digo aos meus congregantes: Não pensem que estamos aqui para sempre. Encorajo-os até a comprarem propriedades em Israel."
Segundo o rabino, a comunidade judaica em Barcelona está "condenada", uma vez que as autoridades em Espanha não querem confrontar o islamismo radical, exactamente num país que na sua opinião se tem tornado num "centro para o terrorismo islâmico para toda a Europa" durante vários anos antes dos ataques de ontem e de hoje naquele país.
Na sua intervenção de hoje, o rabino foi ainda mais longe nos seus avisos aos judeus espanhóis: "Este lugar está perdido. Não repitam o erro dos judeus argelinos e dos judeus venezuelanos. Mais vale sair cedo do que tarde."

Na opinião de Bar-Hen, parte do problema é a presença de uma grande comunidade muçulmana com "franjas radicais." Logo que essa gente esteja vivendo "no meio de nós" - disse o rabino em referência aos terroristas e seus apoiantes - "é muito difícil vermo-nos livres deles. Eles vão simplesmente fortalecer-se." E o rabino aplicou essa situação à Europa inteira: "A Europa está perdida."

Será esta a forma dura e sofrida de "empurrar" os judeus para a sua Terra? Não me admiraria se estivéssemos a assistir ao início de um novo êxodo dos judeus europeus para Israel...
Assim está profetizado há mais de 2.500 anos. Esta poderá ser a hora...

Shalom, Israel!

quarta-feira, agosto 16, 2017

PRIMEIRA AJUDA INTERNACIONAL À SERRA LEOA CHEGA DE...ISRAEL. COMO SEMPRE, ISRAEL SOLIDÁRIO COM A DESGRAÇA DOS OUTROS

Tal como é prática habitual da nação de Israel - tão desconsiderada, criticada e condenada por tantos - a nação judaica foi a primeira a enviar socorro para a Serra Leoa, a braços com uma tragédia de deslizamento de terras que provocou a morte a mais de 300 pessoas.
Enquanto outros estão ainda discutindo o que devem fazer e se devem gastar dinheiro com um país africano, Israel já fez chegar esta manhã à devastada Serra Leoa a sua primeira ajuda humanitária, após ter anteriormente enviado comida suficiente para preparar 10.000 refeições para alimentar os milhares de desalojados pelas inundações e consequentes deslizamentos de terras.
Milhares de latas com feijão e outros alimentos enviados por Israel provocaram o "orgulho" ao embaixador de Israel para a África Ocidental, Paulo Hirschson, especialmente por ter sido a primeira ajuda internacional a chegar ao país.


A agência humanitária israelita "IsrAID" já está entretanto com uma equipa no terreno, provendo "ajuda e apoio psico-social." Outra ajuda partirá em breve de Israel, especificamente em termos de equipas médicas, para prestar ajuda aos mais de 3.000 desalojados.
O testemunho do presidente da Serra Leoa, Ernest Bai Koroma, que visitou Israel em Janeiro passado, é impressionante: "A devastação sobrepuja-nos. Comunidades inteiras foram engolidas e desapareceram." Segundo a Cruz Vermelha, há cerca de 600 desaparecidos, mas o ministro do Interior avança com milhares de desaparecidos. 

Shalom, Israel!

terça-feira, agosto 15, 2017

INSTABILIDADE POLÍTICA NO BRASIL INCENTIVA CADA VEZ MAIS JUDEUS BRASILEIROS A PARTIREM PARA ISRAEL

O crescente desemprego, a insegurança e a violência estão entre os factores principais que levam um número cada vez maior de brasileiros judeus a fazerem "aliyah".
A maior parte da comunidade judaica brasileira pertence à classe média, cada vez mais debilitada pelas sucessivas crises económicas, sociais e políticas. Os níveis de corrupção que têm levado alguns governantes à condenação e até à prisão não param de crescer e preocupar aqueles que sonhavam ter um futuro risonho e próspero na maior economia da América do Sul. 
Calcula-se em 110.000 o número de judeus brasileiros ou residentes no Brasil.
Muitas pessoas formadas e até há bem pouco tempo atrás estabilizadas social e economicamente 
estão agora a ver os seus empregos a perderem-se, o dinheiro para pagar as contas regulares já não chega, muitos regressam a casa dos pais por não conseguirem manter os seus apartamentos, e o número de carros vendidos a desconto não pára de crescer a cada dia que passa.
Outra preocupação que assalta a mente dos judeus brasileiros tem a ver com a educação dos seus filhos. A falta de dinheiro tem posto em causa a continuidade do funcionamento de algumas escolas judaicas, estando a maioria já a sobreviver à custa de doações filantrópicas. O número de pedidos de ajuda social , incluindo a própria alimentação, tem aumentado a um ritmo de 20% por ano, com um número crescente de jovens a pedir ajuda.


A situação no Rio de Janeiro ainda é mais dramática. Uma média de 65 lojas fecham a cada dia, prevendo-se até que as mundialmente famosas celebrações do Carnaval estejam em risco para o ano que vem. O governo da cidade já não tem dinheiro sequer para pagar aos professores e às forças de segurança. Mas é a indescritível violência no Rio que tem levado mais judeus cariocas a imigrarem para a Terra Prometida. 
O Consulado de Israel em São Paulo não tem neste momento mãos a medir para tratar de todos os complicados e burocráticos processos de imigração para Israel.
Segundo a Agência Judaica, no final de 2015 houve um aumento de 77% no número de imigrantes que partiram para Israel (496) em comparação ao ano anterior, o qual já tinha tido um aumento de 39% em relação ao ano precedente.
684 judeus brasileiros chegaram a Israel durante o ano de 2016, um aumento de 40% em relação a 2015. E só até Maio deste ano, 346 novos imigrantes ("olim") aterraram em Israel para ali refazerem as suas vidas. Isso representa um aumento de 29% em comparação aos mesmos meses do ano passado.
Israel, com uma taxa de violência incomparavelmente baixa em relação ao Brasil, oferece um abrigo seguro aos judeus brasileiros que deixaram de acreditar no futuro do Brasil. 
Para eles e para muitos, o Brasil não é mais o tão anunciado "país do futuro". Israel sim, passou a ser o futuro para eles...

Shalom, Israel!

segunda-feira, agosto 14, 2017

"SE O HEZBOLLAH ATACAR ISRAEL, O LÍBANO SOFRERÁ AS CONSEQUÊNCIAS" - PROMETE MINISTRO ISRAELITA EM RESPOSTA À AMEAÇA FEITA ONTEM PELO HEZBOLLAH

Israel não está para brincadeiras. Nas duas últimas guerras provocadas pelos terroristas do Hezbollah em 2006 e pelo Hamas em 2014, as Forças de Defesa de Israel contiveram-se demasiadamente nas suas respostas, tentado ao máximo que os seus ataques fossem "cirúrgicos", poupando ao máximo possível as populações civis, tanto no Líbano como na Faixa de Gaza.
Mas a crueldade e o desrespeito pela vida humana demonstrados pelos terroristas muçulmanos das 2 pérfidas organizações anti-semitas não olham a meios para atingir os seus fins, como foi o caso da enorme quantidade de explosivos guardados em hospitais, creches e escolas, até mesmo em mesquitas, o disparo de rockets a partir de parques infantis e hospitais, a colocação de crianças em zonas de ataque, etc. etc.
Só que desta vez Israel não vai tolerar qualquer iniciativa de ataque por parte desses dois hediondos grupos terroristas islâmicos. 
Hoje mesmo o Ministro para a Educação de Israel, o "linha dura" Naftali Bennet, anunciou "uma nova estratégia" por parte de Israel, e que o seu país considerará o Líbano inteiramente culpado por qualquer ataque do Hezbollah contra território israelita.
"O interesse de Israel é evitar outra confrontação no Líbano, e por isso a nossa estratégia é simples: o Líbano é igual ao Hezbollah, e o Hezbollah é igual ao Líbano" - afirmou Bennet, membro do gabinete de segurança de Israel.
"Ao contrário da Segunda Guerra do Líbano, não iremos desta vez diferenciar entre a organização e o estado do Líbano. Isso significa que qualquer ataque do Hezbollah irá causar destruição no Líbano e nas suas instituições."

AMEAÇA DO HEZBOLLAH
Para celebrar o 11º aniversário da Guerra de 20016, o líder do grupo terrorista islâmico Hassan Nasrallah ameaçou ontem Israel com ataques cruéis. O bandido chegou a sugerir que Israel deslocasse o seu reactor nuclear de Dimona, alegando que é também um alvo visado pela sua organização, cuja destruição acarretaria mais estragos do que se possa imaginar.
Falando a partir do seu bunker oculto para um evento organizado pelo seu grupo terrorista Hezbollah no dia de ontem, Nasrallah ameaçou que caso Israel decidisse novamente invadir o país, teria pela frente uma força 100 vezes superior àquela que enfrentou no último conflito.
Nasrallah alegou ainda que Israel só não ataca o Líbano porque percebe que pagaria um alto preço por tal iniciativa.

RESPOSTA ISRAELITA
"Nasrallah, que pretende ser o 'defensor do Líbano', tornar-se-à o 'destruidor do Líbano'" - afirmou Bennett esta tarde, acrescentando: "Nós não queremos a guerra, e faremos tudo para a evitar, mas o outro lado tem que saber que haverá consequências provocadas por decisões unilaterais que ponham em risco a segurança de Israel."
E o ministro foi ainda mais longe: "Agora que o Líbano tornou claro que é o Hezbollah e que o Hezbollah é o Líbano, é altura de Israel e do mundo fazerem saber ao público libanês que se algum rocket ou morteiro for disparado contra Israel, isso será considerado por Israel como um acto de guerra conduzido pelo governo do Líbano. Se o Líbano permite e capacita terroristas a montarem ataques a partir do seu território soberano, Israel responsabilizará o Líbano por tal."
"E ao contrário da última, vez, Israel não irá usar pinças para procurar uma agulha num palheiro: nós neutralizaremos o palheiro."

O GRUPO TERRORISTA HEZBOLLAH FAZ PARTE DO GOVERNO DO LÍBANO
Segundo Bennett, o Hezbollah tem 12 assentos no governo do Líbano e dois ministros no governo. Para Bennett, isso justifica a afirmação de que um ataque do Hezbollah a Israel será considerado um ataque do próprio Líbano contra o estado judaico. 
"Se formos forçados a lutar - e para ser claro, não temos nenhum desejo de ir para a guerra - olharemos para todas as instituições governamentais libanesas como alvos potenciais. Qualquer lugar usado para lançar rockets contra Israel será considerado espaço militar; qualquer aldeia que abrigue armazéns com munições ou centros de comando, será considerada base militar; qualquer edifício ou infra-estrutura libanesa utilizada para atacar Israel torna-se automaticamente num alvo militar. Os resultados seriam trágicos para o povo do Líbano."

sexta-feira, agosto 11, 2017

ENSINADA A ODIAR OS JUDEUS, A PALESTINIANA SANDRA SOLOMON CONVERTEU-SE AO MESSIAS JESUS E PROMOVE O SIONISMO

Uma mulher palestiniana, sobrinha de um dos fundadores do movimento terrorista palestiniano "Fatah", e convertida ao Cristianismo há 10 anos atrás, tornando-se desde então uma destemida apoiante de Israel, tem condenado os ataques palestinianos recentes contra famílias judaicas, muito especificamente um dos últimos, em que um jovem terrorista palestiniano entrou numa tranquila casa onde judeus celebravam o nascimento de um novo membro da família, e munido de uma faca, assassinou 3 membros da família, deixando ainda outros feridos.
Sandra Solomon, a palestiniana agora sionista cristã, identificou a educação violenta como a causa de raíz do fenómeno persistente da violência contra judeus.
"O terrorista palestiniano que assassinou uma família na sexta-feira à noite em Halamish: onde é que ele foi buscar a ideia para penetrar na casa e matar as pessoas que lá estavam?" - perguntou Sandra, acrescentando: "Os jovens palestinianos que realizam os ataques já estão assassinados de um ponto de vista psicológico através da educação que lhes é dada."
Sandra, de 39 anos, com o nome original de Fida, é a sobrinha do oficial palestiniano Sahar Habash, um confidente próximo de Yasser Arafat. 
"Como criança, fui educada a odiar Israel. A coisa mais importante para nós era a libertação da mesquita al-Aqsa, a libertação de Jerusalém e a destruição do estado de Israel" - afirmou Sandra durante a sua recente visita a Israel. 
"Nós víamos a segunda Intifada pela TV" - recorda ela, mencionando os tempos da sua infância vividos entre a Jordânia e a Arábia Saudita. "Depois de cada grande ataque terrorista - até mesmo quando crianças eram mortas - trocavam-se doces. A educação que me ensinaram é a de que só os palestinianos é que eram as vítimas, que eles é que são os oprimidos neste conflito e que os sionistas são os criminosos ocupantes que nos roubaram a terra."
As mudanças na vida desta palestiniana e a sua decisão de abandonar esta cultura de ódio que lhe tinha sido semeada não se realizaram da noite para o dia. 

CONVERSÃO AO CRISTIANISMO
Sandra Solomon começou por se decidir pelo Cristianismo. Isso deveu-se inicialmente às suas críticas às formas como o Islamismo trata e oprime as mulheres, e à falta de liberdade de expressão.
"Eu não aceitava andar por aí com uma hijab (um véu usado pelas muçulmanas), tal como obrigam as mulheres na Arábia Saudita."
Depois de ter conseguido divorciar-se do marido com quem tinha sido forçada a casar-se depois de terem tido um bébé, ela partiu para o Canadá com o seu filho, onde continuam a viver até hoje.
"Quando expliquei à minha família na Jordânia que me tinha convertido, a minha irmã atirou a mala pela janela e expulsou-me de casa" - contou Sandra.
Até hoje Sandra continua sendo ostracizada pela família. Ela acredita até que se a família na altura percebesse onde ela estaria hoje, tê-la-iam morto com certeza.

"TRANSFORMADA PELO PODER DA VERDADE"
Enquanto no Canadá, Sandra Solomon recebeu informações acerca do povo judeu e da História judaica. "Comecei a ler a Bíblia e percebi que muito tempo antes de Maomé e do Islamismo já os judeus viviam naquela terra. O poder da verdade transformou-me" - adiantou Sandra. Tão faminta ela estava pela verdade, que leu a Bíblia inteira, de Génesis a Apocalipse em apenas 3 semanas!
Após ler a Bíblia, ela encontrou o Messias Jesus. Dobrou os seus joelhos e entregou-se a Ele completamente, agora o seu Salvador e Messias!
E tão inspirada e apaixonada ficou por Israel e pelo seu Messias, que Sandra decidiu gravar duas tatuagens bens visíveis nos braços onde se lê em hebraico : "Jesus é o Messias", no braço direito e "Israel", no antebraço.

EM RAMALA
Neste últimos dias, Sandra tem estado em Ramala, a capital dos territórios administrados pelos palestinianos. Ainda que tenha cutela em exibir as tatuagens em público, Sandra afirma não ter medo de andar nas ruas da cidade. Mesmo assim, tem sido vítima de provocações: "Um jovem palestiniano que viu as minhas tatuagens cuspiu-me, mas não tenho medo" - afirmou, assinalando a hipocrisia dos palestinianos, ao boicotarem os bens israelitas, ao mesmo tempo que fazendo uso dos seus bens essenciais: "Entre os palestinianos, há apelos para que se boicotem os produtos israelitas, mas os telefones e a medicação que eles usam vêm de Israel."

"NÃO ACREDITO NUMA SOLUÇÃO 2 ESTADOS"
Solomon afirma que os palestinianos têm direito a existir como minoria igualitária com direitos garantidos sob a soberania israelita, mas rejeita a ideia dos 2 estados: "Não acredito numa solução 2 estados, porque vejo o que acontece na Margem Ocidental. Vêem-se pela ruas fotos penduradas de terroristas que são considerados heróis. O povo palestiniano não quer paz. Eles glorificam a Intifada" - concluiu a palestiniana convertida ao Messias de Israel.

Shalom, Israel!

quinta-feira, agosto 10, 2017

JORNALISTA IRANIANA EXPULSA DA TURQUIA É ACOLHIDA EM ISRAEL

Neda Amin, jornalista iraniana, fugiu do seu país em 2014 e refugiou-se na Turquia em 2014, de onde foi agora expulsa pelo "crime" de escrever para um website israelita. Chegada a Israel, seu novo país de refúgio, já recebeu um visto especial de turista que lhe permite concorrer à condição de asilo político.
Não tendo comparecido no seu voo para Tel Aviv na passada Segunda-Feira, levantaram-se imediatamente suspeitas de algo estivesse correndo mal, ou de que tivesse sido detida pelas autoridades turcas. Finalmente tudo clarificado, ela pôde finalmente embarcar com um bilhete comprado pelo consulado israelita em Ancara, a capital turca.
Constantemente investigada, questionada e incomodada pelas autoridades turcas por causa do "crime" de estar a contribuir regularmente para um órgão de comunicação social israelita, Neda Amin, de 32 anos, acabou por receber ordem de expulsão do país no prazo de um mês a contar do passado dia 5 de Julho. A acusação de que era vítima era a de ser "espia" ao serviço de Israel...


Todos os receios se concentraram então na possibilidade de ela ser recambiada para o seu país natal, o Irão, onde seria certamente presa, torturada e provavelmente até morta.
Israel para ela tornou-se agora um porto de abrigo.
E, tal como o Ministro do Interior escreveu no seu tweet, nós dizemos: "Bem vinda a Israel!"
Horas depois de aterrar em segurança na Terra Prometida, e já na capital Jerusalém, a jornalista persa não se conteve e exclamou:
"Estou muito contente. Israel é o meu país", acrescentando que finalmente se "sente agora segura", porque ali ninguém a irá ameaçar ou prender.
Apesar de ela ter pedido ajuda a outros países da região, Israel foi o único que prontamente se ofereceu para a receber.

Shalom, Israel!

terça-feira, agosto 08, 2017

AL-JAZEERA CORTADA EM ISRAEL POR APOIAR O TERRORISMO

Como consequência do comprovado incitamento à violência feito através do canal televisivo, o canal Al Jazeera vai ser suspenso em Israel.
Financiado pelo Qatar, este canal aproveitou os recentes acontecimentos ocorridos à volta do Monte do Templo para incitar à violência contra Israel.
Segundo as autoridades israelitas, o canal árabe estava a "incitar, em vez de informar." Garantindo plena liberdade de expressão, Israel não pode no entanto consentir que um canal de TV ultrapasse a linha, "não fazendo nada mais senão apoiar o terrorismo."
O canal agora encerrado transmitia diariamente em Israel em língua inglesa e árabe, com os seus escritórios sediados em Jerusalém.
As credenciais dos respectivos jornalistas serão também revogadas.

Na nossa opinião, esta medida só peca por tardia...

Shalom, Israel!

segunda-feira, agosto 07, 2017

ARQUEÓLOGOS ESCAVAM O QUE PODERÁ SER A BÍBLICA BETSAIDA

A antiga cidade romana da Julias, que se crê ser o lugar de nascimento de 3 apóstolos de Jesus - André, Pedro e Filipe - pode ter agora sido descoberta após décadas de escavações feitas por arqueólogos na parte superior do vale do Jordão, junto a um delta que dá acesso ao Lago da Galiléia.
A descoberta foi feita durante escavações em Beit Habek, na localidade de Betsaida, pelo arqueólogo Dr. Mordechai Aviam, chefe do Instituto Kinneret, na Galiléia. 
A cidade perdida de Julias foi denominada de acordo com o nome da filha do imperador romano Augusto.
Betsaida, outrora uma aldeia piscatória nas margens a Norte do Mar da Galiléia, é mencionada várias vezes nos Evangelhos como sendo a terra natal de pelo menos 3 importantes apóstolos de Jesus.
A localização exacta da antiga povoação tem no entanto sido há muito objecto de discussão.
O arqueólogo Aviam afirmou ontem que foram encontradas diversas peças-chave que reforçam a identificação da localidade. 
"Foi localizado um extracto do período romano a uma profundidade de 2 metros, por debaixo de um outro do período bizantino, onde se acharam potes e moedas datadas do 1º ao 3º século d.C.
A nossa principal surpresa foi ter-se encontrado no fundo da escavação, numa área limitada, uma parede de um edifício, junto à qual se encontrava um chão em mosaico e artefactos que identificam o local como uma sala de banhos."
Destacando que casas com salas de banhos não eram comuns naquela região, o arqueólogo acredita ser essa uma chave importante para se prever que por debaixo se poderá encontrar a cidade de Julias, até agora nunca identificada.
"Esta é uma descoberta que irá despertar um grande interesse entre os pesquisadores do período do início do cristianismo, historiadores do Novo Testamento, e pesquisadores da Terra de Israel em geral, e muito em particular da Galiléia judaica do período do Segundo Templo" - acrescentou o Arqueólogo israelita.

O pesquisador adiantou ainda que foi encontrada no local uma rara moeda do tempo do imperador Nero, anos 65-66 d.C.
"Nessa mesma época (do governo de Nero), em finais do ano 66 d.C., Josefo, que lutou contra os soldados romanos do exército do rei Agrippa II, veio para a Galiléia, para perto de Betsaida" - informou o arqueólogo, acrescentando que foi nos pântano perto de Betsaida que o seu cavalo caiu, deixando-o ferido e tendo sido conduzido para tratamentos em Cafarnaum.
Segundo Aviam, as escavações vão prosseguir no local até que se identifique seguramente a cidade.

Shalom, Israel!


sábado, agosto 05, 2017

CIENTISTAS ISRAELITAS DESCOBREM FORMA DE RESTAURAR A FUNÇÃO CARDÍACA

Sempre na linha da frente na investigação e na descoberta de formas para abençoar a humanidade, cientistas israelitas do Instituto Weizmann descobriram uma molécula chamada "Agrin", que parece poder controlar o processo de reparação cardíaca. 
A molécula foi descoberta no tecido circundante de apoio ao coração, conhecido como "matriz extra-celular", ou sob a sigla de "ECM." Em testes de laboratório, a "Agrin" curou tecido cicatrizado em um mês.
A experiência tem tido sucesso, e poderá ser mais um contributo de Israel para colmatar um problema que é de facto a causa nº1 das mortes no mundo inteiro.

Shalom, Israel!

sexta-feira, agosto 04, 2017

ADN COMPROVA LIGAÇÃO DOS ANTIGOS CANANEUS AOS ACTUAIS LIBANESES

Um estudo recente feito com material genético recolhido de esqueletos com 4.000 anos faz a ligação entre os actuais libaneses e os antigos cananeus, desfazendo-se assim as infundadas alegações de que as referências bíblicas à extinção dos cananeus seriam falsas. 
Antes pelo contrário, esta investigação conclusiva comprova que a Bíblia tem sempre razão, e que melhor seria se os cientistas prestassem mais atenção à mesma.

Como habitantes pagãos na Terra Prometida, os cananeus desempenharam um papel fulcral na narrativa bíblica, tendo Deus ordenado aos israelitas que os erradicassem completamente da Terra - Deuteronómio 20:16: "Porém, das cidades destas nações, que o Senhor teu Deus te dá em herança, nenhuma coisa que tem fôlego deixarás com vida. Antes destruí-las-ás totalmente: aos heteus, e aos amorreus, e aos cananeus, e aos perizeus, e aos heveus, e aos jebuseus, como te ordenou o Senhor teu Deus."

Um recente relatório sobre genética publicado pelo "Wellcome Trust Sanger Institute" confirmou esta versão bíblica do destino do povo cananeu.
O estudo fez a sequência dos genomas extraídos de ossos de cananeus com 4 mil anos encontrados em Sidon, uma cidade costeira do Líbano. Os resultados foram comparados com amostras de 99 libaneses actuais, e publicados na semana passada pela "American Journal of Human Genetics." Comprovou-se que 93 por cento dos ancestrais dos actuais libaneses procedem dos antigos cananeus.

A contestação promovida por alguns cientistas de que a narrativa bíblica estaria errada, pois que se os cananeus tivessem sido completamente destruídos, não haveria esta ligação agora descoberta, cai por terra quando se lê o completo registo bíblico: "Os filhos de Manassés não puderam expulsar os habitantes daquelas cidades; porquanto os cananeus queriam habitar na mesma terra" - Josué 17:12. 
Este texto revela que os israelitas acabaram por fazer compromissos com os cananeus, permitindo que eles continuassem na terra como escravos. E se eles fugissem para fora de Israel, não havia nenhuma ordem para os perseguir.
Isso é posteriormente comprovado pela narrativa de Juízes 1:27: "...resolveram os cananeus habitar na mesma terra."

Como sempre, a Bíblia tem razão e é digna de todo o crédito!

Shalom, Israel!


quinta-feira, agosto 03, 2017

1.300 JUDEUS SUBIRAM AO MONTE DO TEMPLO NO DIA QUE ASSINALA A DESTRUIÇÃO DOS 2 TEMPLOS

Algo de incrível está acontecendo em Israel: pela primeira vez na História destes últimos 2 mil anos mais de mil judeus subiram ao seu lugar mais sagrado, o Monte do Templo - actualmente conspurcado pela mesquita al-Aqsa e pelo Domo da Rocha - no dia de Tisha B'Av, o dia que assinala a destruição dos primeiros e segundo Templos de Jerusalém, ou seja, na passada Terça-Feira.

Eu bem os vi às dezenas a subir à esplanada no passado Domingo, quando também subia com o meu grupo, e era notória a alegria e satisfação que esses judeus irradiavam. Claro que foram acompanhados por um bom grupo de polícias israelitas fortemente armados, e, tal como esta minha fotografia demonstra, eram olhados com preocupação por outros seguranças destacados para o Monte.

SINAL PROFÉTICO?
A inédita ascensão ao Monte de 1.300 neste dia tão sagrado e de lamentação pela destruição dos Templos converteu-se num sinal de alegria e de esperança, pois pode ser a semente que germinará na tão ansiada construção do Terceiro Templo!
Segundo o rabino Yisrael Ariel, um mítico soldado que lutou ao lado dos pára-quedistas quando da conquista do espaço sagrado em 1967, "o lugar sagrado nunca tinha visto tantos judeus reunidos num Tisha B'Av desde que o Segundo Templo foi destruído, há exactamente 1.947 anos."
Se compararmos este número com os 400 que subiram neste mesmo dia no ano passado, temos que ficar perplexos diante daquilo que isto pode querer estar a indicar.
Segundo este rabino, quanto mais se aproxima a edificação do Terceiro Templo, mais os inimigos se levantam contra Israel. E é a isso que temos estado a assistir nestas duas últimas semanas.

E mais não digo, não vá eu cair em especulações desnecessárias num momento tão crucial como este...

Shalom, Israel!

quarta-feira, agosto 02, 2017

JÁ QUEREMOS VOLTAR...


Ainda mal refeitos do cansaço da viagem, já temos participantes a inscreverem-se para a excursão de Agosto de 2018!
Apesar da intensidade do programa, as emoções sentidas, os conhecimentos adquiridos, as alegrias experimentadas e o maravilhoso espírito de grupo permitiram que estes 59 participantes, na grande maioria portugueses, mas também brasileiros, norte-americanos e suíços comprovassem que visitar Israel é algo de singular, sem comparação, algo que nunca cansa a alma daqueles que vivem na dimensão espiritual!
Visitar Israel é lembrar o glorioso passado daquela Terra e os sobrenaturais acontecimentos ali ocorridos, é confirmar o presente resultante do cumprimento das profecias milenares inspiradas por Deus, e é ainda e também antever um futuro glorioso reservado para aquela Terra Prometida, agora conturbada e disputada, mas um dia lugar de descanso eterno: a morada de Deus!

Venha a Israel! Venha realizar o sonho da sua vida!
Contacte-nos de imediato para receber toda a informação necessária respeitante à excursão comemorativa dos 70 anos da fundação do moderno estado de Israel!

viagens.shalom@gmail.com
www.viagens-shalom.com

terça-feira, agosto 01, 2017

NO MONTE DO TEMPLO EM JERUSALÉM, SENDO INTERCEPTADO PELOS MUÇULMANOS...

Esta minha gravação realizada no Monte do Templo no passado Domingo não foi prosseguida, conforme era meu desejo, em função da brusca interrupção por parte de dois musculados muçulmanos que queriam a todo o custo apagar as imagens gravadas num território que eles consideram seu, mas que eu percebo não o ser, antes pelo contrário...
Após algumas difíceis "negociações", acabaram por me deixar em paz, permitindo que eu pudesse ficar com este registo que para mim será histórico.
Desta vez escapei...mas já sei que é melhor não tentar repetir a façanha...

https://www.facebook.com/normando.fontoura/videos/10214044805224886/