sexta-feira, dezembro 14, 2018

JERUSALÉM RESERVA ESPAÇO PARA AS EMBAIXADAS

De forma a incentivar outros países a seguirem o bom exemplo dos Estados Unidos e da Guatemala, o Ministério da Habitação e Construção de Israel planeia reservar um "quarteirão diplomático" num espaço de mais de 25 hectares em Talpiot oriental.
"Apressem-se: os melhores espaços estão a esgotar-se!" - avisou o ministro Galant...
Este plano, iniciado pelo ministro Yoav Galant, verá a construção de um quarteirão que incluirá embaixadas, edifícios residenciais para os funcionários das embaixadas e residências para os embaixadores.
O complexo das embaixadas cobrirá uma área de 25 hectares, próximo à embaixada dos Estados Unidos, e a cerca de 1 quilómetro e meio da barreira de separação.
No caso de mais embaixadas quererem deslocar-se para Jerusalém, será alocada uma nova área no bairro de Rekhes Lavan.
A localização não poderia ser melhor: os embaixadores terão vistas privilegiadas sobre os montes da Judeia e até do próprio Mar Morto. 

Shalom, Israel!

quinta-feira, dezembro 13, 2018

DOIS SOLDADOS ISRAELITAS ASSASSINADOS POR TERRORISTAS PALESTINIANOS

Dois soldados das Forças de Defesa de Israel foram assassinados e dois outros gravemente feridos durante um tiroteio a partir de um carro em andamento na Judeia, a Norte de Jerusalém.
Este foi o segundo ataque a soldados israelitas num espaço de 12 horas, e o único a provocar vítimas.
O ataque ocorreu pelas 11H15 da manhã na estrada Nº 60, uma artéria central que percorre a Judeia e Samaria, a cerca de 5 quilómetros do aldeamento de Ofra, onde no passado Domingo um terrorista, entretanto já abatido pelas forças israelitas, disparou contra 7 pessoas, acabando por provocar a morte a um bébé.
Todas as vítimas dos ataques terroristas de hoje têm pouco menos de 20 anos de idade.

VÍTIMAS MORTAIS
Yosef Cohen, de 19 anos, e Yovel Moryosef, de 20, são as duas vítimas mortais deste ataque terrorista.
Segundo as informações das FDI, os terroristas palestinianos pararam o carro junto a uma paragem de autocarros, saíram do veículo, e dispararam contra militares e civis que ali se encontravam, pondo-se logo de seguida em fuga dentro do carro.
Tal como aconteceu com o ataque terrorista do passado Domingo, o movimento terrorista Hamas já aplaudiu o ataque de hoje.
Buscas intensas estão sendo conduzidas pelas forças israelitas, não se tendo ainda encontrado os responsáveis por mais este bárbaro ataque palestiniano que, à semelhança de muitos outros, recebe o total silêncio dos mídia internacionais, já para não falar da mais que justa condenação...

Shalom, Israel!

quarta-feira, dezembro 12, 2018

BÉBÉ ISRAELITA ASSASSINADO POR TERRORISTA PALESTINIANO

O hospital de Jerusalém para onde foi levada a senhora grávida que, juntamente com outras 6 pessoas foi vítima de tiros disparados por um terrorista árabe que entretanto se pôs em fuga, confirmou que o bébé que conseguiram retirar do ventre da mãe não resistiu aos ferimentos e acabou por falecer esta tarde.
O porta voz do hospital lamentou profundamente o sucedido, muito embora as equipas médicas tenham porfiado todos os esforços para salvar o bébé. 
O funeral será realizado esta noite no Monte das Oliveiras.

ATAQUE TERRORISTA IGNORADO PELA MÍDIA
A senhora Shira Ish-Ran, grávida do bébé, foi atingida por tiros no passado Domingo quando, indivíduos palestinianos dentro de um carro em andamento dispararam contra um grupo de pessoas que aguardavam numa paragem de autocarro junto ao aldeamento de Ofra.
Um total de sete pessoas ficaram feridas, incluindo o marido de Ish-Ran.
Ish-Ran estava grávida de 30 semanas no dia do ataque terrorista. O parto do bébé no hospital foi considerado "um milagre", mas os médicos viram a sua situação a deteriorar-se de dia para dia, apesar de terem feito de tudo para o salvarem.
Ish-Ran já acordou do estado de coma induzido, mantendo-se em situação estável.

TERRORISTA EM FUGA
Tem sido feita uma intensa busca por todas as regiões próximas do ataque, sem que ainda não se tenha conseguido apanhar o criminoso responsável pelo assassinato deste bébé inocente e pelos ferimentos nas outras 7 pessoas.

Se porventura tivesse sido Israel a casualmente matar um bébé palestiniano num dos seus legítimos ataques de defesa, o mundo inteiro cairia sobre o estado judaico com as mais duras acusações. Como se trata de um bébé assassinado pelos palestinianos, os órgãos de comunicação social remetem-se ao silêncio...
Mais do mesmo. Mais da mesma habitual e nojenta hipocrisia.

Shalom, Israel!

terça-feira, dezembro 11, 2018

AUSTRÁLIA PRESTES A RECONHECER JERUSALÉM COMO CAPITAL DE ISRAEL

Deverá ser hoje aprovada a proposta do governo australiano para o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel. A esta decisão não será indiferente o facto de Scott Morrison, o actual primeiro-ministro da Austrália ser um cristão evangélico pentecostal.
A mudança da embaixada australiana de Tel Aviv para Jerusalém não será no entanto para já, mas unicamente devido a questões ligados aos respectivos custos, avaliados em 200 milhões de dólares.
Segundo o diário "The Australian", o gabinete do primeiro-ministro australiano aprovou a mudança política durante a reunião do Conselho Nacional de Segurança realizada ontem à noite, após prolongadas discussões sobre a questão.
O governo de Camberra irá colocar inicialmente um consulado do seu país em Jerusalém até à deslocação permanente da embaixada para a capital de Israel.

Shalom, Israel!

sábado, dezembro 08, 2018

JERUSALÉM BATE O RECORDE MUNDIAL NO CRESCIMENTO DO TURISMO

Com um considerável aumento de quase 40% no número de turistas entrados na Cidade, a capital de Israel, Jerusalém, já é a cidade do mundo com o mais rápido crescimento anual de visitantes.
Desta forma, Jerusalém poderá no final deste ano conquistar o título de cidade mais "na moda" a nível mundial.
Segundo dados recentes do "Euromonitor" (um provedor de pesquisas do mercado estratégico), Jerusalém posiciona-se para assistir a um crescimento de 38% no turismo receptivo até ao final deste ano de 2018.

4,8 MILHÕES DE TURISTAS
No dia 31 de Dezembro próximo Israel deverá ter recebido no seu território cerca de 4,8 milhões de turistas, representando uma subida de 32% face ao período homólogo anterior. A capital está a beneficiar de uma "relativa estabilidade e de uma forte promoção de marketing."
Estes ganhos no número de visitantes também reflecte a crise actual no turismo outrora próspero em regiões do Médio Oriente onde o terrorismo se tornou uma ameaça constante, como é o caso da Tunísia e do Egipto, embora neste último caso há um leve recrudescimento na procura turística.
Segundo o "Gabinete Central de Estatísticas", no passado mês de Novembro foram registadas 389.000 entradas de turistas em Israel, um aumento de 9% em comparação com Novembro de 2017, e 35% em comparação com Novembro de 2016.

GRANDE ESFORÇO PROMOCIONAL
Israel tem estado nestes últimos anos a fazer um esforço concertado no marketing turístico do país. 
Segundo o ministro para o Turismo Yariv Levin, "através do trabalho duro e um de forte esforço de marketing, Israel tem-se tornado um destino turístico atraente, dessa forma dando um forte impulso à economia."

Shalom, Israel!

sexta-feira, dezembro 07, 2018

APESAR DE TER CONSEGUIDO A MAIORIA DOS VOTOS, A RESOLUÇÃO PROPOSTA PELOS EUA PARA CONDENAR O HAMAS NÃO PASSOU

Não obstante não ter passado desta vez, a verdade é que a maioria dos votos a favor da resolução provou que há um número cada vez maior de países dispostos a condenar o movimento terrorista Hamas.
87 países votaram a favor, 57 votaram contra e 33 abstiveram-se.
Os palestinianos já vieram aplaudir o "chumbo" da proposta norte-americana, dessa forma condescendendo com todos os actos terroristas que o Hamas vem cometendo contra as populações de Israel. Israel elogiou a postura de um crescente número de países que votaram contra o Hamas.
Para que a proposta passasse, era necessária uma maioria de dois terços dos votos.

O embaixador israelita na ONU, Danny Danon, não só elogiou a "voz forte e corajosa" daqueles que condenaram o Hamas através do seu voto, como desmascarou os que votaram contra, expressando-se de forma pouco habitual: "deviam ter vergonha na cara."
Tanto a China como a Rússia votaram contra a proposta de resolução, tendo a Índia escolhido a abstenção. 
Nota positiva para o Brasil, que votou ao lado dos norte-americanos, juntamente com a Argentina e outros países das Américas. Toda a Europa dos 28 votou a favor da proposta.

Para a demissionária embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Haley, esta votação tratou-se apesar de tudo de uma vitória: "Hoje poderia ter sido um dia histórico para as Nações Unidas" - comentou a embaixadora, acrescentando: "A Assembleia Geral já passou mais de 700 resoluções de condenação a Israel. E nem uma simples resolução condenando o Hamas. Para além de tudo mais, isso é a condenação das próprias Nações Unidas."

Dirigindo-se aos países que votaram contra a proposta, o embaixador israelita Danny Danon alertou-os de que eles começariam a ver as coisas de forma diferente quando tiverem que enfrentar o terrorismo nos seus próprios países. Uma boa parte dos países que votaram contra já andam a ser ameaçados ou até envolvidos com problemas ligados ao terrorismo islâmico.
"Esperem até ter de enfrentar o terrorismo nos vossos próprios países. O vosso silêncio diante do mal revela as vossas verdadeiras cores. Isso mostra-nos de que lado é que vocês realmente estão: um lado que não quer saber das vidas de israelitas e palestinianos inocentes que caíram vítimas do terrorismo do Hamas" - acusou o embaixador judeu.
A embaixadora norte-americana acrescentou ainda que "não há nada mais anti-semita" do que recusar condenar o terrorismo quando o alvo é o estado judaico.

Shalom, Israel!

quinta-feira, dezembro 06, 2018

ISRAEL CONVIDA A ONU E O LÍBANO A DESTRUÍREM O SEGUNDO TÚNEL HOJE DESCOBERTO NO SEU TERRITÓRIO

SOLDADOS ISRAELITAS MOSTRAM AO COMANDANTE DA
UNIFIL UM TÚNEL HOJE DESCOBERTO ESCAVADO PELO
HEZBOLLAH PARA O INTERIOR DO TERRITÓRIO ISRAELITA
Numa autêntica "jogada de mestre", Israel, após constatar da existência de um segundo túnel escavado a partir de casas no Líbano e com penetração em território israelita, veio agora convidar a "UNIFIL" (soldados de paz da ONU) a conhecerem a situação e a tomarem as medidas adequadas.
Este novo túnel agora descoberto parte da aldeia libanesa de Ramyeh, passando por debaixo de várias casas e entra no território de Israel, próximo à aldeia de Zarit.
Israel lançou na passada Segunda-Feira uma operação para encontrar e destruir vários túneis que as FDI sabem andarem a ser escavados pelo movimento terrorista Hezbollah, com o objectivo de penetrarem em Israel e prosseguirem com a sua ambicionada "conquista" da Galileia.

"LARGOS BATALHÕES"
Um oficial das Forças de Defesa de Israel (FDI) afirmou hoje que os túneis até agora descobertos são "suficientemente grandes para serem usados por batalhões inteiros" que entrem em Israel para realizarem "incursões de assassinatos e sequestros e para capturarem aldeias e vilas israelitas."

UM TERCEIRO LOCAL
O exército confirmou que já tem também operacionais num terceiro ponto, acreditando ainda que hajam outros locais onde o Hezbollah terá escavado túneis para dentro do território israelita. A censura militar não permite que seja divulgado o número e a posição exacta dos túneis.

PEDIDO À UNIFIL
Ao contrário do primeiro túnel descoberto na Terça-Feira, que as FDI se encarregarão de destruir, este novo túnel levou a que Israel pedisse às forças da ONU - UNIFIL - a às Forças Armadas Libanesas para virem destruir o mesmo.
O responsável da UNIFIL já visitou o local onde o primeiro túnel foi encontrado, tendo também recebido dos israelitas um mapa mostrando a origem do mesmo em território libanês. Para além disso, o responsável da UNIFIL recebeu também uma queixa formal de Israel sobre aquilo a que chamaram de "violação pelo Hezbollah da Resolução 1701 da ONU", que a força de paz da ONU deveria alegadamente manter na fronteira entre Israel e o Líbano. 
"As FDI consideram o governo libanês e o seu exército, juntamente com a UNIFIL, responsáveis por tudo o que acontece no Líbano e pela aplicação da Resolução 1701" - declara-se no comunicado.

ISRAEL JÁ VEM AVISANDO
Ainda que sob anonimato, uma fonte israelita já veio esta manhã avisar que a presença dos túneis escavados pelo Hezbollah pode "obrigar" a uma intervenção militar israelita no Líbano...

Na sua visita "ao terreno" esta manhã com cerca de 25 diplomatas estrangeiros, o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu avisou claramente que os túneis feitos pelo Hamas e pelo Hezbollah não subsistirão nem terão qualquer efeito.
Assim seja.

Shalom, Israel!

quarta-feira, dezembro 05, 2018

O PLANO DO HEZBOLLAH É CONQUISTAR A GALILEIA

Com esta intervenção das FDI para eliminar os muitos túneis escavados pelo grupo terrorista Hezbollah para penetrar em território judaico, vão-se descobrindo as reais intenções dos militantes islâmicos desse grupo que continua a contar com o beneplácito internacional: nada mais, nada menos, do que conquistar a Galileia bíblica!

"CONQUISTAR A GALILÉIA"
Muito antes desta operação israelita ter sido levada a cabo (ontem), já o plano do Hezbollah "Conquistar a Galiléia" tinha sido anunciado publicamente.
O plano dos terroristas consistia em fazer infiltrar em Israel membros da unidade de elite Radwan (comandadas pelo Hezbollah), que se esconderiam dentro das comunidades israelitas da fronteira com o Líbano, tentando fazer reféns israelitas e usar cidadãos israelitas como escudos humanos.

APOIO DE TEERÃO
De acordo com este plano macabro, o regime xiita dos ayatollahs iranianos estaria financiando e enviando armas para a organização terrorista do Hezbollah, para além de enviarem também operacionais para combaterem ao lado dos membros do Hezbollah.
A temível unidade de elite do Hezbollah teria a seu cargo as operações que levariam à "conquista" da Galiléia.

PREPARADO DESDE 2012
Segundo as FDI, estes planos já datam de 2012, sendo que em 2013 já se suspeitava da escavação de túneis, ainda que nada se tenha encontrado de concreto. 
Entretanto, já em 2015, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, havia afirmado que o seu grupo estava "pronto e preparado" para um confronto na Galiléia e até para além da mesma. Na entrevista dada na altura, o diabólico líder afirmou estarem "preparados para tudo quanto uma guerra com Israel requerer."
Para além desta força de elite, o líder do Hezbollah planearia também fazer uso de milhares de combatentes que estiveram nas guerras do Iraque e da Síria e ainda de outras milícias que reuniria para combater Israel.

Shalom, Israel!

terça-feira, dezembro 04, 2018

ISRAEL LANÇA GRANDE OPERAÇÃO PARA DESTRUIÇÃO DE TÚNEIS DE ATAQUE DO HEZBOLLAH NA FRONTEIRA COM O LÍBANO

Com o início esta manhã da operação israelita para a destruição de túneis escavados pelos terroristas do Hezbollah para penetrarem em solo israelita, um túnel de 200 metros de comprimento foi já descoberto por Israel, sendo que o mesmo penetrava cerca de 40 metros dentro do interior do território judaico, na direcção de Metulla.
Segundo declarações prestadas pelos militares israelitas, este "é um dos garantidamente muitos" túneis de ataque fronteiriços escavados pelo grupo terrorista Hezbollah. Este agora descoberto, iniciava-se debaixo de uma casa na aldeia libanesa de Kafr Kila, e tentava dar acesso subterrâneo à aldeia israelita de Metulla.
Esta operação denominada "Escudo do Norte" visa encontrar e destruir as passagens subterrâneas ofensivas a partir do território do Líbano, que o exército afirma não estarem ainda operacionais, nem representarem um perigo imediato para Israel.


"Nesta altura, depois de se expôr o túnel, os soldados das FDI estão a conduzir esforços operacionais de engenharia antes de neutralizarem os túneis" - consta na declaração das Forças de Defesa de Israel.

"ESTE É O PRIMEIRO DIA..."
Segundo as mesmas declarações das FDI, este é o primeiro dia das operações, estando as forças israelitas "preparadas para todas as opções." E o comunicado avisa que as intervenções israelitas podem ultrapassar os limites do seu próprio território: "A neutralização dos túneis não terá necessariamente lugar dentro do nosso território."

"UM TÚNEL ESPAÇOSO"
Este túnel agora exposto por Israel tem um comprimento de aproximadamente 200 metros, e encontra-se a uns 25 de profundidade. Tem uma altura e uma largura de dois metros, o que o torna significativamente maior do que os previamente escavados pelo Hamas em Gaza.
Segundo as FDI, o túnel terá levado 2 anos a ser escavado - mais do que o habitual, devido à dureza do terreno na fronteira entre o Líbano e Israel - e tinha já linhas eléctricas e telefónicas, bem como um sistema de ventilação.

Esta é mais uma clara e flagrante violação do território israelita pelo grupo islâmico terrorista Hezbollah.
"Esta é a mais clara prova da violação da Resolução 1701 das Nações Unidas que fez cessar a Segunda Guerra no Líbano" - afirmaram os responsáveis das FDI. 

Shalom, Israel!


segunda-feira, dezembro 03, 2018

NETANYAHU REÚNE-SE COM POMPEO EM BRUXELAS PARA ABORDAREM AMEAÇA IRANIANA

Tudo leva a crer que Israel poderá em breve intervir em força para travar as pretensões iranianas no Líbano.
Com o desenvolvimento e comprovação de um novo míssil iraniano capaz de atingir não só qualquer país no Médio Oriente mas também partes da Europa, Israel ver-se-à na obrigação de desmantelar o desenvolvimento do mesmo no Líbano, sob a direcção do grupo terrorista Hezbollah.
Sem se conhecerem ainda os detalhes do encontro desta tarde em Bruxelas entre o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e o secretário de estado norte-americano Mike Pompeo, sabe-se no entanto que o mesmo terá sido planeado na semana passada tendo em vista os "desenvolvimentos na região."
O encontro reveste-se de grande importância, uma vez que o primeiro-ministro faz-se acompanhar do chefe da Mossad, do conselheiro para a segurança nacional e do adido militar.
Este encontro faz em tudo lembrar um outro ocorrido em 2007 entre o então primeiro-ministro Ehud Olmert e a administração norte-americana em Washington, antes do bombardeamento do reactor nuclear na Síria.

LOCAIS DAS FÁBRICAS DE MÍSSEIS DO
HEZBOLLAH NO LÍBANO
Sabe-se que o Irão está a tentar rapidamente instalar no Líbano várias fábricas para o fabrico de mísseis de alta precisão para o Hezbollah...
Crê-se que os líderes israelitas irão apresentar todas as evidências desta ameaça ao líder norte-americano de forma a obterem o apoio da administração Trump no caso de uma intervenção militar israelita no Líbano para destruir essas fábricas.
Por outro lado, pode ser que este encontro em Bruxelas seja um "recado" ao Líbano e ao Irão de que Israel irá agir contra os seus planos, tentando assim convencê-los a não avançarem com o projecto.

O mísseis de "alta precisão" iranianos são capazes de carregar múltiplas ogivas nucleares, tendo sido recentemente testados com sucesso, o que levou imediatamente a administração norte-americana a condenar o fabrico destes mísseis que, segundo os norte-americanos, são "uma violação dos acordos internacionais" sobre o programa nuclear iraniano.

Shalom, Israel!

sábado, dezembro 01, 2018

ONU VAI VOTAR CONDENAÇÃO DO HAMAS PELOS ATAQUES A ISRAEL

Algo de histórico pode acontecer nesta próxima Quinta-Feira, dia 6 de Dezembro. A ONU irá votar um texto proposto pelos EUA e apoiado pela União Europeia, condenando o movimento terrorista Hamas pelos seus ataques com rockets contra Israel.
A ser aprovada, esta será a primeira vez que a organização mundial condenará o grupo terrorista que administra a Faixa de Gaza.
A demissionária embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Haley, foi a grande impulsionadora deste texto a ser agora votado pela ONU.
Os EUA foram cruciais no seu trabalho de conseguir o apoio da União Europeia para a aprovação desta proposta que não só condena o Hamas, como exige o cessar da violência.
Todos os ainda 28 países da União Europeia concordaram em apoiar a medida, após os EUA terem decidido incluir uma menção às resoluções da ONU consideradas relevantes num texto que, apesar de tudo, não se refere à solução dois estados.
As resoluções adoptadas pela Assembleia Geral da ONU não são vinculativas, mas carregam mesmo assim um peso político e são vistas como um barómetro da opinião mundial.
 
Shalom, Israel!