sexta-feira, maio 29, 2020

ASSISTA AOS NOSSOS VÍDEOS SOBRE O APOCALIPSE



Nestes vídeos diários produzidos de forma simples e artesanal, queremos trazer à luz de todos a importância de estudarmos as profecias bíblicas relacionadas com os "últimos dias", voltando a nossa atenção para a actualidade interpretada pela Palavra profética.

Shalom!

quinta-feira, maio 28, 2020

EILAT REABRE AO TURISMO APÓS COLAPSO ECONÓMICO

A bela, moderna e atraente cidade de Eilat, no extremo Sul de Israel, fazendo fronteira com o Egipto e com a Jordânia, e banhada pelo límpido Mar Vermelho, sofreu um duro golpe económico durante o recente confinamento causado pela pandemia coronavírus, uma vez que a indústria do turismo representa 45% das receitas da população local.
A cidade reabriu ontem para o turismo, provocando reacções mistas de esperança em alguns, mas inquietação pelo temor de que neste Verão só consigam receber turistas israelitas, não porque o turismo internacional não venha a ser brevemente retomado, mas porque têm havido muitos cancelamentos desde o início da pandemia.
Esta cidade é uma das mais visitadas pelos turistas, tendo recebido 741.000 no ano passado. Com a abertura a partir de ontem de hotéis e restaurantes - ainda que com os condicionamentos respeitantes a distanciamento, regras de higiene, etc. - espera-se uma gradual volta à normalidade.
Por enquanto, apenas 12 dos 50 hotéis em Eilat abriram ontem as portas, esperando-se uma lotação de 90% para as festas judaicas do Pentecostes que se iniciam esta noite em Israel.
Mesmo assim, os residentes temem que após esta "onda" turística deste fim de semana, os hotéis e os restaurantes voltem a ficar vazios, mantendo a crise actual de desemprego na região e no país.
A realidade é que alguns restaurantes entraram em colapso e já não conseguem mais reabrir, tanto mais que os comerciantes se queixam de não estarem a conseguir ajudas estatais.

Esperamos passar duas noites em Eilat, neste próximo Agosto, com um grupo de turistas portugueses e brasileiros. Pedimos a Deus para que a viagem seja possível e que sirva de encorajamento para os nossos amigos em Israel que dependem do turismo para sobreviver.

Shalom, Israel!

quarta-feira, maio 27, 2020

PAÍSES ÁRABES "FECHAM OS OLHOS" À ANEXAÇÃO POR ISRAEL DE TERRITÓRIOS NA JUDEIA E NA SAMARIA

Contrariamente ao que parece ser e ao que alguns querem dar a entender, vários países árabes estão alegadamente a "fechar os olhos" aos anunciados planos de "anexação" de territórios bíblicos na Judeia e Samaria, denotando um crescente desinteresse pela "causa palestiniana", da qual certamente já se cansaram.
Alguns líderes árabes, sabendo da decisão tomada pelo governo de Jerusalém, trataram logo de vociferar as suas habituais e desacreditas ameaças, no costumeiro alarido propagado pelo inimigos de Israel. Não faltaram ameaças de instabilidade civil e regional e até de violência.
Na semana passada, o rei Abdullah II da Jordânia, em entrevista ao jornal alemão "Der Spiegel", ameaçou que "a anexação israelita do vale do Jordão e dos territórios da Margem Ocidental poderia conduzir a um confronto entre Jerusalém e Aman, podendo levar ao cancelamento dos Acordos de Oslo e ao colapso da Autoridade Palestiniana.

ATRÁS DOS BASTIDORES, A HISTÓRIA É OUTRA...
Mas, atrás dos bastidores, a história é outra...
Segundo um jornal israelita, os dirigentes de países árabes como a Jordânia, o Egipto e a Arábia Saudita estão silenciosamente a aceitar o plano de anexação, isso apesar das declarações públicas de condenação à decisão isarelita.
Até mesmo o rei Abdullah II da Jordânia não mencionou a questão numa grande manifestação pública recentemente realizada na Jordânia.
Talvez uma das razões para tal seja o facto de ele saber que se entrar em conflito com Israel, cancelando ou suspendendo o acordo de paz realizado entre os dois países, a sua posição de autoridade sobre os lugares sagrados em Jerusalém pode ser posto em causa. Além disso, sabe-se muito bem que o rei jordano prefere ter as tropas israelitas do outro lado da fronteira do Jordão a controlar a região do que forças palestinianas ou rebeldes a fazê-lo.
O rei Abdullah tem também, obviamente, todo o interesse em manter boas relações com a administração norte-americana de Donald Trump, tanto mais que se avizinham eleições nos EUA que o actual presidente poderá ganhar.
O rei hashemita não quer também ver junto a si a instabilidade contínua vivida hoje na Faixa de Gaza depois que os israelitas abandonaram aquele território. Devido ao corte de relações com as autoridade de Israel, a Autoridade Palestiniana pode perder o controle nos territórios próximos do Jordão, e dar lugar ao movimento terrorista do Hamas, com quem certamente Abdullah II não deseja conviver.
Aquilo que o rei jordano propaga publicamente é claramente para consumo interno e não expressará os seus verdadeiros sentimentos.
Um alto representante egípcio também testemunhou que nesta altura a maior preocupação dos árabes é a contínua e crescente tentativa de domínio homogéneo xiita iraniano naquela região, sendo para os árabes uma preocupação maior do que com a causa palestiniana.
E os egípcios sabem muito bem que só podem contar com Israel e os EUA para combaterem essa crescente influência xiita em toda a região do Médio Oriente.

Shalom, Israel!

terça-feira, maio 26, 2020

PRESSIONADO PELOS EUA, ISRAEL VAI CONSTRUIR A MAIOR PLANTA DE DESSALINIZAÇÃO DO MUNDO SEM A AJUDA DA CHINA

A China acabou de perder o desejado investimento na construção em Israel daquela que será a maior planta de dessalinização do mundo. Segundo se crê, esta derrota comercial chinesa deve-se à pressão dos norte-americanos, especificamente durante a recente visita do secretário de estado Mike Pompeo a Israel.
Esta decisão difícil de tomar, coloca Israel ao lado do seu melhor amigo, os EUA, ao mesmo tempo que em rota de colisão com um importante parceiro comercial, a China.
A empresa israelita "IDE" foi eleita em oposição à empresa chinesa sediada em Hong Kong.
Os EUA demonstraram preocupação com o envolvimento chinês na planta "Shorek 2", localizada em Palmachim, no centro de Israel.
Caso os chineses ganhassem o concurso, seriam eles a gerir esta gigantesca planta de extracção de água potável da água do mar. 
Este mega projecto será financiado por um consórcio de bancos, incluindo o Banco Leumi (israelita), o alemão KfW, e o Banco Europeu de Investimento.
Espera-se que esta planta produza mais de 200 milhões de metros cúbicos de água por dia, aumentando em 35% a capacidade de produção de água dessalinizada em Israel.

Tanto o departamento de estado norte-americano como Mike Pompeo têm nestas últimas semanas lançado ataques verbais ao governo chinês, acusando-o de ter encoberto a severidade da pandemia quando ela irrompeu na cidade chinesa de Wuhan, em Dezembro de 2019, tentando dessa forma controlar a infraestrutura mundial.

Shalom, Israel!

segunda-feira, maio 25, 2020

NETANYAHU PROMETE AVANÇAR EM JULHO COM A ANEXAÇÃO DA JUDEIA E SAMARIA

Israel deverá aproveitar a oportunidade actual para estender a soberania do seu território até à Judeia e Samaria- territórios bíblicos pertencentes a Israel, mas cuja soberania não é internacionalmente reconhecida.
"Pela primeira vez, desde 1948, há uma oportunidade histórica para aplicar a soberania (conforme o acordo com os EUA), como um acto diplomático e acto soberano de Israel sobre a Judeia e a Samaria" - afirmou esta manhã o primeiro-ministro israelita, numa alocução no seu partido Likud, acrescentando: "Esta é uma oportunidade que não pode ser perdida."
Netanyahu afirmou que a data alvo é Julho, e que "não a iremos mudar."
O primeiro-ministro informou também que tem estado permanentemente a trabalhar o "mapa do plano de paz" com representantes da administração norte-americana. O projecto da "anexação" terá de ser levado a votação a partir do dia 1 de Julho.

OPOSIÇÃO INTERNACIONAL
A Jordânia já ameaçou cortar relações com o vizinho Israel, caso a "anexação" avance.
Com excepção da Áustria e da Hungria, a União Europeia, especialmente a França, está contra a proposta de "anexação" israelita das regiões bíblicas da Judeia e da Samaria.

Shalom, Israel!

quinta-feira, maio 21, 2020

PARLAMENTARES CRISTÃOS DA AMÉRICA LATINA E DA EUROPA SAÚDAM O DIA DE JERUSALÉM

O "Dia de Jerusalém" é celebrado desde o pôr do sol de hoje, dia 21 de Maio, até ao pôr do sol de amanhã, 22.

AMÉRICA LATINA
Vários parlamentares da América Latina e da Europa enviaram cartas ao presidente de Israel Reuven Rivlin congratulando o povo judeu e o estado de Israel no "Dia de Jerusalém."
"No Dia de Jerusalém, não só celebramos a determinação do povo judeu em viver na capital eterna de Israel, como também os valores judaico-cristãos partilhados que têm selado as nossas históricas relações entre a América Latina e Israel desde Novembro de 1947, quando 13 das 20 nações latino americanas votaram a favor da criação do estado de Israel na Assembleia Geral das Nações Unidas"- reza a carta assinada por um ministro do Uruguai, um senador da Colômbia e vários deputados da Guatemala, Argentina e Suriname.

EUROPA
Da mesma forma, uma carta assinada por representantes políticos da União Europeia e por 12 parlamentos europeus lembra como "13 das 17 nações europeias votaram a favor da criação do estado de Israel."
Todos os subscritores são membros ou responsáveis das associação "Aliados por Israel" em vários parlamentos europeus, incluindo a Suécia, a Roménia, Hungria, Áustria, Itália, País de Gales, Eslováquia, Finlândia, Holanda, Estónia, Croácia e Lituânia. 

TEMPOS CONTURBADOS PARA JERUSALÉM
Esta cartas surgem numa época em que o mundo está a debater o direito israelita ao território conquistado durante a Guerra dos Seis Dias, em Junho de 1967, incluindo partes de Jerusalém. A União Europeia, em especial, tem vindo a ameaçar e a condenar Israel por causa da possibilidade de o estado judaico vir a anexar territórios nestes próximos meses segundo o "plano de paz" do presidente Donald Trump.

CRESCENTE APOIO LATINO AMERICANO
Nesta última década o apoio de países latino americanos a Israel tem estado em crescimento à medida que a comunidade evangélica vai aumentando nesses países. Cerca de 20% dos latino americanos são evangélicos, com perto de 30% no Brasil e 40% em grande parte da América Central.

Shalom, Israel!

IMPRESSIONANTE COMPLEXO DOS DIAS DE JESUS DESCOBERTO JUNTO AO MURO OCIDENTAL EM JERUSALÉM

Foi recentemente descoberto junto ao Muro Ocidental um sistema subterrâneo com o piso dos dias do Segundo Templo por debaixo de um impressionante edifício público de há 1.400 anos.
Esta revelação arqueológica feita pela "Autoridade para as Antiguidades de Israel" e pela "Fundação do Património do Muro Ocidental" vem a propósito da celebração do "Dia de Jerusalém", comemorando a reunificação da capital de Israel durante a Guerra dos Seis Dias.
Os pesquisadores acreditam que o complexo foi utilizado por residentes de Jerusalém durante o período romano anterior à destruição de Jerusalém e do Segundo Templo no ano 70 d.C. Toda a estrutura do complexo estava protegida e ocultada debaixo do piso de uma enorme estrutura do período bizantino.
Os arqueólogos ainda não entendem a razão do investimento em tais esforços e recursos para escavarem na pedra um sistema subterrâneo há 2 mil anos, enquanto a vida decorria nas casas acima.

O sistema compõe-se de um pátio aberto e de duas salas dispostas em três níveis, um sobre o outro e ligados por escadas em pedra.
Há vestígios de suportes para portas e fechaduras e foram também encontrados nas paredes nichos circulares e quadrados, com pequenas fendas triangulares que serviriam como suporte a lamparinas, e ainda vestígios de suportes para prateleiras.
Estes achados fornecerão alguma informação valiosa sobre o estilo de vida que se vivia na altura dos dias de Jesus.

Foram ainda encontrados utensílios de cozinha em barro, lamparinas utilizadas para iluminação, uma vasilha de pedra rara nos dias do Segundo Templo, e o fragmento de uma Qalal - uma grande bacia em pedra utilizada para guardar água, a qual, segundo se crê, estaria ligada aos rituais de purificação dos judeus.
As escavações no lugar prosseguem, preparando-se o espaço para visitas turísticas.

Shalom, Israel!

terça-feira, maio 19, 2020

PREVISTA PARA A PRÓXIMA SEMANA A REABERTURA DO ACESSO AO MONTE DO TEMPLO, HOTÉIS, RESTAURANTES E PISCINAS EM ISRAEL

Está anunciada para a próxima semana a esperada reabertura de hotéis, piscinas, e restaurantes em Israel, ainda que o Ministério tenha colocado reticências sobre a abertura destes últimos. 
O Ministério da Saúde deu entretanto luz verde à reabertura de hotéis e piscinas para o próximo dia 27 de Maio, aguardando-se agora a aprovação governamental.
Em princípio, os restaurantes, bares e cantinas terão de esperar mais algum tempo, até que a pandemia fique totalmente dominada no país, o que tem estado lentamente a acontecer, com muito poucos casos diários de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.
Espera-se para esta noite a decisão oficial do governo sobre estas propostas.

Shalom, Israel!

segunda-feira, maio 18, 2020

NOVO GOVERNO DE ISRAEL TOMOU POSSE - O MAIOR DE SEMPRE

Após aprovação pelo parlamento israelita - 73 votos a favor, 46 contra - o novo governo liderado por Benjamin Netanyahu tomou ontem posse, constituindo o maior de sempre na História de Israel.
Este é o 35º governo de Israel desde a independência do país, em 1948.
Este governo de coligação com liderança alternada, será dirigido nestes próximos 18 meses por Netanyahu, e os próximos 18 por Gantz.

SAUDAÇÕES DE LÍDERES MUNDIAIS
Vários líderes mundiais saudaram o primeiro-ministro e o novo governo ontem empossado, entre  os quais se destacaram o primeiro-ministro da Índia Narendra Modi, o presidente russo Vladimir Putin, o secretário de estado norte-americano Mike Pompeo, e o chanceler austríaco Sebastian Kurtz. 

Shalom, Israel!

sábado, maio 16, 2020

IRANIANOS INCENDEIAM TÚMULOS DE ESTER E MORDECAI NA PÉRSIA

O director nacional da "Liga Anti-Difamatória" (ADL), Jonathan Greenblatt, anunciou nesta Sexta-Feira passada desde Berlim que os túmulos dos judeus Ester e Mordecai no Irão (antiga Pérsia) foram incendiados.
"Chegaram preocupantes relatos do Irão de que os túmulos de Ester e Mordecai, um lugar sagrado para o judaísmo, foram incendiados durante a noite. Esperamos que as autoridades conduzam os perpetradores desta acção antissemita à justiça, garantindo também a protecção dos lugares sagrados de todas as minorias religiosas no Irão" - escreveu Greenblatt.
Greenblatt classificou o regime do Irão como o principal estado promotor do antissemitismo e negacionista do Holocausto.

Antes do incêndio nos mausoléus, um usuário do twitter chamado Mohammad Mahdi Akhyar tinha ameaçado destruir o santuário em 14 de Maio em resposta a uma mensagem na língua farsi na página do Twitter do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel.
Não se sabe se este incêndio no dia 14 estará ligado ao dia da independência do estado de Israel.
Elan Carr, enviado dos EUA para monitorizar e combater o antissemitismo, condenou veementemente o ataque e afirmou: "O regime do Irão é o principal chefe de estado patrocinador do antissemitismo do mundo inteiro."
Carr apelou à República Islâmica apara que "cesse o incitamento" e "proteja a sua comunidade judaica" e as suas outras minorias.
Diversos líderes de comunidades judaicas nos EUA já condenaram o regime iraniano por este acto bárbaro contra o património religioso e histórico judaico.
Não é a primeira vez que o regime islâmico iraniano tem ameaçado arrasar os mausoléus de Ester e de Mordecai na cidade de Hamadan.
Segundo relatos transmitidos por membros da comunidade judaica no Irão, confirmou-se uma "tentativa" de incendiar a sinagoga no espaço do mausoléu, causando danos provocados pelo fumo, mas com ligeiras labaredas. Ninguém terá sido até agora detido pelas autoridades dos ayatolás.
Desde há meses que têm soado rumores de que as autoridades iranianas planeiam converter o edifício do mausoléu numa delegação diplomática palestiniana.

HERÓIS BÍBLICOS
A raínha Ester e seu tio Mordecai (também conhecido em português como Mardoqueu), foram heróis bíblicos que salvaram o seu povo (judeu) de um genocídio, naquilo que é hoje celebrado como a Festa do Purim. O lugar do sepultamento destes dois judeus no Irão (antiga Pérsia) tem sido um marco importante para os judeus do mundo inteiro.

Shalom, Israel!

sexta-feira, maio 15, 2020

MONUMENTO "LEÃO DE JUDÁ" ERIGIDO NO CENTRO DE JERUSALÉM COMO SÍMBOLO DA AMIZADE ENTRE JUDEUS E EVANGÉLICOS

No passado dia 5 de Maio foi erigida no coração da capital Jerusalém uma belíssima escultura de bronze denominada "Leão de Judá", em homenagem à amizade entre judeus e cristãos.
Este "Leão de Judá" está no meio do parque Bloomfield, por trás do idílico hotel "King David", a meio caminho entre a cidade velha e a nova. 
Segundo Amos Cohen, o responsável pelas 174 esculturas espalhadas pela Cidade, "Esta é a mais bela de todas as peças de arte que temos na cidade, porque é um leão, o símbolo da cidade de Jerusalém. Para mim, ela significa mais do que qualquer outra peça de arte na cidade...O meu coração está cheio neste momento. Eu amo a comunidade cristã. Ela faz muito pela cidade de Jerusalém e pelo estado de Israel, pelo que o meu coração está convosco em amizade. Obrigado."
Ainda não foi marcada a data para a dedicação formal e bênção desta estátua, mas já se pode prever que serão tirados milhões de fotos desta impressionante imagem por turistas vindos de todo o mundo. Afinal, não só o Leão de Judá é o símbolo de Jerusalém, como também representa o rei David, a nação de Israel e o próprio Messias Yeshua.
E, com as antigas muralhas de Jerusalém como fundo ambiente, nada melhor do que tirar uma selfie ao lado desta escultura que certamente se tornará uma das atracções da Cidade santa.

UM PROJECTO COM 14 ANOS
Desde há 14 anos que um casal de artistas evangélicos norte-americanos, Max Greiner Jr. e sua esposa Sherry sonhavam em oferecer a Israel o melhor da sua arte, como símbolo eterno da amizade e amor entre os cristãos e o povo de Israel.
Segundo o artista, o "Leão de Judá" não é apenas mais uma qualquer estátua de leão, mas uma grande peça de arte em bronze esculpida especialmente para honrar o Deus de Israel. Greiner, que é um cristão evangélico e forte apoiante do estado judaico, afirmou:
"O meu alvo com esta composição realista, contudo estilizada de um leão é comunicar de forma visual a majestade, a dignidade, força e coragem, ao mesmo tempo que expressar shalom. Orei ao Deus de Israel para que Ele me ajudasse a esculpir a face do leão de forma a que transmitisse sabedoria e autoridade, mas também amor e paz. Esculpi o molde em barro segundo o maior leão até agora conhecido. Depois, aumentei o tamanho em 5% para Deus!"

CONTRIBUTO DE MILHARES DE CRISTÃOS E DE JUDEUS
Este projecto é fruto das contribuições financeiras de milhares de cristãos evangélicos e de judeus ao longo de vários anos, e teve a aprovação do presidente da câmara de Jerusalém Moshe Lion.
No dia da colocação da escultura no parque Bloomfield, o rabi ortodoxo Pesach Wolicki, responsável pela instalação da mesma, ele próprio um construtor de pontes de amizade entre judeus e cristãos, afirmou:
"O Leão foi sempre o símbolo da força de Israel e doo Reino de Deus em Jerusalém. Não é por acaso que o brasão da Cidade de Jerusalém é um leão. A majestosa escultura do Leão de Judá pelo eminente artista Max Greiner representa as mais altas aspirações do povo judeu ao ter sido reconstituído na nossa terra após 2 mil anos de exílio - tal como a Bíblia predisse. Israel ergueu-se como um leão. Jerusalém está sendo reconstruída. A face do leão, tal como Max planeou com tão grande arte, projecta poder e força, sem contudo expressar arrogância ou intimidação. Esta é uma parceria de uma assinalável habilidade artística e sensibilidade. A palavra para esta expressão complexa é muito simples: majestade. É isso que a nação de Israel se esforça por ser no mundo. Somos poderosos e fortes, ao mesmo tempo que símbolos de amor e de compaixão para o mundo inteiro."
Para muitos cristãos, este Leão, instalado no período entre a Páscoa e o Pentecostes, é um símbolo das bênçãos de Deus sobre Israel, "casualmente" colocado durante a liderança camarária de um homem chamado Moses Lion (Moisés Leão). 
Para mim, e para muitos leitores da Bíblia, ele representará já um símbolo profético: a presença e o domínio do Leão de Judá sobre a Sua Cidade, a bela Jerusalém, onde Ele deu a Sua vida e para onde em breve Ele irá regressar para estabelecer o Seu Reino Milenar de justiça e paz!

Shalom, Israel!

quinta-feira, maio 14, 2020

ISRAEL VAI REABRIR AS PRAIAS E ESCOLAS NA PRÓXIMA SEMANA

Continuando com a escalada descendente de novos casos de coronavírus, neste momento menos de 4 mil casos, Israel continua a aliviar o confinamento exigido à sua população, tendo agora o governo decidido permitir a reabertura das praias do país a partir da próxima Quarta-Feira, após quase dois meses de impedimento.
As autoridades locais terão que preparar as praias sob sua jurisdição para receberem os banhistas segundo as novas directrizes de afastamento social impostas no passado dia 20.

ESCOLAS E CRECHES
No próximo Domingo irão também abrir todas as escolas e creches, excepto em localidades onde as taxas de infecção pelo novo coronavírus são elevadas.

TRANSPORTES FERROVIÁRIOS
Os comboios deverão retomar a sua circulação no próximo dia 1 de Junho.

Shalom, Israel!

quarta-feira, maio 13, 2020

TURISMO REGRESSA A ISRAEL A PARTIR DE JULHO

Israel irá começar a receber voos comerciais de alguns países com baixa incidência de coronavírus já a partir do próximo dia 1 de Julho.
Segundo uma reportagem no canal israelita "Canal 13" os primeiros voos virão de e para Chipre e Grécia, dois dos países europeus menos atingidos pela pandemia. 
Alguns voos experimentais a destinos não informados terão lugar ainda em Junho, ainda que por enquanto exigindo aos passageiros a obrigatoriedade de garantia um lugar para quarentena.
O Ministério da Saúde israelita irá monitorar os passageiros, pedindo-lhes que se sujeitem a testes de coronavírus quando regressarem a Israel. Ao se verificar que as viagens não estão a contribuir para um aumento de uma nova onda de infecções, está previsto que as autoridades cancelem a obrigatoriedade de quarentena e outras restrições actuais.

1 DE JULHO
A Autoridade Aeroportuária de Israel planeia recomeçar os voos de e para Chipre e Grécia a partir de 1 de Julho. Se a experiência se comprovar positiva, serão também recomeçados voos e a partir da Áustria, Croácia, Bulgária, Montenegro, Hungria, Islândia, Suíça, Alemanha e Polónia. 
A Grécia teve até agora menos de 3000 casos de coronavírus, e Chipre pouco mais de 900.
Israel tem estado a abrandar as restrições internas, permitindo a abertura de comércios, ginásios, parques e outros lugares públicos. O país tem estado na linha da frente no combate à pandemia, tendo registado até agora "apenas" 260 mortos, com o número de novos casos a diminuir.
Neste momento, os aeroportos estão praticamente parados, com uma queda de 99,6% no número de voos e passageiros em comparação ao mesmo período do ano passado.

NOVAS REGRAS
Segundo informações transmitidas pelo "Canal 12", a AAI vai impôr novas regras para os passageiros que embarcarem a partir de 1 de Julho do aeroporto internacional Ben Gurion, perto de Tel Aviv.
Os passageiros terão de comparecer no aeroporto 4 horas antes do embarque, o número de pessoas a visitar as lojas de free shop será limitado, e serão instalados aparelhos automáticos que medirão a temperatura corporal dos passageiros, com a obrigatoriedade do uso de máscaras individuais.

Assim seja!

Shalom, Israel!

terça-feira, maio 12, 2020

EUROPA AMEAÇA ISRAEL, EM OPOSIÇÃO AOS PLANOS DE DEUS

EFRATA
Segundo informações prestadas pelo primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, o gabinete ministerial que ele preside irá iniciar em Julho o debate sobre a extensão da soberania de Israel nos assentamentos judaicos no vale do Jordão, na Judeia e na Samaria. 

FRANÇA NA LINHA DA FRENTE DAS AMEAÇAS 
Em resposta aos planos israelitas já aprovados pelo governo norte-americano, a França está pressionando os estados membros da União Europeia a prepararem uma resposta dura a Israel, em forma de ameaça, no caso de o estado judaico avançar de facto com a "anexação" de partes do território bíblico da Judeia e Samaria, mas que aos olhos europeus, cegos pela subserviência à cartilha palestiniana, são "território ocupado."
A Bélgica, a Irlanda e o Luxemburgo querem também discutir num encontro de ministros dos Negócios Estrangeiros a realizar na próxima Sexta-Feira a possibilidade de imporem medidas punitivas económicas contra Israel, embora qualquer acção colectiva tenha de ter a concordância de todos os estados membros.
Os diplomatas europeus não especificaram quais as medidas punitivas com que querem "castigar" Israel de forma a tentar dissuadir o governo de tomar tais medidas.
Visto que as medidas punitivas terão de ter a aprovação de todos os 27 estados membros da União Europeia, espera-se que os mais próximos aliados de Israel - Hungria e República Checa - possam vir a bloquear mesmo até os trabalhos preparatórios.

O QUE ESTÁ EM RISCO?
Israel é desde há muito parte do programa europeu de pesquisa e inovação "Horizonte 2020", com o valor de cerca de 80 biliões de euros entre 2014 e 2020.
A União Europeia é também o principal parceiro comercial de Israel, beneficiando o país de preferências comerciais com o maior bloco comercial do mundo.
A diplomacia externa europeia está contra os planos de Trump que incluem a "anexação" de territórios "disputados" na Judeia e na Samaria, especialmente no vale do Jordão, estando a França, a Bélgica, o Luxemburgo e a Irlanda à cabeça desta oposição.
Segundo os palestinianos e um grande número de países habituados à dualidade de critérios quando se trata de Israel, os assentamentos judaicos naqueles territórios bíblicos são ilegais segundo a Convenção de Genebra que alegadamente proíbe a anexação de terras capturadas em guerras.
Israel contradiz essas opiniões, fazendo valer os seus direitos, citando necessidades de segurança, direitos bíblicos, e as ligações históricas e políticas à terra.

Todos quantos se opuserem aos planos divinos para o estabelecimento do povo judeu na Terra de Israel sofrerão as devidas consequências. Não compete a mim determinar quais, mas a realidade actual parece querer dizer alguma coisa. 

"Os sábios entenderão"...

Shalom, Israel!

segunda-feira, maio 11, 2020

RARÍSSIMA MOEDA COM 1.900 ANOS ENCONTRADA EM JERUSALÉM

Uma moeda de bronze da época da revolta judaica de Bar Kochba (há 1900 anos) foi descoberta em escavações na capital israelita Jerusalém, sendo uma das únicas 4 moedas entre 22 mil outras achadas em Israel da época da revolta liderada por Bar Kochba (132 - 136 d.C.)
Esta revolta judaica contra a colonização romana teve muito a ver com a tentativa dos romanos de erigir um templo ao deus Júpiter no mesmo local onde o Templo de Jerusalém tinha estado, ou seja, no Monte do Templo de Jerusalém.
"Jerusalém era o alvo e o grito de guerra dos rebeldes de Bar Kochba, mas eles nunca conquistaram a cidade" - informou o Dr. Donald Tzvi Ariel, chefe do Departamento Numismático do Instituto das Antiguidades de Israel, acrescentando: "O pequeno número de moedas cunhadas por eles encontradas na cidade também testemunham isso. Esta é a primeira vez que uma dessas moedas é achada na área nos últimos 40 anos."

INSCRIÇÃO "JERUSALÉM"
Um outro pormenor que evidencia a raridade desta moeda é o facto de, juntamente com a gravação de um cacho de uvas num dos lados da moeda e de uma palmeira no outro- símbolos comuns nessas moedas - o artefacto exibir ainda a inscrição "Jerusalém" em letras hebraicas antigas. Na outra face da moeda pode ler-se: "Ano Dois da Liberdade de Israel."
A moeda foi descoberta nas escavações no parque arqueológico Davidson, que está localizado entre o Monte do Templo e a antiga Cidade de David.
Ariel explicou que naqueles dias, para além de serem usadas para fins comerciais ou para o pagamento de impostos, as moedas eram também um instrumento de propaganda, um meio de anunciar algo como o surgimento de um novo rei, ou um outro anúncio qualquer.
"Isso era evidente especialmente nas moedas de prata, ao mesmo tempo que as moedas de bronze, menos valiosas, eram mais usadas para as transacções comerciais" - afirmou Ariel, acrescentando: "Durante a época hasmoniana, os judeus não cunhavam moedas de prata. A primeira vez que tais moedas foram cunhadas em Jerusalém após o período persa foi durante a Primeira Revolta Judaica contra os romanos nos anos 66 - 70 d.C., e elas afirmavam de facto o seguinte: Nós estamos aqui, uma nação independente dos romanos. Os rebeldes de Bar Kochba também queriam afirmar que estavam no mapa e afirmavam assim a sua oposição aos romanos através da cunhagem de moedas."

O arqueólogo terminou as suas informações com esta pressuposição: "Podem-se usar as moedas para aprender História. Bar Kochba queria conquistar Jerusalém, mas não teve sucesso, e após esse período a autonomia judaica desapareceu durante 2 mil anos."

Shalom, Israel!


sexta-feira, maio 08, 2020

ISRAEL ACORDA COM OUTROS 7 PAÍSES A RETOMA DAS LIGAÇÕES AÉREAS

Numa conferência realizada ontem online com líderes de outras 7 nações, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou que "Israel ficará satisfeito por entrar em acordos para voos seguros", de forma a permitir voos internacionais entre países que tenham tido sucesso no combate ao coronavírus, como é o caso de Israel.
Mencionando o sucesso conseguido no mundo dos negócios através das tecnologias de ponta, como é o caso da "Zoom", citando como exemplo um negócio de compra de uma empresa de tecnologia israelita pelo valor de 1 bilião de dólares através da "Zoom", o primeiro-ministro afirmou mesmo assim não pensar que essa seja a solução, uma vez que "as pessoas gostam de viajar, falar com pessoas e conhecê-las."

A vídeo conferência foi dirigida pelo chanceler austríaco Sebastian Kurz, abordando as várias estratégias para lidar com a pandemia, incluindo as formas de ir gradualmente abrindo as economias nacionais após semanas de apertadas restrições.
Os outros líderes "ligados" nesta conferência de 8, foram o primeiro-ministro australiano Scott Morrison, a primeiro-ministra neo-zelandesa Jacinda Ardern, o primeiro-ministro dinamarquês Mette Frederiksen, o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis, e o primeiro-ministro checo Andrej Babis. 
Esta já é a segunda conferência online realizada entre estes países que se juntam desta forma para a promoção do turismo e dos negócios, numa tentativa de reconstruírem as economias atingidas pelo coronavírus.
Um dos propósitos destas conferências é o planeamento da abertura de fronteiras com riscos mínimos de transmissão do vírus através dos viajantes, tendo em conta a dependência que estes países têm do turismo para as suas economias locais.
Outras reuniões semelhantes irão ser realizadas, dedicadas especificamente às áreas do turismo e da aviação.
Segundo Netanyahu, Israel precisa de se "reconectar com o mundo", sem contudo se expôr a países onde o coronavírus ainda é uma forte pandemia.
Espera-se que dentro de semanas as fronteiras se comecem a abrir de acordo com regulamentos comuns estabelecidos relacionados com o uso de máscaras, distancionamentos e testes.

Shalom, Israel!



quinta-feira, maio 07, 2020

ISRAELITAS VOLTAM ÀS COMPRAS!

Com o alívio das restrições impostas pelo isolamento social desde o início desta semana, os israelitas começam a invadir os shoppings, as lojas em geral e o mítico mercado ao ar livre Mahane Yehuda, na capital Jerusalém.
Também foram reabertos os ginásios, ao fim de seis semanas de encerramento.
O número relativamente baixo de infectados pelo coronavírus tem levado o governo de Israel a abrandar pouco a pouco as medidas de contenção.
Os donos dos postos de venda no mercado foram inicialmente sujeitos à medição da temperatura antes de terem permissão para abrir os seus negócios. Há também um controle policial para regular a quantidade de pessoas que adentram o espaço.
O presidente da câmara de Jerusalém juntou-se aos festejos de abertura, brindando juntamente com os comerciantes satisfeitos.
A fruta passou a ser vendida em caixas de plástico, os funcionários são obrigados a usar luvas, e há fornecimento de máscaras.

Outros mercados abriram também em Tel Aviv, Berseba e Haifa.
Os shoppings têm medidas indicadoras de acesso aos mesmos, tais como: obrigação do uso de máscaras, distanciamento de 2 metros entre as pessoas, a obrigação de não ultrapassar a presença de uma pessoa por cada 20 metros quadrados, e proibição de ingerir alimentos dentro dos espaços comerciais.
Segundo o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou na passada Terça-Feira, foi alcançado "um grande sucesso" na contenção do vírus, referindo-se certamente ao declínio de novos casos de infecção e ao crescimento assinalável de pessoas recuperadas da doença.
O número de mortes em Israel resultantes do coronavírus está nos 239, não se tendo registado nenhum nas últimas 24 horas.

Shalom, Israel!

quarta-feira, maio 06, 2020

CADEIA DE TV MESSIÂNICA "GOD-TV" LANÇA CANAL NA LÍNGUA HEBRAICA EM ISRAEL, GERANDO POLÉMICA ENTRE AS AUTORIDADES

O canal messiânico de TV ""GOD-TV" foi lançado em Israel, na língua hebraica, suscitando controvérsias num país que proíbe algumas formas de "proselitismo", em especial o cristão.
A "GOD-TV" é uma conhecida cadeia cristã internacional que transmite para cerca de 200 países. Na passada semana fez o seu lançamento em Israel, na língua hebraica, no canal "Shelanu", na rede por cabo "HOT."
"Hoje fizemos História! Pela primeira vez, um canal messiânico de TV está transmitindo o Evangelho em todo o Israel na língua hebraica" - assim foi o comunicado no site da TV. 
"'Shelanu' traduz-se por 'Nosso' em hebraico. Queremos que cada pessoa em Israel conheça um Messias judeu, não um estrangeiro! Seu Nome é Yeshua, e Ele não esqueceu o Seu povo."
A empresa "HOT" recebeu da parte do Ministério das Comunicações um alvará para transmitir o canal durante os próximos 7 anos.
Em reacção à decisão tomada ontem, o Ministro das Comunicações David Amsalem, afirmou não ter estado consciente de que o alvará tinha sido concedido, afirmando ainda que "nunca e sob nenhumas circunstâncias irá permitir que algum canal missionário opere em Israel."
O ministro informou ainda ter pedido "uma completa investigação sobre o assunto", tendo pedido ao conselho competente que "assegurasse que nenhum canal rompesse os parâmetros do seu alvará, e se for verdade que este canal faz um trabalho missionário, será imediatamente removido."
Mais de 700.000 lares em Israel assinaram a operadora "HOT", representando cerca de metade da totalidade do mercado audio visual em Israel.
Os canais cristãos "Daystar" e "Middle East Television" transmitem para Israel através da TV por satélite "YES", e não têm sido acusados de qualquer proselitismo.
A "Shelanu" está sendo operada em parceria com a "Tikkun International", sediada em Israel, que afirma ser "uma família global de ministérios, congregações e líderes, dedicada à dupla restauração de Israel e da Igreja."
"Queremos que os espectadores judeus entendam o facto de que Jesus é deles. Que Ele não é um estrangeiro, intruso ou impostor. Ele é o seu Messias judeu, nascido em Israel, e criado como judeu" - informou a "Tikkun" no seu site oficial.

Shalom, Israel!

terça-feira, maio 05, 2020

ISRAEL É O PRIMEIRO PAÍS DO MUNDO A CONSEGUIR UM ANTICORPO PARA O CORONAVÍRUS

Tal como noticiado na imprensa mundial, Israel tornou-se o primeiro país a conseguir desenvolver um anticorpo para o coronavírus.
O ministro da Defesa de Israel, Naftali Bennet, visitou o laboratório do Instituto de Pesquisa Biológica em Nezz Ziona, Tel Aviv, onde tomou conhecimento da investigação, referindo que "o anticorpo ataca o vírus de forma monoclonal", qualificando o trabalho conseguido como "uma grande conquista."
"Estou orgulhoso do pessoal do Instituto de Biotecnologia por este grande avanço. A criatividade e o pensamento judaico atingiram este grande resultado" - expressou o ministro.
Esta descoberta é a primeira deste tipo a nível mundial. 
O Instituto de Pesquisa Biológica avisou entretanto que a vacina ainda está a meses de distância.
Apesar de várias instituições científicas pelo mundo fora já terem descoberto anticorpos capazes de destruir o vírus COVID-19, o laboratório israelita dirigido pelo Ministério da Defesa de Israel é o primeiro do mundo a conseguir atingir três marcos históricos: a descoberta de um anticorpo que destrói o vírus; um anticorpo que atinge especificamente este vírus; e é monoclonal, portanto isento de proteínas adicionais que possam causar complicações aos pacientes. 

Como é habitual, Israel "por cabeça e não por cauda."

Shalom, Israel!

segunda-feira, maio 04, 2020

PREVISTO ENORME FLUXO DE 100.000 NOVOS IMIGRANTES JUDEUS PARA ISRAEL EM 2020

Segundo as previsões da "Agência Judaica", a crise originada pela pandemia do coronavírus levará umas 100 mil pessoas a fazerem "aliyah" (subida/retorno) a Israel, oriundas de várias partes do mundo, levando a que várias organizações se reunissem de emergência na semana passada para abordar esta premente questão.
Isaac Herzog, porta-voz da "Agência Judaica", afirmou acreditar que cerca de 100 mil pessoas farão este ano a subida a Israel, deixando para trás os seus países actuais e fazendo residência em Israel. Segundo ele, assim que a pandemia estiver controlada, iniciar-e-à um grande fluxo de imigração judaica para Eretz Israel.
Vários grupos judaicos e cristãos participaram neste encontro, incluindo a Agência Judaica, a Organização Sionista Mundial, a Nefesh B'Nefesh a Associação Internacional de Cristãos e Judeus, a Ofek Israeli e a Nativ.
Os participantes da reunião abordaram a questão da enorme quantidade de pedidos de novos imigrantes que têm estado a receber. Um representante da Nativ, responsável pela imigração "aliyah" da Comunidade dos Estados Independentes, as ex-repúblicas soviéticas, informou que o grupo já recebeu 20.000 pedidos. Antes da pandemia haviam sido recebidas 6 mil inscrições.
A organização responsável pela imigração dos EUA informou haver um aumento de 20 por cento nos pedidos, enquanto o grupo responsável pela imigração judaica oriunda de França reporta 2.000 pedidos. Segundo o porta-voz, quando os escritórios reabrirem, haverá um grande fluxo de novos pedidos.
Segundo Herzog, o propagado êxito de Israel em lidar com o coronavírus é uma das razões para o crescente interesse na imigração judaica para Israel.
"Comparando a crise global, eles olham para a forma como Israel tem estado a lutar contra o coronavírus e vêem um país forte que funciona comparativamente bem, e tenho estado a receber muitas reacções sobre isso do mundo inteiro" - afirmou Herzog.
Mesmo no pico da crise, cerca de 100 novos imigrantes vieram nestas últimas semanas para Israel, incluindo 72 etíopes que desde há anos esperavam permissão para se reunirem às suas famílias já habitando no estado judaico, e 44 norte-americanos, incluindo bébés e idosos.

Mais um passo para o cumprimento das profecias milenares!

Shalom, Israel!

sábado, maio 02, 2020

LAGO DA GALILÉIA COMPLETAMENTE CHEIO...MAS SEM TURISTAS.

O nível das águas do Lago da Galiléia (erradamente denominado Mar), atingiu um máximo de - 208,92 metros abaixo do nível das águas do mar, o valor mais elevado das últimas décadas. 
O problema é que nem turistas nem peregrinos podem desfrutar desta maravilha, e tudo por culpa da pandemia do coronavírus.
Esta bênção deve-se ao Inverno muito chuvoso que Israel atravessou.
Desde meados de Março que as fronteiras de Israel estão encerradas e os habitantes do país confinados às suas casas, tal como em grande parte do mundo.
Esta altura de feriados em Israel seria normalmente uma época em que os turistas locais encheriam as praias do Lago, para além dos turistas estrangeiros e peregrinos que visitam os lugares onde Jesus andou e ministrou. 
O Lago providencia cerca de 25% da água doce potável que os israelitas consomem.
Foi exactamente há 3 anos, em Abril de 2017, que as águas do Lago atingiram o seu nível mais baixo desde que há registos, com 212,95 metros abaixo do nível das águas do mar.
O Lago da Galiléia e toda aquela região encontra-se abaixo do nível das águas do mar, um dos pontos mais baixos do planeta terra.
Espera-se que em breve o turismo possa regressar em força a estas regiões tão idílicas e míticas da Terra de Israel!
Assim seja.

Shalom, Israel!

sexta-feira, maio 01, 2020

CONFIRMADO O SILÊNCIO COMPROMETEDOR DO PAPA PIO XII SOBRE O HOLOCAUSTO

A tão aguardada abertura dos arquivos do Vaticano durou apenas uma semana, por causa da eclosão da pandemia do coronavírus. Mas mesmo assim, essa semana foi suficiente para que alguns documentos relacionados com o "silêncio" do papa Pio XII durante o genocídio do Holocausto viessem à luz, comprovando a culpabilidade do então chefe supremo da Igreja Católica Romana.
Durante essa semana de pesquisas, investigadores alemães comprovaram que o papa, que nunca criticou directamente o massacre nazi dos judeus, teve conhecimento antecipado através das suas próprias fontes sobre a campanha de assassinatos promovida por Berlim. 
Mas ele simplesmente decidiu não revelar esses factos ao governo norte-americano depois que um assessor ter alegado que judeus e ucranianos - as suas principais fontes - não eram confiáveis, porque "mentiam e exageravam."

Os investigadores descobriram também que o Vaticano escondeu estes e outros documentos sensíveis, presumidamente para proteger a imagem de Pio XII. Essa descoberta provocará um grande embaraço à Igreja Católica Romana, ainda a braços com a sua ocultação dos escândalos sexuais.
Estes relatos surgiram na Alemanha, de onde saíram 7 investigadores da Universidade de Munster que, apesar da crise com o coronavírus na Itália,  foram a Roma no dia 2 de Março para a abertura histórica dos documentos de Pio XII relacionados com a Segunda Guerra Mundial. Esperavam-se outros pesquisadores vindos dos Estados e Unidos e de Israel, mas não vieram, provavelmente por causa da pandemia.
Hubert Wolf, alemão, de 60 anos, historiador da Igreja Católica que tem feito pesquisas nos Arquivos Secretos do Vaticano - agora denominado Arquivo Apostólico - liderou a equipa dos investigadores alemães. Como sacerdote católico e autor profícuo , Wolf tem conquistado a reputação de pesquisador objectivo e reconhecido analista.
"Temos que em primeiro lugar investigar estas fontes recentemente disponíveis" - afirmou o sacerdote a um jornal alemão, acrescentando: "Se a partir deste estudo das fontes, Pio XII sair com uma melhor imagem, maravilha. Se ele sair pior, temos de o aceitar também."

"PAPA DO HITLER"
Pio XII chefiou a Igreja Católica Romana entre 1939 e 1958 e é actualmente um candidato à canonização, sendo o pontífice mais controverso do século 20. A sua falha em denunciar publicamente o Holocausto conferiu-lhe o título de "papa do Hitler", tendo os críticos solicitado desde há décadas que os seus arquivos do tempo da guerra fossem abertos para escrutínio.
Os defensores do papa alegam desde há muito que ele não podia falar mais abertamente por medo de uma retaliação nazi, e costumam citar a sua decisão de esconder judeus no Vaticano e em igrejas e mosteiros como prova das suas boas acções. Eles lembram que o Vaticano já tinha publicado uma série de documentos em 11 volumes seleccionados dos seus arquivos, de forma a provar a sua inocência.
Em 1999 foi lançada uma comissão judaico-católica para tentar resolver esta questão, uma vez que o Vaticano só pretendia abrir os arquivos em 2028.

CADEIA DE EVENTOS 
A cadeia de eventos inicia-se em 27 de Setembro de 1942, quando um diplomata norte-americano deu ao Vaticano um relatório secreto sobre o assassínio em massa de judeus do gueto de Varsóvia. Segundo o relatório, cerca de 100.000 judeus haviam sido massacrados em Varsóvia e arredores, acrescentando que mais 50.000 haviam sido mortos em Lviv, que na altura era parte da Ucrânia ocupada pelos nazis.
O relatório baseava-se em informações prestadas pela representação de Genebra da Agência Judaica para a Palestina. Washington queria saber se o Vaticano, que recebia informações dos católicos de todo o mundo, poderia confirmar isso a partir das suas próprias fontes. Em caso positivo, teria o Vaticano algumas ideias sobre como se poderia mobilizar a opinião pública contra estes factos?
Segundo os pesquisadores, o arquivo incluía uma anotação confirmando que Pio XII tinha lido o relatório. Incluía ainda duas cartas para o Vaticano que corroboravam independentemente os relatórios sobre os massacres em Varsóvia e Lviv.
Um mês antes da solicitação dos americanos o arcebispo grego católico ucraniano de Lviv, Andrey Sheptytsky, tinha enviado a Pio XII uma carta relatando o massacre de 200.000 judeus massacrados na Ucrânia sob a "revoltante diabólica" ocupação germânica.

Em meados de Setembro, um comerciante italiano chamado Malvezzi informou o monsenhor Giovanni Battista Montini, futuro papa Paulo VI, da "incrível matança" de judeus que ele havia visto durante a sua recente visita a Varsóvia. Montini reportou isso a um seu superior, o secretário de estado do Vaticano, cardeal Luigi Maglione.
Mas o Vaticano respondeu a Washington que não podia confirmar o relatório da Agência Judaica...
A base para isso - Wolf testemunhou ao semanário alemão "Die Zeit" - era uma carta de um outro membro do staff do secretariado de estado, Angelo Dell'Acqua, mais tarde cardeal. Nessa carta, ele alertava contra acreditar-se nos relatos judaicos, porque os judeus "exageravam facilmente", e os "orientais" - uma referência ao arcebispo Sheptytsky - "não são realmente um exemplo de honestidade."
Essa carta encontra-se no arquivo, mas não foi incluída nos 11 volumes da série de documentos dos dias da guerra que o Vaticano publicou para defender a reputação de Pio XII.
"Este é um documento chave que nos foi ocultado por ser claramente antissemita e por mostrar porque é que Pio XII não falou contra o Holocausto" - revelou Wolf.

3 FOTOGRAFIAS REVELADORAS MAS IGNORADAS
A equipa pesquisadora encontrou também três pequenas fotografias revelando presos em campos de concentração e corpos atirados para uma vala comum. Um informador judeu tinha-as entregue ao embaixador do Vaticano, ou núncio, na Suíça (um país neutro), para serem enviadas para o Vaticano, tendo a Santa Sé confirmado a sua recepção numa carta escrita duas semanas depois.

REDE CLANDESTINA PARA A FUGA DE NAZIS
Wolf relatou ainda à agência noticiosa católica alemã "KNA" que um outro assunto potencialmente embaraçoso era a "Rat Line", uma rede informal que ajudou nazis do topo da organização a escaparem da Europa central para a Itália, e de lá para a América do Sul.

Há muito que se sabe que a Igreja Católica - possivelmente com a cobertura dos EUA - ajudou ex-nazis, como foi o caso do burocrata do Holocausto Adolf Eichmann, o médico do campo de concentração Josef Mengele, e o oficial da Gestapo Klaus Barbie, a fugirem para a América do Sul. Estes homens eram anti-comunistas, e Roma e Washington consideravam o comunismo como seu principal inimigo.
Segundo Wolf, relatórios do núncio papal em Buenos Aires podem confirmar o papel do Vaticano na "Rat Line".
"Que sabia ele sobre esta actividade?" - perguntava ele.
"O Vaticano pode ter conseguido arranjar-lhes passaportes...O núncio era o intermediário? A embaixada argentina em Roma fez todo o trabalho?"
Outras questões que Wolf quer pesquisar são as relações de Pio XII com as redes políticas e de espionagem dos EUA durante e depois da guerra, o seu papel na promoção da unidade europeia, e as suas ideias sobre o alinhamento com os muçulmanos numa campanha contra o comunismo.
O arquivo vai permanecer encerrado até ao Verão, o que Wolf considera uma catástrofe para o seu trabalho de investigação, acrescentando: "Há suficientes questões para manter ocupada uma equipa durante 10 anos."

Enfim...a verdade sempre acaba por vir ao de cima, e a Igreja Católica Romana tem agora uma situação extremamente embaraçosa em mãos...

Shalom, Israel!