quinta-feira, junho 07, 2018

DEPOIS DO CANCELAMENTO DO JOGO AMIGÁVEL COM A ARGENTINA, ISRAEL PREPARA-SE PARA A "GUERRA" PELA REALIZAÇÃO DO FESTIVAL DA "EUROVISÃO" EM JERUSALÉM

NETTA BARZILAI, A GRANDE VENCEDORA DO FESTIVAL
DA EUROVISÃO DE 2018, EM LISBOA
Não satisfeitos com a nojenta chantagem exercida sobre a equipa de futebol argentina, levando ao cancelamento de um jogo amigável preparatório para o Mundial na Rússia entre as selecções de Israel e da Argentina na capital de Israel, os árabes palestinianos voltam-se agora para a sua próxima etapa da campanha anti-sionista que desgraçadamente tão bem acolhida é neste mundo quase completamente vendido à mentira e manipulação anti-semita tão do agrado dos inimigos de Israel: o Festival da Eurovisão, uma competição musical anual vista por centenas de milhões de telespectadores pelo mundo fora e cuja última realização, em Lisboa, atribuíu o prémio à canção e intérprete israelita, a cantora Netta Barzilai.
Tal como é tradição nesta competição europeia, que conta também com alguns países da Ásia Central e com a Austrália, o país vencedor tem a responsabilidade de organizar e acolher a competição do ano seguinte na capital do seu país. Obviamente que, se foi Israel que ganhou, Jerusalém seria o palco de tão grande evento.
Mas, tal como em outras situações, Israel é o único país que encontra intensa oposição quando se trata de promover eventos na sua capital, Jerusalém!
Desde há quatro semanas que se andam espalhando rumores de que a competição da Eurovisão de 2019 poderá ser boicotada, ou até simplesmente cancelada, mesmo após Israel a ter ganho pela quarta vez em toda a sua História.
Para que Israel possa organizar a competição em 2019, um valor aproximado de 15 milhões de dólares terá de ser depositado na "União de Radiofusão Europeia" (EBU), sendo isso apenas um dos requisitos para qualquer país candidato à organização. No caso de cancelamento, a EBU tem o direito de não devolver o depósito feito.
Os antecedentes que levaram ao cancelamento do jogo com a Argentina têm estado a preocupar os produtores da "Eurovisão" em Jerusalém, que temem que o boicote da selecção argentina tenha aberto um precedente para os anos vindouros.
Sabe-se já que da parte dos organizadores europeus há uma imposição para que não hajam quaisquer interveniências políticas no assunto. E o caso da Ucrânia, onde o festival esteve "por um fio", foi citado como um exemplo da ingerência política num evento que não se quer de todo envolvido com essas questões.
A "Corporação Israelita de Radiofusão" já garantiu aos europeus que não haverá qualquer intervenção governamental na realização do evento.
A organização europeia requereu a Israel que oferecesse duas cidades "não divisivas" para a realização da competição - uma clara forma de colocar a capital Jerusalém de fora das cidades candidatas, sob o argumento de não quererem cidades que sejam boicotadas por algum país.
Até ao momento, apenas Jerusalém se ofereceu para receber a grande competição, ainda que Agosto seja o prazo limite para a apresentação de outras candidaturas.
"OU É EM JERUSALÉM, OU EM LADO NENHUM!"
Um outro requisito dos organizadores europeus é que haja na cidade candidata um espaço capaz de sentar 10.000 pessoas, e que disponha ainda de 3.000 quartos em hotéis e serviços de transporte e de acomodação disponíveis 24 horas por dia.
Foi feita a pergunta sobre qualquer intervenção política na hipotética realização do evento em Jerusalém à actual ministra para a Cultura e o Desporto, Miri Regev, a qual respondeu de forma clara: "Tenho de dizer-vos uma coisa: Jerusalém não é uma questão política. Jerusalém é a fonte do orgulho para o estado de Israel e para o povo judeu no mundo inteiro...Não temos qualquer razão, nem para pedir desculpas nem para continuar a explicar sempre a mesma coisa."
Entretanto, esta manhã, numa conferência de imprensa, a ministra veio já ameaçar que se a competição da Eurovisão não for realizada em Jerusalém por considerações políticas, Israel pura e simplesmente abandonará a competição.
MINISTRA MIRI REGEV
"Já recomendei ao governo que se a Eurovisão não se realizar em Jerusalém, não será então justo recebê-la cá" - afirmou a ministra.
E acrescentou: "O estado de Israel tem uma capital, e ela chama-se Jerusalém, e não devemos ter vergonha disso."
Shalom, Israel!

5 comentários:

Olga disse...

Vergonha para os mundo e também para os homens que cada dia que passa estão mais raros do que o ouro de Ofir...
Enfim, as igrejas estão sendo coagidas por conta da política gayzista; as nações por conta do antissemitismo... tudo é a mesma coisa... o espírito do anticristo, do engano que já opera no mundo!
Há artistas e jogadores de futebol, por exemplo, que estão fazendo fila pra participar de patifarias mundo afora... agora cancelam um evento como o jogo ArgentinaX Israel, por "medo" do terrorismo...
Estes dias eu estava revendo um filme que conta a tragédia da Olímpiadas de Munique...
Será que não aprendemos nada?
Os terroristas também não!

Olga disse...

Vergonha para o mundo e também para os homens que cada dia que passa estão mais raros do que o ouro de Ofir...
Enfim, as igrejas estão sendo coagidas por conta da política gayzista; as nações por conta do antissemitismo... tudo é a mesma coisa... o espírito do anticristo, do engano que já opera no mundo!
Há artistas e jogadores de futebol, por exemplo, que estão fazendo fila pra participar de patifarias mundo afora... agora cancelam um evento como o jogo ArgentinaX Israel, por "medo" do terrorismo...
Estes dias eu estava revendo um filme que conta a tragédia da Olímpiadas de Munique...
Será que não aprendemos nada?
Os terroristas também não!
Shalom Israel!
Olga

Olga disse...

Qual lugar do mundo é seguro hoje em dia?
A Copa do Mundo da Rússia é cem por cento segura?
Talvez, corremos mais riscos nas ruas do Brasil ou da Europa do que Jerusalém...
Há muita intencionalidade e politicagem em determinadas decisões...
E, mais uma vez personagens biblicas como Ruth, Abigail, Raabe precisam ser lembradas... exemplos de mulheres que optaram pelo povo de Deus e, foram abençoadas... nada na Bíblia é por acaso...
Shalom Israel!
Olga

ROBERTO DOURADO disse...

Esse mundo polarizado ,inconsequente e surrealista é a nossa dadiva do século 21 !

acristinags10 disse...

É verdade, Deus tem chamado o povo ao arrependimento, nós somos essas mulheres que escolhemos seguir Jesus mais tambem temos que ser ester e interceder pelo nosso povo pela nossa nação. Que o Senhor através de nossas vidas possa ter misericordia da nossa nação que Deus possa mudar a nossa sorte.