sábado, dezembro 03, 2011

ISRAEL RODEADO DE MAIS UM INIMIGO

A expressiva vitória da "Irmandade Muçulmana" nas eleições do Egipto não são boas notícias para Israel. Liderado até há pouco tempo pelo ditador-conservador Mubarak, o Egipto mantinha-se como um vizinho não ameaçador, podendo os próprios israelitas cruzar a fronteira para desfrutar as suas férias nas praias do Sinai ou nas estâncias de Sharm-al-Sheik.
Só que agora isso já é passado, uma vez que o novo governo, a ser controlado pelos islamitas, tentará romper os acordos de paz com Israel, pois é essa a tendência cada vez mais evidente na região.
Nisto, o porta-voz do Hamas tem razão: Israel é o maior perdedor das eleições e o Hamas certamente o maior ganhador.
Para o Hamas esta vitória com 40% dos votos facilitará o cruzamento das fronteiras entre Gaza e o Egipto, permitindo certamente a passagem de armas, levando obviamente Israel a ter de "cerrar fileiras" e preparar-se para o pior.
O triunfo da "Irmandade Muçulmana" no Egipto, Tunísia e Marrocos surge no início das preparações para celebrar os 24 anos da fundação do Hamas na Faixa de Gaza, sendo, na linguagem dos seus apoiantes "o maior presente de aniversário para o Hamas".
Segundo eles, não é só Israel que perde, mas também a própria Autoridade Palestiniana.
Os líderes do Hamas expressaram o desejo de que as políticas do Egipto para com o seu movimento em particular e o conflito israelo-árabe em geral possam mudar para melhor, à luz do "sucesso" do despertar da "Irmandade Muçulmana".
O porta-voz do movimento terrorista Hamas elogiou os líderes da "Irmandade Muçulmana" por afirmarem que estão a favor de reconsiderarem o acordo de paz entre o Egipto e Israel.
Desde que os militares tomaram o poder no Egipto que os líderes terroristas do Hamas têm sido recebidos no Egipto como convidados VIP - e isto para desgosto da Autoridade Palestiniana.
O Hamas espera agora que uma forte presença da "Irmandade Muçulmana" no parlamento egípcio e talvez no governo possa vir a trazer uma mudança completa na política do Egipto para com os palestinianos.
Nas palavras de Abu Marzouk, um dos líderes do movimento terrorista, "com a vitória da 'Irmandade Muçulmana', o Egipto retornará ao seu papel original de apoiar plenamente a causa palestiniana. Isto serve os interesses do Hamas e dos palestinianos".
Sem dúvida, mais uma forte preocupação para Israel...
Shalom, Israel!

1 comentário:

Wallace Paulista disse...

Nossa, que alarmante... Só Deus pode proteger a terra de Israel...