segunda-feira, julho 18, 2016

ATENTADO DE NICE PODE "EMPURRAR" JUDEUS FRANCESES PARA ISRAEL

A organização humanitária cristã "Internactional Fellowship of Christians and Jews" (Comunhão Internacional de Judeus e Cristãos), que tem estado a ajudar judeus franceses a fazerem aliyah (retorno à Terra), está a receber milhares de contactos de judeus franceses que querem emigrar para Israel, e espera que esse número aumente como resultado do recente ataque terrorista em Nice, no sul da França.
A organização tem nestes últimos meses recebido mais de 5.000 contactos telefónicos e centenas de emails de judeus que se querem informar sobre as formas de fazer "aliyah."
A organização levou 82 judeus franceses para Israel durante o mês de Junho, e está a caminho de transportar mais 150 durante este mês, incluindo algumas famílias de Nice.
Cinco judeus ficaram feridos no ataque terrorista com um camião que foi lançado contra milhares de pessoas que passeavam na marginal junto à praia da cidade de Nice, na noite da passada Quinta-Feira.
Muitos judeus franceses têm relatado um nível elevado de anti-semitismo no seu país, para além da crescente ameaça de terrorismo que afecta toda a Europa.
"É triste, mas este terrível ataque acaba por destacar a necessidade urgente de se ajudar a levar para a sua Terra-mãe o maior número de judeus franceses que o queiram fazer, e é isso que iremos continuar a fazer" - afirmou o responsável pela organização cristã.

Shalom, Israel!

2 comentários:

Junior Melo disse...

Somente O Eterno DEus tem a resposta sobre como um pequeno país, que caberia noutro país geograficamente, tem a capacidade de se organizar e manter seu poderio militar e uma democracia única no meio de abutres vizinhos todos com estados totalitários .

Ruben MANUEL PEREIRA Fontoura e Celeste Maria Morais Gonçalves Fontoura. disse...

A II Guerra Mundial forçou a restauração de Israel. Muitos judeus continuam a querer regressar à sua Terra Prometida quando se vêem em aperto. De uma forma ou de outra, as Profecias vão-se cumprindo à risca.