domingo, julho 01, 2007

A QUESTÃO DE JERUSALÉM


A questão de Jerusalém tornar-se-à em breve "o cálice de tontear" e a "pedra pesada" que esmagará a muitos dos que, contrariando as promessas divinas, insistem em tentar negociar/repartir a cidade com os muçulmanos.
O sr. Tony Blair, acabado de sair do governo britânico, iniciou o caminho que o levará inevitavelmente à desgraça. Após o seu encontro com Bento XVI e a sua "conversão" ao catolicismo, ele está agora designado para promover o "diálogo" e relançar o "processo de paz" no Médio Oriente. Todos os seus antecessores falharam e caíram em desgraça (ex: Bill Clinton e Yzhak Rabin), mas parece que eles não aprendem a lição. Um estudo cuidadoso da Bíblia e das profecias relacionadas com Jerusalém levaria a que esses homens respeitassem o estatuto da cidade como capital eterna e indivisível do estado soberano de Israel.
O respeito (ou talvez o medo) para com o Islão faz com que o Ocidente comprometa estas grandes realidades a troco do dinheiro e do petróleo. Os líderes ocidentais tentam ignorar a realidade histórica desta Cidade santa, que nunca foi capital de nenhum outro estado que não o de Israel.
Jerusalém nada tem a ver com o Islão histórico, uma vez que não é mencionada uma única vez no Corão. Ao passo que na Bíblia é referida mais de 800 vezes como estando ligada à existência de Israel e do seu povo...!
As alegações actuais de que Jerusalém tinha a "mesquita longínqua" da qual Maomé ascendeu aos céus é um completo disparate, visto que no tempo de Maomé Jerusalém era dominada pelos cristãos e o monte do templo era a lixeira da cidade...!
Claro que o conflito irá agudizar-se a cada dia que passa, tanto mais que se aproxima o retorno do Glorioso Messias, facto que os muçulmanos conhecem e que os atemoriza, ao ponto de tentarem tudo por tudo para mudar o rumo da História. Mas não conseguirão, pois só Um tem o futuro nas Suas mãos, e certamente cuidará que toda a Sua Palavra seja integralmente cumprida, ainda que para desgraça da maior parte da humanidade.
E a Paz só virá a Jerusalém, quando esta voltar a receber o Messias, não mais para O crucificar, mas para o coroar como Rei dos reis e Senhor dos senhores.
Shalom, Israel!

4 comentários:

Anónimo disse...

concordo plenamente com o redactor da noticia!Nunca se afastará de ti a espada ó Israel!até á consumação dos séculos!Isto é até quando jesus vier de novo! E não estará muito longinquo esse dia!

Anónimo disse...

concordo plenamente com o redactor da noticia!Os politicos ocidentais deveriam ter um conhecimento mais profundo das sagradas escrituras!
nunca se afastará de ti a espada ò ISRAEL!
ATÉ QUE O SENHOR JESUS VOLTE!

Anónimo disse...

Não sou mulçumano, mas não posso concordar com essas idéias mencionadas,pois não é uma questão de ver o que a Torá diz ; ela não é um documento que venha ser um divisor de àguas. Visto que, os mulçumanos também têm sua literatura sagrada. Nesta questão existem tratados e leis internacionais que devem dirimir o assunto.
Quando o judeus começaram a regressar à terra,pelos movimentos sionistas,depois de aproximadamente 13 séculos encontraram já a muito estabelecidos os mulçumanos naquele local; e de forma abrupta, con mortes desapropriações e outros.
Recomendo os leitores deste blog, a ler o livro: " A quuestão de Jerusalém", da editora Elet.Zona cultural para maiores sclarecimentos dos fatos.

arautodv disse...

Retificando, Israel através de ações abruptas e violações de tratados estabelecidos, tenta retirar os Palestinos da Terra alegando sua exclusividade.
Esquecendo que a aliança feita com JAVE tinha como ponto principal a fidelidade.
Devido sua inconstância e desobediência foram entregues aos seus inimigos, cativos e dispersos pelo mundo.
No atual momento precisam seguir as orientações dos órgãos internacionais envolvidos no assunto obedecendo suas resoluções para que haja paz naquele local.