segunda-feira, maio 31, 2010

AS PROVAS REAIS DO ESPANCAMENTO E QUASE LINCHAMENTO DOS SOLDADOS ISRAELITAS

Neste video podem-se ver os espancamentos feitos aos soldados israelitas e até um dos soldados que foi atirado para fora do "Marmara"

Neste turbilhão de ataques a Israel vindos de todos os lados, e como é costume da comunicação social - o lado de Israel nunca é ouvido, muito menos se mostram os videos que Israel tem feito circular com a verdade dos acontecimentos que levaram a que os soldados israelitas tivessem de se defender face ao quase linchamento com facas, barras de ferro, etc. por parte dos "pacifistas".

Nojenta a nossa comunicação social, que chega ao ponto de dizer que Israel "atacou 6 barcos", quando na verdade os soldados israelitas só entraram no navio "Marmara"... Tendo esta tarde mostrado a minha revolta pelo telefone à rádio TSF, a "jornalista" do lado de lá nem me deixava falar, mostrando obviamente que não sabe ouvir, acabando por me desligar o telefone na cara... É assim a comunicação social que temos, claramente manipulada e manipuladora.

É importante que nesta hora tão crítica, nós, os verdadeiros amigos de Israel, façamos chegar às redacções das TVs, rádios e jornais a nossa indignação pela completa falta de neutralidade na apresentação dos factos, e ainda mais pela distorção dos relatos...!

Não fique calado! Este é o tempo de agir. Tal como o corajoso Mordecai disse à raínha Ester: "...quem sabe se para uma conjuntura como esta é que foste elevada a raínha?" este é um tempo para lutarmos pela verdade dos factos, defendendo o povo que tantos visam aniquilar.

Shalom, Israel!

2 comentários:

Adoradora de Cristo disse...

Compartilho este blog: Noticias de Sião

http://noticiasdesiao.wordpress.com/

Anónimo disse...

O mundo levantou-se contra Israel (antes o fizesse contra o terrorismo, contra o Hamas, contra a Al Qaeda e contra os déspotas do Irão, os seus patrocinadores).

Israel é a nação mais odiada no mundo.

A cínica ONU, como sempre, não olhou a meios nem hesitou um só segundo a condenar e a apedrejar Israel. Nada de especial, como sempre!

Israel é odiado e invejado, por ser uma nação próspera, trabalhadora, edificadora, científica, tecnológica e justa, um povo de corajosos que luta contra o drama do terrorismo, fazendo aquilo que os cobardes se negam!

É inconcebível e intragável e até violador de todos os princípios da decência vêr tamanha campanha racista judaicofóbica nas televisões que, acossadas por parasitas comunas e esquerdelhos, propagandeiam tudo que podem e até escamoteiam exageros pré-fabricados e inventados apenas com o intuito de denegrirem Israel. Dá para notar que, no dia em que Israel fosse destruído e o seu povo completamente aniquilado, esses bacamartes traidores ocidentais pulariam de alegria e regozijo.

Estes "idiotas-úteis" ocidentais (comunas e esquerdelhos) servem os árabes que nem luvas: servem-lhes para dar ouzio, legitimarem e encorajarem os radicais islâmicos, que anseiam pela morte de Israel e dos judeus.

E o "estado sanguinário do Hamas", aproveita para se afirmar e colher da corrupta ONU um reconhecimento e aceitação no objectivo de deixar de constar na lista das organizações terroristas. E o criminoso do Irão já atiça as hostes e culpa Israel do sucedido para virar o mundo a seu favor!


Mas Israel conhece muito bem este "tipo de ajuda"!



Os fuzileiros israelitas desceram de um helicóptero em rapel. Mal aterraram no navio, foram logo agredidos com facas, ferros, páus, pistolas, tiros ... um até foi atirado borda fora.

A missão de abordagem e revista ao navio foi feita por volta das 4h da manhã. Como é habitual no alto profissionalismo dos militares, toda a operação foi supervisionada, registada e gravada por várias câmaras de infravermelhos e por videos (alguns transportados pelos próprios soldados).

Portanto, Israel não pode (e não devia) se defender, não podia sequer revistar o navio, devia deixá-los passar livremente, mesmo que desconfiasse que íam caixotes de armas escondidas debaixo do convés para abastecerem os terroristas.
É este pormenor que o mundo não vê mas que um qualquer país decente, que se preocupe em zelar pela sua segurança (ainda para mais se fosse sistemáticamente atacado pelo terrorismo) não abdicaria um só milímetro do direito de se defender e da legitimidade de o exercer!

Mas como é Israel, já não pode ser!