terça-feira, dezembro 08, 2009

MINISTROS EUROPEUS DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS VOTAM JERUSALEM COMO CAPITAL DE UM ESTADO PALESTINIANO

Apesar de todos os esforços exercidos pela diplomacia israelita, os 27 ministros dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores) da União Europeia aprovaram hoje o projecto proposto pela Suécia que apela à criação de um estado palestiniano com Jerusalém oriental como capital.
Israel já reagiu através do seu ministro dos Negócios Estrangeiros: "O reconhecimento de Jerusalém como capital tanto de Israel como de um futuro estado palestiniano ignora o obstáculo primário para se conseguir uma resolução entre Israel e os palestinianos".
A resolução ministerial da União Europeia diz que "A UE não reconhecerá quaisquer alterações às fronteiras anteriores a 1967, incluindo o que concerne a Jerusalem".
O documento apela também à criação de um estado palestiniano compreendendo a Margem Ocidental, a Faixa de Gaza e Jerusalém.
"Para que haja paz, tem de se encontrar um meio de resolver o estatuto de Jerusalém como a capital de dois estados" - afirma o documento aprovado hoje mesmo em Bruxelas.
Este é um triste dia para a Europa. E como tem acontecido, as atenções do mundo estão voltadas para a Conferência sobre as alterações climáticas em Copenhaga, ao mesmo tempo que os ministros europeus "aproveitam" a distração para tomar uma das decisões mais estúpidas e insensatas de que há memória nos últimos anos. Além de tudo, uma tremenda injustiça! Como pode uma comunidade internacional decidir sobre as resoluções internas de um país soberano? É a UE quem agora decide onde cada país deve ter a sua capital? E o sr. Luís Amado, esse socialista "democrata" vota a favor desta disparatada? Bem, desse "socialista" nada mais me pode admirar...
Assim vai esta Europa... a caminho do abismo e caindo cada vez mais nas mãos daqueles que lhe irão trazer tanto sofrimento - os muçulmanos.
Shalom, Israel!

2 comentários:

DR disse...

É inaceitável querer transformar Jerusalém em uma nova Berlim, dividir uma cidade capital de 2 estados. Além disso a politica de 1 país, desde que não choque com as regras fundamentais da civilização, não deve ser forum de outros países ou organizações. Sei que tudo o que está a acontecer é o reforço da veracidade da Bìblia, o principio do fim dos tempos, está escrito que Israel ficará isolada e será cercada por todos os países do mundo e então, quando não houver mais nenhuma fuga possível, Jesus virá e lutará por Israel. Ainda assim, temos que apontar as acções erradas que estão a ser tomadas indiferentemente de conhecermos o fim da história.

DR

Zafenate Panéia disse...

Eu não sou Judeu, mas vejo Jerusalém uma cidade única e indivisível do povo Judeu; Dividir Jerusalém com os palestinos é algo INACEITÁVEL; Os Judeus estão no centro do meu CORAÇÃO.