quinta-feira, outubro 16, 2014

ESTUDO BÍBLICO NO GABINETE DE NETANYAHU ENFATIZA A LIGAÇÃO DOS JUDEUS À TERRA DE ISRAEL

Aquilo que infelizmente alguns líderes evangélicos teimam em não querer reconhecer, o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu reitera convictamente a partir do seu estudo das Escrituras (Antigo Testamento): o direito dos judeus à sua Terra, a terra da promessa, a Terra de Israel.
Essa teimosia de certos líderes evangélicos tem certamente mais a ver com problemas pessoais relacionados com a aceitação do plano de Deus para com os judeus e com Israel, ou talvez com uma interpretação da Bíblia "a la carte", ou  até com resquícios de anti-semitismo...
Felizmente, tal como eu, há milhões de cristãos sionistas que lêem a Bíblia de forma literal, interpretando as promessas de Deus para Israel como efectivas, nunca anuladas, nem passíveis de mudança - ou Deus deixaria de o ser.

ESTUDO BÍBLICO REGULAR DIRIGIDO POR NETANYAHU
Mais crente nas promessas de Deus do que alguns desses ditos "cristãos" ignorantes quanto a muito daquilo que a Bíblia ensina, o primeiro-ministro israelita tem estado a dirigir reuniões regulares de estudo bíblico no seu gabinete ministerial. 
Esta foi a sexta vez que o grupo se reuniu, e a ênfase do estudo foi precisamente versando a reivindicação do povo judeu relativamente à Terra de Israel.
A tradição de um estudo bíblico regular no gabinete do primeiro-ministro iniciou-se exactamente com o próprio primeiro-ministro fundador do estado de Israel, David Ben Gurion, tendo depois disso sido descontinuada e restabelecida por duas vezes. 
Esta actual fase de estudos da Bíblia foi impulsionada pela esposa de Netanyahu, Sarah, em honra ao seu pai recentemente falecido, e que era um reconhecido conhecedor da Bíblia.
Esta última reunião teve lugar no passado dia 5 de Outubro, contando com a presença de dezenas de rabinos e académicos, sendo muitos deles membros do actual governo israelita. Estiveram também presentes os pais dos 3 adolescentes israelitas raptados e assassinados em Junho passado por terroristas palestinianos. 

GÉNESIS 1:1
O ministro da Educação e um dos rabinos levantaram a questão da reivindicação dos judeus à Terra de Israel em relação ao primeiro versículo da Bíblia. Segundo um sábio judeu do século 11, a história da criação fornece aos filhos de Israel uma resposta às acusações feitas pelas nações do mundo de que eles "são ladrões, por terem roubado a terra de Canaã pela força." Foi Deus Quem criou a terra e compete portanto a Ele distribui-la conforme bem entender.
Nas suas afirmações iniciais, Netanyahu assinalou o timing apropriado para este tópico: "Estamos prestes a terminar a leitura da Torá no feriado "Simchat Torá", iniciando outra vez a partir do "Bereshit" (Génesis) - afirmou o primeiro-ministro.
"A natureza cíclica da leitura da Torá e o início renovado da sua leitura é também simbólico da renovação da nossa nação no nosso país. Apesar de todos os esforços para nos aniquilarem, sempre voltamos a reconstruir-nos novamente com uma verdadeira e profunda conexão às nossas raízes, mas ao mesmo tempo fazendo crescer a árvore que se chama Nação de Israel, com as nossas profundas raízes e ramos que se erguem para o alto."

"Fico sempre estimulado nesta ocasião" - prosseguiu Netanyahu, acrescentando: "Ela foi adiada por causa da operação militar deste verão, mas quero dizer-lhes que mesmo durante a operação, nesta casa, nós continuámos a estudar a Bíblia. Estudamo-la pelo menos uma vez por semana. Isso faz parte daquilo que somos."

Shalom, Israel!

2 comentários:

RDS Dourado disse...

Shalom irmão!

É bom saber que o 1º ministro de Israel estude A Torá, mas muito bom seria se declarasse ser um cristão e passasse a estudar também o novo testamento!

A nossa oração é sempre para que todos recebam o Senhor Jesus Cristo o Messias prometido a Israel único e suficiente Salvador e o único que trará, Paz à nação de Israel, pois Ele é Maravilhoso conselheiro, Deus forte, Pai da eternidade, Príncipe da Paz. Para que se aumente o seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, para estabelecer e o firmar mediante o juizo e ajustiça, desde agora e para sempre. O zelo do SENHOR dos exércitos fará isto(Isaías 9:6 e 7).
Maranata! Vem SENHOR JESUS.



Cesar Augusto Cabral Arevalo Iehouah disse...

É bom que ele estude a Torah. Quanto a contemplar Yeshu'a como Senhor e Salvador, que isto não seja uma objeção à primeira sentença, pois ... tem alguma coisa a haver o Salvador dos Cristãos com Maomé, Olloh ou o Corão? Pelo contrário; sutilezas não se aplicam no cotidiano de 1.400 anos e atualidade. Uma vez, em uma igreja judeu-messiânica ouvi um inocente idoso, creio, dizer: ''o judaísmo só é importante porque meu Salvador era Judeu, se ele fosse francês''...!!!! Conheço e continuo conhecendo o Novo Testamento, até a raiz e com opções. O Notável Yeshu'a Netser que borbulha dali não dá nenhum espaço para desprezo ou nulidade da manifestação única de Iehouah na Cultura Hebraica e tampouco favorece ou desfavorece os judeus de sua posição universal por nenhum critério que não seja a estrita adoração monoteísta de Iehouah Elohim, algo possível para judeus e cristãos, mas que tem sido falha comum do judaísmo e cristianismo.