terça-feira, março 17, 2015

INESPERADA REVIRAVOLTA NAS ELEIÇÕES ISRAELITAS COLOCA O NOVO GOVERNO DE ISRAEL NAS MÃOS DO PRESIDENTE

O inesperado empate nas eleições de hoje entre o actual primeiro-ministro Netanyahu (partido Likud) e o seu principal rival Isaac Herzog (partido União Sionista) com 27 lugares cada um, obrigará o presidente Reuven Rivlin a decidir qual dos dois líderes será convidado a formar o próximo governo de Israel. Uma coisa é certa: terá de ser um governo de coligação, algo costumeiro em Israel...
Todas as perspectivas davam uma vantagem de uns 4 lugares ao candidato Herzog, uma vez que Netanyahu tem a sua imagem desgastada por vários anos de governação, problemas internos, questões ligadas à economia israelita e outras questões. Sabe-se também que o seu inimigo Barack Obama fez o possível para derrubar Netanyahu. A comunicação social também não lhe foi favorável. Pode-se dizer que Netanyahu é um político de garra, um verdadeiro "animal político", uma vez que teve quase tudo e todos contra ele. 
Certamente que as orações do povo de Deus pesaram bastante na balança, permitindo uma verdadeira reviravolta na última hora. 
Fala-se também de algum receio na mente de muitos eleitores face à promessa de Herzog de voltar às negociações com os palestinianos, incluindo a própria divisão da Cidade de Jerusalém, algo que Netanyahu rejeita por completo. Talvez muitos tenham preferido votar pelo seguro, não por gostarem tanto assim de Netanyahu, mas por se sentirem mais seguros com alguém que conhecem que que sabem defende Israel e o seu povo. 
Um motivo de preocupação são os 13 assentos conseguidos pela lista conjunta de partidos árabes, que se sabe votaram em massa nestas eleições, que tiveram uma afluência total de 71,8%.

Veremos nos próximos dias qual a decisão do presidente e que tipo de coligação será organizada para liderar Israel numa altura de grande expectativa em relação ao relacionamento com o presidente norte-americano, o programa nuclear iraniano e o moribundo processo de paz com os palestinianos.

Shalom, Israel!


2 comentários:

Anónimo disse...

"13 assentos" conseguidos pelos árabes... Não gostei nada desse número: 13!!!
Explico: sou brasileiro!

Paolo Hemmerich

edison benedetto capitani quati disse...

Jerusalem e' ISRAEL !

ISRAEL e' INDIVISIVEL.