quinta-feira, novembro 12, 2015

ISRAEL SUSPENDE DIÁLOGO DIPLOMÁTICO COM A EUROPA

Em retaliação à ignóbil decisão da União Europeia de obrigar à etiquetagem dos produtos oriundos dos alegados "territórios ocupados" de Israel, O Ministério dos Negócios estrangeiros de Israel convocou o actual embaixador da UE para Israel, Lars Faaborg-Andersen para o informar da suspensão do diálogo diplomático entre Israel e vários importantes fóruns europeus.

"A UNIÃO EUROPEIA DEVIA TER VERGONHA"
Revoltado com a decisão de ontem da Europa dos 28, o primeiro-ministro Netanyahu não se ficou por meias-palavras: "A União Europeia devia ter vergonha." Netanyahu classificou a ignóbil decisão como "hipócrita" e de "padrão duplo."
"A União Europeia decidiu etiquetar apenas Israel, e nós não estamos preparados para aceitar o facto de a Europa estar a etiquetar o lado que está sendo atacado pelo terrorismo" - acrescentou o primeiro-ministro israelita.

Outros ministros israelitas mostraram a sua revolta, expressando-a com palavras como: "uma revoltante decisão anti-semita", "repúdio à decisão que constitui uma mancha moral na Europa."

TROCA DE CARRO EUROPEU POR JAPONÊS
Num gesto repleto de simbolismo, o ministro da Agricultura de Israel, Uri Ariel, decidiu trocar o seu veículo da marca francesa Citroen por um Mazda japonês.

PRESIDENTE ISRAELITA CANCELA VISITA À EUROPA
Outra "resposta" à imbecilidade europeia, foi o cancelamento da visita do presidente israelita Reuven Rivlin à sede da União Europeia em Bruxelas, programada para o próximo dia 2 de Dezembro.

UMA DECISÃO COM EFEITOS CONTRÁRIOS AOS DESEJADOS
As directrizes aprovadas ontem pela União Europeia implicam que os produtores israelitas sejam obrigados a etiquetar explicitamente todos os produtos agrícolas e de cosmética oriundos dos chamados "territórios ocupados" que sejam vendidos dentro do território da União Europeia. 
Toda esta ignóbil decisão anti-semita tem a ver com o não reconhecimento europeu da legitimidade da presença de Israel na Judeia e Samaria, Jerusalém oriental e nos Montes Golan, territórios conquistados por Israel durante a Guerra dos Seis Dias, em Junho de 1967. Dessa forma, esses produtos não podem ser rotulados com a etiqueta "Made in Israel" (Feito em Israel), mas deverão informar que são oriundos dos "colonatos", que a União Europeia considera ilegais segundo as leis internacionais.
Os responsáveis por esta perniciosa decisão europeia alegam que desta forma os consumidores poderão tomar uma decisão consciente sobre comprar ou não os referidos produtos.
Só espero que esta idiotioce de alguns anti-semitas europeus acabe por ter um efeito contrário, incentivando muitos europeus como eu a procurarem comprar cada vez mais esses produtos israelitas nas lojas à nossa volta...
E a estupidez é tão grande, que esses indivíduos - tão amigos dos palestinianos - nem entendem que estão exactamente a fazer o contrário do que deviam, uma vez que quem dá emprego a milhares de palestinianos nesses "territórios ocupados" são exactamente os judeus israelitas que, se decidirem fechar as fábricas e deslocá-las para outras regiões do país, contribuirão para o desemprego dos palestinianos tão necessitados da ajuda de Israel...
Há cerca de 15.000 palestinianos a trabalhar actualmente em fábricas israelitas na Samaria e na Judeia, representando cerca de 60% da força laboral. 

POUCO EFEITO NA ECONOMIA ISRAELITA
Apesar do efeito moral e das consequências políticas, o efeito na economia de Israel é sem significado de maior, calculando-se que provoque um prejuízo de cerca de 10 milhões de dólares anuais, dos 300 milhões exportados anualmente dos "colonatos."
"A economia israelita é forte e vai resistir a isto" - afirmou Netanyahu, acrescentando: "Quem vai ser afectado serão os palestinianos que trabalham em fábricas israelitas."

Shalom, Israel!



7 comentários:

Elias disse...

É bom esclarecer aos de memoria curta que em 1967, Israel só se defendeu daqueles que já cantavam vitória sobre Israel.
E Bendito seja o SENHOR Deus de Israel e nosso Salvador para sempre. Amém!

olga disse...

Este mundo não tem moral pra julgar Israel... Mas, de certa maneira entendo porque agem assim. Penso na história de José e a resposta que este deu a seus irmãos depois da morte de Jacó: "E José lhes disse: Não temais; porventura estou eu em lugar de Deus? Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer com o se vê neste dia, para conservar muita gente com vida." Gênesis 50:19,20
Assim como no começo também no fim. Os povos têm ciúmes de Israel o primogenito de Deus...
O primeiro ministro está certo... É preciso olhar com outros olhos... Talvez, não é com a Europa que ele está lutando... Lá na frente entenderemos isto! Assim como Jacó abençoou seus filhos que o Senhor nos abençoe. Eu não aceito que nenhum lider fale por mim. Se eu tiver que consumir produtos de Israel consumirei com ceteza não serão mais nocivos do que aqueles produzidos debaixo de verdadeiras escravaturas oriundas da África, Ásia e América latina. Eu nem citarei empresas que têm contaminado a natureza com as bençãos do Tio Sam, por exemplo.
Shalom Israel!
Olga

olga disse...

Que Israel não deixe de ajudar os trabalhadores palestinos... Israel tem que fazer a diferença. Aqui no Brasil a ideia de justiça também está deturpada... Estes são dias maus... Que a luz prevaleça!
Shalom Israel!
Olga

olga disse...

Esta decisão me faz lembrar da "marcação dos nazistas"... O que difere? Uns marcam pessoas outros marcam produtos, mas a ideologia é a mesma: ódio aos judeus! Se há pessoas que duvidam da bíblia saibam que isto está previsto, mas o Senhor se rirá destas nações... Aquele que fez uma nação renascer num só dia, abandonará o seu povo?
"Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos." Isaías 66:8
Shalom Israel!
Olga

isaac disse...

Isso me estimula a comprar produtos israelenses...

Lusmar Moreira disse...

Louvado seja o Deus de Abrao Isaque é Jacó que após 150 anos vingou-se dos Amalequitas e não deixará estes filhos de belial inpunes.O Senhor e Deus que tranforma maldição em bênção na vida de seu povo ISRAEL

Joaquim ben Levy disse...

Caiu a máscara!
A dita UE (não os Estados que a compõem, per si) é o mais perigoso inimigo de Israel!!
E nós sabemos porquê. ..