sábado, março 18, 2017

PARLAMENTO ISRAELITA APROVA UMA MAIOR LIGAÇÃO DOS JUDEUS AO MONTE DO TEMPLO

Aproxima-se o Jubileu da Cidade de Jerusalém. Em Junho deste ano, completam-se 50 anos desde que as forças israelitas conseguiram recuperar a totalidade da sua capital, unificando-a e reconstruindo tudo aquilo que os ocupantes jordanos haviam destruído.
Mas a reconquista de Jerusalém em Junho de 1967 falhou num ponto crucial: desejoso de fazer a paz com a Jordânia, o general Moshe Dayan decidiu deixar a administração do Monte do Templo nas mãos dos árabes. Muitos ainda hoje não compreendem como foi possível que o lugar mais sagrado para os judeus tivesse sido deixado nas mãos dos seus maiores inimigos, os muçulmanos. Houve no entanto um cumprimento profético nessa resolução das autoridades israelitas. Deus estava mais uma vez - como sempre - no controle da História. Segundo as profecias de Daniel, o falso Messias terá de fazer um acordo "com muitos", acreditando-se que o mesmo envolverá a resolução da questão da soberania do Monte do Templo, agora ocupado pela mesquita de al-Aqsa e pelo Domo da Rocha.
Ainda que a soberania seja israelita, a administração é muçulmana, dessa forma impedindo no local a realização de quaisquer orações por parte de judeus e de cristãos.
Há no entanto um crescente anseio da parte de muitos judeus para que eles não só ali possam orar, como inclusivamente retomar os sacrifícios num espaço que necessitará de ser erigido para o efeito.

CRESCENTES PRESSÕES NO KNESSET
Há actualmente grupos dispostos a encetar uma jornada de luta política visando a recuperação do espaço para os judeus. Pela primeira vez desde o estabelecimento do estado judaico em 1948, o parlamento - Knesset - propôs estabelecer um órgão governamental destinado a fortalecer a ligação entre o estado judaico e o seu lugar mais sagrado: o Monte do Templo. Esta medida provocou obviamente a ira dos políticos palestinianos que acreditam que as recentes pérfidas decisões da UNESCO visando eliminar os laços históricos entre Jerusalém e os judeus têm sido bem sucedidas.
Numa medida que encolerizou as hostes políticas palestinianas, a ministra para a Cultura de Israel, Miri Regev e o ministro para Jerusalém, Ze'ev Elkin, propuseram uma nova fundação para promover a ligação judaica ao Monte do Templo. Um orçamento de 550.000 dólares anuais será acrescentado ao já existente "Fundação da Herança do Monte do Templo."
Esta nova fundação será responsável pela "pesquisa, informação e defesa" concernentes à ligação judaica àquele lugar sagrado.

INDIGNAÇÃO ÁRABE
Para os deputados árabes no parlamento israelita, o lugar é exclusivamente islâmico. Para eles, todo o espaço das construções e à sua volta é sagrado para o islão e considerado "mesquita."
"Sempre foi assim, e é assim que vai permanecer, apesar da conquista e apesar deste novo financiamento" - afirmou Ahmad Tibi, verbalizando o seu ódio e repugnante ignorância histórica sobre a verdade dos factos. 

ESPERANÇA JUDAICA
O deputado israelita Yehudah Glick, do partido Likud, que desde há anos vem defendendo a possibilidade de qualquer pessoa e de qualquer religião poder orar no local, ficou obviaimente entusiasmado com a decisão.
"Depois de muitos e longos meses, alegro-me que os nossos esforços tenham finalmente produzido frutos. Esta é uma boa altura, e graças a Deus chegámos finalmente lá, apesar do atraso de 50 anos (de facto, 2 mil anos...) O governo israelita reconheceu que o Monte do Templo é um sítio nacional, é nosso." - afirmou Glick.

Esta medida acontece a poucas semanas do Jubileu de Jerusalém. Foi criado um logotipo apropriado a este evento, explicado pela ministra da Cultura Miri Regev: "Ele (logotipo) conta a verdadeira História de Jerusalém. A base do dígito 5 é uma harpa, uma reminiscência de David, rei de Israel, que há 3.000 anos fundou Jerusalém como nossa capital eterna. A cabeça do 5 é um leão - o símbolo da moderna cidade de Jerusalém."
E a ministra acrescentou: "Os laços da nação judaica a Jerusalém são possivelmente os mais profundos que ao longo da História têm existido entre um povo e uma cidade."

Shalom, Israel!

4 comentários:

De Sousa disse...

...e os cativos de Jerusalém, que estão em Sefarade, [Portugal e Espanha] herdarão as cidades do sul... [no ano quinquagésimo da unificação de Jerusalém, tudo tem que ser devolvido aos seus legítimos donos, o Knesset deveria reconhecer o direito de os "marranos" ou os "criptojudeus" regressarem à terra de que são donos]
Eu mesmo, como herdeiro de Elohim, e co-herdeiro com o Messias, profetiso que esta geração da figueira não passará sem que "todas as coisas sejam restauradas e devolvidas aos seus donos".
O Rei está voltando, quem tem ouvidos ouça. Halleluyah 70 x 7

olga disse...

Glória a Deus!
Deus abençoe Israel!
Belíssimo o logotipo! Quero um pra mim... Já pensou numa camiseta... Enquanto muitos querem boicotar Israel, outros querem chorar e se alegrar junto com este povo! Assim é porque assim sempre foi... Maranata!
Shalom Israel!
Olga

Ruben MANUEL PEREIRA Fontoura e Celeste Maria Morais Gonçalves Fontoura. disse...

É inexplicável que Israel tenha deixado para uma administração árabe o crucial e centro de todos os interesses e atenções Monte do Templo, depois de uma tão retumbante vitória na Guerra dos 6 dias. Lá teremos nós que "ler" "Para que se cumprisse o que foi escrito"... Só desta forma poderemos entender tão monumental erro de Moshe Dayan. Faltou-lhe a outra vista!
Não sabemos quando, mas que o Monte do Templo vai regressar a uma administração judaica, não há a menor dúvida. Os passos vão sendo dados para isso acontecer.

olga disse...

Li um artigo que o presidente da autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, disse que o terrorismo só acaba quando Israel devolver territórios, mas sabemos que é exatamente o contrário... Israel sempre foi defraudado dentro de sua própria terra...
Este "mal-entendido" ocorre graças, também, a um cristianismo apenas de fachada porque se os países que se dizem cristãos, como o Brasil, fossem tão cristãos e "radicais" nas suas verdades como são os países muçulmanos Israel seria a prioridade número um... Afinal, Israel é prioridade número um para árabes e muçulmanos num sentido bem destrutivo...
Nem mesmo o papa disfarça suas preferências e não sei o que fizeram com a maioria dos versículos bíblicos, inclusive do Novo Testamento...
O Logotipo escolhido é maravilhoso diz muito da História deste povo.. Se as nações não reconhecem esta História é porque desprezam o Deus que a escreveu... A existência de Israel nos diz muito sobre a existência de Deus!
Ouvi a palavra do Senhor, ó nações, e anunciai-a nas ilhas longínquas, e dizei: Aquele que espalhou a Israel o congregará e o guardará, como o pastor ao seu rebanho.
Porque o Senhor resgatou a Jacó, e o livrou da mão do que era mais forte do que ele. Jeremias 31: 10;11
Shalom Israel
Olga