terça-feira, fevereiro 23, 2010

DESCOBERTO EM JERUSALÉM MURO DO TEMPO DO REI SALOMÃO!




Uma das mais impressionantes descobertas da arqueologia recente foi agora revelada em Jerusalém: parte da muralha da Cidade claramente comprovada como sendo do tempo do rei Salomão. Nas palavras da arqueóloga Eilat Mazar: "É a construção mais importante que temos em Israel dos dias do Primeiro Templo".
As fortificações em pedra agora escavadas no exterior das muralhas da Cidade antiga de Jerusalém são de há 3 mil anos atrás, portanto do tempo do rei Salomão, e esta descoberta apoia a narrativa bíblica relacionada com esta época.
Se a idade das muralhas estiver correcta, este achado será uma comprovação de que Jerusalém albergava na época um forte governo central que dispunha dos recursos e mão de obra necessários para a construção de fortificações massiças no século 10º a.C.
A secção da muralha agora descoberta tem um comprimento de 70 metros e uma altura de 6 metros, e está numa área conhecida como Ophel, entre a Cidade de David e a parte sul do Monte do Templo.
Foi também descoberta uma portaria interior que dá acesso ao quarteirão real da Cidade e ainda um complexo da realeza junto à portaria, e ainda uma torre de onde se avista uma parte substancial do vale de Kidron (Cedro).
Segundo a arqueóloga: "Uma comparação feita entre estes últimos achados e as muralhas e portões do tempo do Primeiro Templo, bem como cerâmicas encontradas nos locais, permite que afirmemos com elevado nível de segurança que a muralha agora descoberta é a que foi construída pelo rei Salomão em Jerusalém na última parte do 10º século a.C."
E adiantou: "Esta é a primeira vez que foi encontrada uma estrutura dessa época que corresponde com as descrições escritas das construções feitas por Salomão em Jerusalém."
"A Bíblia diz-nos que Salomão edificou - com a assistência dos fenícios, que eram construtores famosos - o Templo e o seu novo palácio, rodeando-os com uma cidade, muito provavelmente ligada à mais antiga muralha da Cidade de David."
Mazar citou especificamente o texto no 3º capítulo do Primeiro Livro dos Reis, que diz: "...até que (Salomão) acabasse de edificar a sua casa, a casa do Senhor, e a muralha de Jerusalém em redor."
A portaria com uma altura de 6 metros foi construída num estilo semelhante ao do período do Primeiro Templo, tal como em Megiddo, Bersheva e Ashdod. Tem um plano simétrico de quatro pequenas salas, duas de cada lado da passagem principal.
Uma grande torre adjacente está também ligada à estrutura agora descoberta, cobrindo uma área de 24 x 18 metros, tendo servido de torre de vigia para proteger a entrada da Cidade. A torre está actualmente localizada debaixo da estrada que ali passa, e necessita de ser escavada.
Foi também encontrada muita porcelana, sendo os jarros "os maiores jamais encontrados em Jerusalém" - segundo a arqueóloga Eilat Mazar, acrescentando que "a inscrição encontrada numa delas prova que pertencia a um oficial do governo, provavelmente a pessoa responsável por supervisionar a provisão de bens alimentares (panificação) para a corte real."
Para além das peças de cerâmica, foram também encontradas na área estatuetas de culto, bem como gravações de selos nas asas das jarras com as palavras "para o rei", testemunhando do seu uso durante a monarquia. Foram também encontrados moldes de carimbos com nomes hebraicos, indicando a natureza real da estrutura.
Dia a dia, a arqueologia vai confirmando a revelação bíblica, digna de toda a credibilidade e respeito. Sinto-me privilegiado por pertencer à geração que vê estes sinais! Ainda que não precise deles para ter fé, estas evidências dão forma à mesma, para testemunho a todos os que "tendo olhos, não querem ver"...
Shalom, Israel!

3 comentários:

martins111 disse...

JUNTE-SE A NÓS. A UNIÃO FAZ A FORÇA.

Anónimo disse...

O iSRAEL quando vao deichar esse pais em paz ,porém um dia ele voltará e pora esse mundo em uma balança de justiça. apdd.

Anónimo disse...

Somos cristas e estamos maravilhadas com essas descobertas.
Ela so vem acrescentar a nossa fe e mostrar para os incredulos a prova real de sua veracidade.