sexta-feira, junho 05, 2015

FRANÇA AFIRMA "OPÔR-SE FIRMEMENTE" AO BOICOTE A ISRAEL

The Hebrew version of the Orange Telecom logo. The text says "The future sounds Orange." (Flash90)

A decisão ontem conhecida da empresa francesa "Orange" de retirar-se de Israel tem provocado grande ondas de choque em Israel e não só, levando à intervenção do próprio primeiro-ministro e do governo francês.
Isto não obstante o presidente da gigantesca empresa francesa de telecomunicações móveis ter vindo apressada e atabalhoadamente tentar pôr água na fervura, afirmando que "nós amamos Israel", e que a decisão de retirar a empresa de Israel não tem nada a ver com políticas, mas com questões comerciais...
Esta foi uma tentativa de corrigir uma decisão anti-sionista que não convence ninguém em Israel, uma vez que na véspera, o mesmo indivíduo tinha afirmado no Cairo que "desejava retirar de Israel o mais rápido possível", e isto num contexto do crescente boicote europeu aos produtos vindos de Israel.
O ministro das Relações Externas francês Laurent Fabius veio entretanto tentar acalmar as emoções, afirmando publicamente que Paris "se opunha firmemente" a qualquer boicote a Israel:
"Ainda que seja da competência do presidente do grupo Orange determinar a estratégia comercial da empresa, a França opõe-se firmemente a qualquer boicote a Israel" - afirmou o ministro, lembrando por outro lado a política defendida pela União Europeia relativa à construção de novos aldeamentos em território israelita.

Infelizmente, este é mais um passo para o crescente isolamento de Israel num mundo cada vez mais hostil à presença dos judeus na Terra prometida. E por muito que os franceses venham tentar justificar a decisão como "comercial", toda a gente de bom senso entenderá quais são as razões ocultas por detrás desta decisão.
Uma coisa é certa: Israel nada irá perder, antes pelo contrário. Quanto à "Orange", que se prepare para sentir as consequências...

Shalom, Israel!


3 comentários:

olga disse...

Creio que neste caso do boicote das empresas européias cabe a politica de reciprocidade. Quem tem a perder? Não entendo muito destas questões financeiras, mas até nesta Deus é com Israel. Quem estará financiando isto? Dá pra perceber que não há nada de novo debaixo do sol... A humanidade está apenas "controlada", logo ela se manifesta, infelizmente, como já ocorreu no passado. E, aí perseguição a judeus e cristãos virará politica de Estado. Será que já não é?
Shalom Israel
Olga

Amelia Santos disse...

não só a empresa"Orange" como todos aqueles que se voltam contra Israel..."Porque aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho"

blog np disse...

Acho engraçado esse boicote, essas sanções pesadas em cima de Israel e Rússia, que nem se quer tem motivos nobres, mas sim richas, então a população acaba tendo que trabalhar mais e podendo até cair na miséria, isso é inadmissível em um mundo que prega a humanidade e igualdade, mas acho que esses termos só se encaichem nos homossexuais e feministas por exemplo. Isso é muito ridículo. Maldito imperialismo americano e ONU imunda.