quinta-feira, junho 18, 2015

IGREJA QUE ASSINALA A MULTIPLICAÇÃO DOS PÃES E DOS PEIXES (TAGBHA) DESTRUÍDA POR FOGO CRIMINOSO

Destruction at the church (Photo: Avihu Shapira)

A Igreja que assinala tradicionalmente o local do milagre da multiplicação dos pães e dos peixes realizado pelo Messias Jesus foi incendiada durante a madrugada, tendo uma parte do seu interior ficado praticamente toda destruída.
Segundo a polícia, o incêndio terá sido provocado, pelo que as investigações prosseguem ainda no intuito de se tentar descobrir a autoria deste verdadeiro crime ao património religioso e cultural da Alta Galiléia.
Esta Igreja é anualmente visitada por milhares de peregrinos e turistas, sendo uma visita "obrigatória" nas nossas excursões a Israel.
A polícia já deteve entretanto 10 adolescentes estudantes da escola religiosa "Porat Yosef yeshiva", julgando-se que os mesmos estejam relacionados com o incêndio.

Estes adolescentes já são conhecidos pela polícia devido a acções criminosas no passado relacionadas com ideias nacionalistas. Estes 10 jovens foram vistos na área do incêndio a pedirem boleia (carona), levando à intervenção policial desta manhã. 
O padre alemão Matthias Karl, um dos responsáveis pela igreja, informou que a loja de souvenirs, o escritório para os peregrinos e uma sala de reuniões ficaram bastante danificados, tendo ardido várias Bíblias e livros de oração.
"Está completamente destruída. O fogo era muito violento" - afirmou o religioso.
A sala principal da igreja ficou intacta, mas um dos funcionários teve de ser hospitalizado devido à inalação de fumos.
O graffiti em hebraico encontrado em uma das paredes levou à dedução de se ter tratado de um fogo posto, um acto criminoso e vergonhoso numa igreja conhecida pela sua tranquilidade.
Os bombeiros acorreram ao local pelas 3.30 da manhã, conseguindo impedir que o fogo se propagasse até ao salão principal cujo tecto é feito em madeira. 
Transeuntes informaram entretanto que desconhecidos andavam desde há algum tempo a tapar as cruzes nas placas que apontavam para a igreja.
"Ainda não compreendo o que aconteceu" - afirmou um dos monges, ainda em estado de choque, acrescentando: "Nunca tivemos incidentes destes. Somos um espaço de paz, amor e abertura. Tudo aqui está sempre aberto a todos que queiram cá vir - talvez seja esse o problema."
Ataques semelhantes a este contra igrejas e mesquitas têm sido realizados nestes últimos anos, tendo sido amplamente condenados por todo o espectro político em Israel.
O ministro do Interior israelita Gilad Erdan condenou o ataque desta madrugada: "Este é um acto vil e cobarde que veementemente condeno. Não permitiremos que ninguém interrompa a coexistência das diferentes religiões e culturas em Israel. Qualquer acto contra a tolerância religiosa fere o valor mais importante do estado de Israel, e nós temos paciência de nível zero para com actos desta natureza."
A igreja agora incendiada é um complexo católico edificado nos anos 80 sobre as ruínas de uma antiga igreja bizantina do 5º século d.C. em Tabgha, nas imediações do Mar da Galiléia. A igreja está debaixo da jurisdição da Ordem dos Beneditos.

Esta igreja é mundialmente conhecida pelo famoso mosaico da época bizantina representando os pães e os peixes que Jesus multiplicou num dos Seus mais conhecidos milagres.



Este foi um acto repugnante e merecedor de penas severas contra os seus autores, num país onde a tolerância e respeito entre as várias religiões é de extrema importância e necessidade para a convivência saudável da sua sociedade pluralista.

Shalom, Israel!

3 comentários:

Benaiah Cabral Ben Avraham Leiehouah יהוה The Liger disse...

O escritor deste Blog, eu e outras pessoas, partilhamos a posição expressa por Gilad. Mesmo alheios à certas crenças ou símbolos, não estamos alheios às pessoas e ao conteúdo próprio da civilização.

Luciano de Paula Lourenço disse...

Os culpados não são esses jovens, mas os seus líderes religiosos. Os cristãos que têm a Bíblia Sagrada como regra de fé e prática amam Israel, amam o povo judeu, os consideramos como povo especial de Deus, e muito queremos o bem deles. Alguém com juízo equilibrado deve avisar isso a esses jovens. E as pessoas ideais para orientar a esses jovens são os seus líderes religiosos.
Inculcar ressentimentos por causa das barbáries cometidos pelo catolicismo romano durante a idade média não vai resolver o problema. A paz deve prevalecer entre cristãos e judeus, pois temos a mesma Bíblia que prega a paz.
Com tristeza, Luciano Lourenço
Shalom Israel

Anónimo disse...

A responsabilidade e muito provavelmente dos ensinos de alguns líderes religiosos da região que incitam ódio contra ao próprio Cristo.

Fabiana
Brazil