sexta-feira, abril 20, 2018

SIM, A FIGUEIRA JÁ FLORESCEU...E COMO! (1ª Parte)

Quando o Messias Jesus descreveu no Seu famoso "sermão profético" a cronologia dos acontecimentos futuros que se seguiriam à destruição do Templo de Jerusalém, Ele fez uso da parábola (ilustração) da figueira para revelar a época do clímax da História, aludindo ao renovar dos seus ramos e ao brotar das suas folhas como sinal de observação, para que os Seus discípulos atentos percebam por esses sinais a proximidade da vinda do Seu Reino.
"Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o Verão. Assim também vós: quando virdes acontecer estas coisas, sabei que está próximo (o reino de Deus), às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração (a que vir todos os sinais mencionados) sem que tudo isto aconteça." (Evangelho segundo Marcos 13:28-30; conf. Mateus 24:32-33 e Lucas 21:29-32).

A RAZÃO DA PARÁBOLA DA FIGUEIRA. QUAL A SUA SIMBOLOGIA?
À semelhança da oliveira e da videira, a figueira, é também muito abundante na Terra de Israel, sendo referida várias vezes no Antigo Testamento como um símbolo de Israel:
"Achei a Israel como uvas no deserto, vi a vossos pais como as primícias da figueira nova..." (Oséias 9:10).
"Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Do modo por que vejo estes bons figos, assim favorecerei os exilados de Judá, que Eu enviei deste lugar para a terra dos caldeus. Porei sobre eles favoravelmente os Meus olhos, e os farei voltar para esta terra; edificá-los-ei, e não os destruirei, e plantá-los-ei, e não os arrancarei" (Jeremias 24:5-6).

O figo - fruto da figueira - representa assim cada israelita, por vezes classificado por Deus como "intragável", devido à sua rebeldia e desobediência.

A figueira é um dos 7 produtos da Terra de Israel com que Deus abençoou o Seu povo (Deuteronómio 8), e que será também um símbolo de bênção, paz e prosperidade nos dias do Seu Reino vindouro sobre toda a terra ("Assentar-se-à cada um debaixo da sua videira, e debaixo da sua figueira, e não haverá quem os espante, porque a boca do Senhor dos Exércitos o disse" - Miquéias 4:4), tal como foi no "protótipo" do Reino Milenar demonstrado nos dias do grande rei Salomão: "Judá e Israel habitavam confiados, cada um debaixo da sua videira, e debaixo da sua figueira, desde Dã até Berseba, todos os dias de Salomão" (1 Reis 4:25).
É interessante a forma em como o Messias trata um israelita chamado Natanael: "Eis um verdadeiro israelita em quem não há dolo!" (Evangelho segundo João 1:47). O que chama a atenção, é o facto de Jesus lhe referir duas vezes que o tinha visto "debaixo da figueira", associando aquilo que parece ser a combinação perfeita: o judeu e a sua figueira (a nação de Israel).

SÍMBOLO DE MALDIÇÃO, MAS TAMBÉM DE BÊNÇÃO PARA ISRAEL!
Tanto no Antigo como no Novo Testamento a figueira e o seu fruto parecem ser uma espécie de barómetro revelador da "saúde" da nação de Israel.
Vários profetas do Antigo Testamento incluem na descrição dos castigos de Deus sobre o Seu povo a esterilidade da Terra e do seu fruto, mencionando a infertilidade e a sequidão das figueiras como resultado da Sua maldição sobre Israel: "Já não há semente no celeiro. Além disso a videira, a figueira, a romeira e a oliveira não têm dado os seus frutos..." (Ageu 2:19). "Fez da minha vide uma assolação, destroçou a Minha figueira, tirou-lhe a casca, que lançou por terra..." (Joel 1:7). "A vide se secou, a figueira se murchou, a romeira também, e a palmeira e a macieira; todas as árvores do campo se secaram, e já não há alegria entre os filhos dos homens" (Joel 1:12). "...a multidão das vossas hortas, e das vossas vinhas, e das vossas figueiras, e das vossas oliveiras, devorou-a o gafanhoto..." (Amós 4:9).

O próprio Messias Jesus, a caminho de Jerusalém, amaldiçoou a figueira porque não viu nela fruto (Evangelho segundo Marcos 11:12-14), um sinal do castigo que cairia sobre a nação de Israel pela sua obstinada rejeição do Messias: "...viram que a figueira secara desde a raíz" (Marcos 11:20). 
Esse quadro profético é clara e incrivelmente revelado na parábola da figueira que durante 3 anos permaneceu sem frutos:
"Então Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou. Pelo que disse ao viticultor: Há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não acho. Podes cortá-la; para que está ela ainda ocupando inutilmente a terra? Ele, porém, respondeu: Senhor, deixa-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume. Se vier a dar fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la" (Evangelho segundo Lucas 13:6-9).
Facilmente se depreende desta parábola que a figueira representa a nação de Israel que, apesar de ter sido durante 3 anos visitada pelo Senhor da vinha, não produziu nenhum fruto, sendo por isso condenada pela sua rejeição do Messias. Pela intercessão do viticultor (simbolizando os profetas e os apóstolos), a figueira (Israel) permaneceu ainda mais 40 anos na Terra, até à dispersão ocorrida no ano 70, após a destruição do Templo de Jerusalém.

Assim como Jesus amaldiçoou a figueira devido à sua infertilidade, assim também Israel sofreu as consequências da rejeição do Messias até ao dia do brotar das folhas da figueira...2000 mil anos depois!

Passados estes 2 mil anos de infertilidade, Israel já assistiu ao brotar das suas primeiras folhas e do seu primeiro fruto!


A maioria dos estudiosos das profecias bíblicas considera o dia 14 de Maio de 1948 - dia da declaração da independência de Israel - como o início do desabrochar da figueira. 
Sim, certamente é assim.
O Israel actual é um verdadeiro milagre de Deus, uma infalível prova da Sua misericórdia e bondade para com o Seu povo eleito!
Aquela Terra que há 100 anos atrás era quase um completo deserto, tornou-se num verdadeiro oásis onde as figueiras crescem e desabrocham em números impressionantes, produzindo frutos duas vezes por ano (na época da Páscoa e no Novo Ano judaico)!
Este desabrochar da figueira é sem dúvida um sinal messiânico, anunciado pelo próprio Senhor: o povo está de volta à sua Terra, as figueiras abundam e dão imenso fruto em todo o Israel, e a nação aguarda agora a restauração final com a vinda do Messias!
E Ele prometeu que regressaria! (continua)

Shalom, Israel!





5 comentários:

romulo mulinari disse...

Sem dúvidas o melhor e mais interessante resumo da volta de Jesus, estou ansioso pela parte dois desse estudo.

romulo mulinari disse...

Me manda uma resposta pra seber se meu comentário anterior foi enviado , não visualizei ele

Olga disse...

Maranata!
Parabéns, Israel!
Shalom! Shalom! Shalom!
Olga

Victor Nunes disse...

Muito bom esse estudo

acristinags10 disse...

Não conheço Jerusalém mais sou apaixonada por este lugar. E o lugar que meu amado nasceu e viveu. Tenho muito desejo de conheçer. Tudo o que está acontecendo com Israel é a volta do Rei Jesus. Muito em breve estaremos com o nosso amado Senhor.