segunda-feira, dezembro 11, 2017

"O RECONHECIMENTO DA REALIDADE É A SUBSTÂNCIA DA PAZ, A BASE DA PAZ" - AFIRMOU ESTA MANHÃ NETANYAHU AO LÍDERES EUROPEUS

Num pequeno-almoço informal realizado esta manhã com os ministros dos negócios estrangeiros da União Europeia, o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu elogiou o reconhecimento de Jerusalém como capital do estado de Israel pelo presidente norte-americano Donald Trump, acrescentando esperar ver os europeus a seguirem o exemplo.
Mesmo antes do pequeno-almoço, Netanyahu afirmou que esta decisão de Trump, 
condenada pelos palestinianos e pelos governos europeus, irá contribuir para a paz no Médio Oriente.
"Ela torna possível a paz, uma vez que o reconhecimento da realidade é a substância da paz, a base da paz" - afirmou aos repórteres, quando cumprimentava a chefe da diplomacia europeia, a romana Federica Mogherini.
E, conforme lhe é habitual, Netanyahu não fala com meias palavras, nem esconde segundas intenções: "É tempo de os palestinianos reconhecerem o estado judaico e também o facto de que ele tem uma capital. Ela chama-se Jerusalém."

E acrescentou: "Acredito que apesar de ainda não estarmos de acordo, é isso que irá acontecer no futuro. Acredito que todos, ou a maioria dos países europeus deslocarão as suas embaixadas para Jerusalém, reconhecerão Jerusalém como capital de Israel e se envolverão robustamente connosco para a segurança, prosperidade e paz."

A EUROPA EM DÍVIDA PARA COM ISRAEL
O líder israelita sublinhou as parcerias entre o seu país e Israel, lembrando que a troca de informações secretas tem permitido a prevenção de ataques terroristas na Europa, ao mesmo tempo que o papel que Israel exerce na segurança do Médio Oriente tem impedido o avanço do Daesh na região.
Netanyahu salientou ainda o contributo de Israel nas novas tecnologias. 

O DOENTIO ANTAGONISMO EUROPEU
Tal como é habitual nos governos europeus, o antagonismo às resoluções soberanas do estado de Israel é latente, especialmente no não reconhecimento das fronteiras estabelecidas pelo estado judaico depois da sua vitória na Guerra dos Seis Dias. A Europa teima em não reconhecer Jerusalém oriental, a Judeia e Samaria e os Montes Golan como parte integral do território de Israel. 
E o ministro sueco - um dos países mais anti-Israel de toda a Europa - apressou-se a dizer que não está a ver nenhum país europeu a seguir o exemplo dos EUA. 
Para Mogherini, a decisão norte-americana sobre Jerusalém "tem o potencial de nos fazer recuar para tempos ainda mais tenebrosos do que aqueles que estamos a viver hoje."
E, fazendo eco das pretensões europeias, voltou a insistir na utopia de 2 estados lado a lado partilhando a mesma capital, Jerusalém. 
Mas nem todos os 28 estão unidos nesta questão. Há pelo menos já 4 países que defendem uma maior relação com Israel: Grécia, Hungria, Lituânia e República Checa.

Shalom, Israel!



3 comentários:

Severino Ricardo da Silva disse...

Donald Trump reconheceu o óbvio!
O resto do mundo deve fazer o mesmo. Se eles não o fazem de boa vontade, ADONAY O FARÁ aos olhos de todos e calará a boca de todos!

Olga disse...

Israel tem que ter muita paciência para lidar com tanta hipocrisia, ou melhor, Israel tem que usar de muita diplomacia...
Acredito que todos estes lideres mundiais sabem muito bem o que foi a guerra dos seis dias e o que os palestinos representam para os paises que querem a destruição de Israel!
Mas, dentro deste jogo de força e poder de repente uma Coréia do Norte, por exemplo, pode ser um exemplo de conduta para uma Russia, China, Irã... e, quem sabe até Europa!
Assim caminha a humanidade, por isso navegar é preciso...
Shalom Israel!
Olga

Olga disse...

Estão fazendo de tudo para tirar o Trump da presidência...
Agora começo até a duvidar da "operação limpeza" de Hollywood...pois ja estão usando isto como exemplo, tipo: se tal e tal ator, produtor. jornalista e ate senador... da oposição... foi processado, afastado por que não o presidente?
Acho que este pessoal não vai aguentar 4 anos de Trump não... ate hoje não engoliram a derrota de Hillary...
O que o nazissmo fez em relação aos judeus em termos de propaganda esta gente da esquerda faz com qualquer um que deseja destruir e, o mais terrível disso é que num mundo onde tudo é relativo, é dificil mesmo saber onde está a verdade...
Desperta tu que dormes e Cristo te esclarecerá!
Shalom Israel!
Olga