terça-feira, junho 11, 2013

O JESUS PALESTINIANO

Sabia que Jesus era palestiniano? Não sabia? Pois Ele também não...
Aquilo que o terrorista Yasser Arafat e seus pares não conseguiu com a suas propagandas anti-semitas, visando apagar a História judaica, alguns modernos evangélicos americanos estão agora a tentar promover. E com algum sucesso.

JESUS, 100% JUDEU
Que Jesus nasceu, viveu e morreu como judeu é um facto indesmentível. A família onde Ele nasceu está bem identificada nas páginas da Bíblia. A Sua própria genealogia é tema importante nos relatos de dois dos Evangelhos. Nunca a Sua identidade de judeu foi posta em causa pelos Seus inimigos da época, apenas a Sua divindade e reivindicações messiânicas. 
Ao longo destes 2 milénios de História cristã nunca a identidade judaica de Jesus foi posta em causa.

A REINVENÇÃO DE JESUS
Mas hoje os tempos são outros. Alguns "iluminados" evangélicos norte-americanos - respeitados até em outras áreas - têm no entanto andado a prestar um óptimo serviço aos palestinianos inimigos de Israel ao revisionarem a História bíblica, algo que seus pais nunca imaginaram fazer, uma vez que não só os "palestinianos" são uma invenção criada em 1967 pelos árabes e muçulmanos, como tal ideia nunca passaria pela cabeça de alguém com um mínimo de discernimento e respeito pela verdade.
Mas, tal como disse antes, os tempos são outros, e eis que famosos como Philip Yancey (para meu constrangimento) se referem a Jesus como "o rabino palestiniano" nas páginas da conceituada revista "Christiniaty Today"...
Ed Stetzer, presidente de pesquisa da editora "LifeWay" - pertencente à Convenção Baptista do Sul - referiu-se a Jesus como "o judeu palestiniano", numa postagem no seu blog feita em 12 de Setembro de 2011, sob o tema da "contextualização"...
Mas eles não estão sós no erro:
Em 2012, num blog postado em Maio, o pastor das Assembleias de Deus e professor no Seminário Palmer, Paul Alexander, referiu-se a Jesus como "o judeu palestiniano." 

AGENDA PALESTINIANA
Que tudo isto faça parte da agenda palestiniana de revisionismo da História, diluindo cada vez mais a existência do Holocausto e da presença dos judeus na Terra Santa de Israel, não é de admirar. 
O que não se esperava é que teólogos, pastores e escritores evangélicos - supostamente conhecedores da revelação bíblica - contribuíssem também - inocentemente ou não - para esta mesma agenda...
Negando cada vez mais a identidade judaica de Jesus, os palestinianos chegam ao ponto de dizer que Ele era um palestiniano que andou a pregar o islamismo, negando assim toda a História judaica e a própria essência e legitimidade do Cristianismo...!
Num artigo publicado num jornal palestiniano  - "Al-Hayat Al-Jadida" - nesta passada Páscoa, o escritor Adel Abd Al-Rahman, afirmou o seguinte:
"A Páscoa...não é um feriado para os cristãos palestinianos só, mas um feriado do nacionalismo palestiniano, porque Jesus, que a sua alma descanse em paz, é um palestiniano cananita. A sua ressurreição, três dias depois de ter sido crucificado e morto pelos judeus - tal como relatado no Novo Testamento - reflecte a narrativa palestiniana, que conflitua contra os descendentes do moderno sionismo judaico no seu novo formato colonialista, e que conspira com os capitalistas ocidentais que alegam pertencer ao cristianismo."
E continuou: "Jesus, que a sua alma descanse em paz, o virtuoso pai dos palestinianos patriotas,  que renovou o Velho Testamento, rompeu com os seus seguidores, trouxe o seu Novo Testamento e espalhou-o pela humanidade - o que levou a que os judeus o perseguissem até o apanharem - o matassem e crucificassem. Ele depois ressuscitou dos mortos e começou a espalhar a sua mensagem que ainda hoje existe e existirá enquanto a humanidade perdurar."

REVISIONISMO EVANGÉLICO
Apesar destas disparatadas ambições palestinianas, a ideia de um "Jesus palestiniano" ganha cada vez mais adeptos no evangelicalismo moderno.
UM CONHECIDO CARTOON ANTI-SEMITA
A própria menção da "Palestina" em textos e comentários feitos por evangélicos, e nos próprios mapas bíblicos que estão incluídos em muitas Bíblias é a clara prova disso. Como se sabe, o termo "Palestina" apenas começou a ser usado a partir do 2º século pelos romanos, que, após arrasarem por completo Jerusalém e grandes partes da Judeia, tentaram também apagar os nomes judaicos para  a Terra de Israel, convertendo assim a Judeia em "Palestina", e Jerusalém em "Aelia Capitolina."
Se o próprio Jesus nunca conheceu, muito menos utilizou um termo que só seria usado mais de 100 anos depois da Sua existência na terra...como é que é possível que os Seus seguidores o utilizem?
Uma das formas em como os verdadeiros seguidores da Bíblia devem lutar contra essa deslegitimização de Israel é reagindo contra e esclarecendo aqueles que - talvez por desconhecimento - se referem a Israel como "Palestina" e que descuidadamente usam esse nome para tudo aquilo a que a Bíblia se refere como Israel.
Shalom, Israel!

3 comentários:

Zafenate Panéia disse...

Afirmar que JESUS é palestino, é nada mais ou nada menos que uma PIADA DE MAU GOSTO; seria melhor dizer que não acredita nos evangelhos de CRISTO. Eu creio piamente que JESUS CRISTO é 100% Judeu..

Anónimo disse...

Era só o que faltava. Embora o Senhor seja o Messias do mundo inteiro(entenda de quem o recebê-lo) inclusive os auto-intitulados, Palestinos, sabemos que o Messias veio primeiro para o seu povo, os judeus.

Fabiana

UEAS União Evangélica de Ação Social disse...

É lamentável quando nos deparamos com informações como essa, onde percebemos a urgente necessidade dos líderes sentarem para aprender, antes de tentar ensinar o que nunca soube! Jesus foi 100% judeu! A sua genealogia a prova contundente dessa verdade.