quinta-feira, setembro 23, 2021

CASA DOS REPRESENTANTES DOS EUA APROVA POR ESMAGADORA MAIORIA O FINANCIAMENTO DE 1 BILIÃO DE DÓLARES PARA O SISTEMA ISRAELITA "IRON DOME"

Apesar do voto contra de 8 democratas "progressistas" e de 1 republicano, a "Casa dos Representantes" dos EUA aprovou por esmagadora maioria a passagem a legislação que permitirá a Israel receber 1 bilião de dólares para subsidiar o seu programa de defesa "Cúpula de Ferro", alguns dias apenas depois de essa verba ter sido retirada das despesas governamentais por pressão de um pequeno grupo de advogados "progressistas."

A decisão foi aprovada com 420 votos a favor contra 9, e 2 abstenções. A proposta vai agora ser levada a votos pelo Senado, cujos votos são fundamentais para que a lei possa passar à respectiva efectivação.

Israel já aplaudiu e agradeceu efusivamente esta decisão logo a seguir à votação da mesma: "Muito obrigado aos membros da Casa dos Representantes dos EUA, tanto republicanos como democratas, pelo avassalador apoio a Israel e compromisso com a sua segurança" - declarou o primeiro-ministro Naftali Bennett, acrescentando: "Quem quer que tente desafiar este apoio recebeu hoje uma inequívoca resposta. O povo de Israel agradece ao povo norte-americano e seus representantes pela sua permanente amizade."

Shalom, Israel!

quarta-feira, setembro 22, 2021

REI DA JORDÂNIA E PRESIDENTE TURCO NA ONU APELAM À CRIAÇÃO DE UM ESTADO PALESTINIANO COM JERUSALÉM COMO CAPITAL

Os líderes islâmicos continuam a insistir na velha retórica da criação de um estado palestiniano em território bíblico de Israel, com Jerusalém oriental como capital. 

Durante a decorrente assembleia geral da ONU, a "cassette" árabe e islâmica continua a fazer-se ouvir, desta vez através do presidente turco, o cruel ditador que anseia liderar um utópico califado islâmico e que, na sua intervenção presencial de ontem na ONU acusou Israel de "opressão" sobre os palestinianos e "violações" em Jerusalém. Erdogan apelou ainda ao regresso das conversações de paz. O presidente turco abordou ainda mais uma vez a necessidade de uma "solução dois estados o mais rápido possível sem mais demoras."

E o conhecido ditador e opressor do seu próprio povo e da população curda voltou a atacar Israel, acusando o estado judaico de "opressão contra os nossos irmaos palestinianos", acrescentando que enquanto essa alegada opressão continuar é impossível haver paz e prosperidade no Médio Oriente: "As políticas de ocupação, anexação de terras e assentamentos ilegais têm de ser terminados o mais rapidamente possível." Erdogan condenou ainda Israel pelas "violações do estatuto internacional de Jerusalém" e da santidade do Monte do Templo, lugar da mesquita de al-Aqsa, o terceiro lugar mais sagrado do islão. 

O rei Abdullah II da Jordânia, por seu turno, numa mensagem virtual, repetiu a habitual ladaínha da criação de um estado palestiniano com Jerusalém oriental como capital, acrescentando ainda que a recente guerra entre Israel e Gaza sublinhou que "a actual situação é simplesmente insustentável."

Enfim, nada de novo debaixo do sol...

Shalom, Israel!

terça-feira, setembro 21, 2021

NO SEU DISCURSO NA ONU, JOE BIDEN DEFENDE A SOLUÇÃO "2 ESTADOS"

Enfatizando o apoio norte-americano à segurança de Israel, o presidente Joe Biden aludiu à solução 2 estados para o conflito israelo-palestiniano como "a melhor forma" de assegurar que Israel se mantenha como estado judaico e democrático. Biden assegurou que o compromisso dos EUA para com a segurança de Israel está "fora de dúvidas e o nosso apoio a um estado judaico independente é inequívoco."

"Continuo a acreditar que uma solução 2 estados é a melhor forma de assegurar o futuro de Israel como um estado judaico democrático, vivendo lado a lado com um estado palestiniano viável, democrático e soberano."

Biden prometeu também na sua intervenção desta manhã o compromisso do seu país para impedir que o Irão consiga a arma nuclear. Biden acrescentou ainda que, caso o Irão o faça, os EUA regressarão também ao acordo assinado em 2015. 

Shalom, Israel!

segunda-feira, setembro 20, 2021

O MESSIAS JESUS NA FESTA DOS TABERNÁCULOS

Inicia-se esta noite a última das festas bíblicas de Israel, a Festa das Cabanas, ou dos Tabernáculos (no hebraico: sucote). Durante 7 dias muitos judeus constroem dentro das suas casas ou nos terraços uma espécie de cabana sob a qual pernoitam e se alimentam, em memória do tempo que o povo de Israel passou no deserto, habitando em tendas durante 40 anos  - Levítico 23.42 - 43. São dias de lembrança e de gratidão ao Senhor pela Sua protecção e provisão durante queles dias. Nos tempos bíblicos, todos os judeus subiam a Jerusalém para celebrar esta grande festa, repleta de alegria e de comida - Levítico 23.40. Como bom judeu cumpridor da Lei e das tradições bíblicas, o Messias Jesus também subia regularmente à Cidade santa para celebrar esta e outras festas do calendário judaico: a Páscoa e o Pentecoste. 

Uma das tradições desta semana é permanecer o mais tempo possível dentro da tenda (ou cabana). Os judeus trazem diante do Senhor um molho com ramos de palmeiras, murtas e salgueiros, e ainda citrinos semelhantes ao limão (lulav). Este fruto da família dos citrinos (limão) tem de ser perfeita, sem manchas nem rachaduras. 


JESUS NASCEU DURANTE A FESTA DOS TABERNÁCULOS?

Muitos estudiosos calculam que o Messias Jesus terá nascido em carne da virgem Maria durante esta festa, uma vez que o texto de João 1.14 refere que "Ele Se fez carne e tabernaculizou entre nós." A palavra hebraica usada no texto é a mesma referida para "habitação", ou seja: Deus fez-Se carne e habitou (fez o Seu tabernáculo) entre nós. Muitos crêm também que será durante este período também que Ele Se manifestará na Sua segunda vinda. Visto que todos os eventos relativos ao programa da redenção divina através do Filho de Deus, Jesus, o Messias de Israel, se realizaram exactamente durante a celebração das festas do Senhor - ou seja: no calendário do Senhor - não tenho qualquer dificuldade em aceitar essa pressuposição, uma vez que "tudo Deus faz perfeito no Seu tempo."

JESUS MANIFESTA-SE NA FESTA DOS TABERNÁCULOS

O 7º dia da celebração do Sucote é o maior de todos, e é conhecido como "Hoshana Raba" (Grande Salvação). Era nesse dia, nos dias do Templo, que uma impressionante cerimónia de libação com água tinha lugar. Numa espécie de acto profético de intercessão, os sacerdotes tiravam água do tanque de Siloé, derramando-a depois cuidadosamente, ao mesmo tempo que oravam para que Deus trouxesse chuva durante o próximo ano agrícola, dessa forma abençoando o povo e a Terra de Israel. Ora foi exactamente nesse "último dia, o grande dia da festa", que o Messias Jesus Se manifesta mais uma vez ao Seu povo, oferecendo-Se como a verdadeira água viva que dessedenta a sede espiritual: "Jesus pôs-Se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a Mim, e beba. Quem crê em Mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre." - João 7.37-38. O verso seguinte esclarece que Jesus estava a referir-Se ao Espírito Santo "que haviam de receber os que n'Ele cressem."

UM SINAL DO REINO MILENAR DE CRISTO

A Festa dos Tabernáculos aponta também para o futuro Reino Milenar do Messias Jesus, quando ocorrerá o ajuntamento final do Seu povo na Terra de Israel durante o governo de Cristo em Jerusalém - Isaías 27.12-13; Jeremias 23.7-8. Segundo as Escrituras, e nessa altura que as nações virão perante o Senhor durante a Festa dos Tabernáculos para adorá-l'O em Jerusalém - Zacarias 14.16.

Este será então um tempo do maior ajuntamento de sempre do povo de Deus ligado à vinda do Senhor, que habitará então no meio do Seu povo numa glória indescritível e eterna!

Shalom, Israel!

sexta-feira, setembro 17, 2021

EUA QUEREM FOMENTAR MAIS ACORDOS ENTRE PAÍSES ÁRABES E ISRAEL

Num encontro virtual realizado hoje com vários líderes árabes para assinalar o 1º aniversário da assinatura dos "Acordos de Abraão", na Casa Branca, em Washington, o secretário de estado da actual administração norte-americana Antony Blinken prometeu esforçar-se para encorajar mais países árabes a normalizarem as suas relações com Israel.

Este evento reuniu virtualmente Blinken com os seus pares de Israel, Emirados Árabes Unidos, Barhein e Marrocos, e foi a maior continuidade desta presente administração Biden aos "Acordos de Abraão" encetados pelo ex-presidente Donald Trump e que constituíram o maior sucesso da sua administração.

Nesta reunião de hoje, Blinken aplaudiu os benefícios diplomáticos e económicos dos acordos, afirmando: "Esta administração continuará a construir sobre os esforços bem sucedidos da última administração de forma a permitir que a normalização avance."

O secretário norte-americano afirmou que a sua administração irá aprofundar as relações com os países árabes já "amigos" de Israel, bem como com o Sudão, que também estabeleceu relações com Israel no ano passado, prometendo também fortalecer a relação entre Israel e os seus vizinhos Egipto e Jordânia. Para além desses países, Blinken disse que Washington irá encorajar mais países a seguirem esses exemplos: "Queremos alargar o círculo da diplomacia de paz."

Yair Lapid, ministro israelita para as Relações Exteriores, confirmou por seu lado as afirmações de Blinken, concordando com as mesmas: "Este clube dos Acordos de Abraão está também aberto a novos membros." Lapid anunciou ainda a sua intenção de visitar o Barhein no fim deste mês, naquela que será a primeira visita oficial de um líder israelita àquele país do Golfo Pérsico.

Shalom, Israel!

quinta-feira, setembro 16, 2021

ABORTADA TENTATIVA DE "ATAQUE ISLÂMICO" A SINAGOGA ALEMÃ

A polícia alemã conseguiu abortar uma tentativa de ataque a uma sinagoga em Haguen, Alemanha, previsto para este dia em que os judeus celebram o Yom Kippur. 

Um rapaz sírio de 16 anos e outros 3 indivíduos foram ontem detidos em ligação a um planeado ataque à sinagoga de Hague. Este incidente trouxe à memória o ataque ocorrido há exactamente 2 anos contra outra sinagoga alemã na cidade de Halle, em que um atirador neo-nazi tentou invadir o edifício durante a celebração do Yom Kippur. A polícia isolou o recinto e a cerimónia do Yom Kippur foi cancelada. Segundo Herbert Reul, ministro do Interior para o governo estadual do Reno Norte - Westphalia, as autoridades tinham recebido "informações muito sérias e concretas" de que haveria um ataque à sinagoga durante o Yom Kippur. A informação apontava para "uma situação de ameaça de motivação islâmica", incluindo a provável hora e o nome do suspeito da tentativa. Segundo as autoridades, foi evitado "um ataque com motivação islâmica." As autoridades procuram agora quais serão as redes por detrás desta tentativa. 

A revista "Der Spiegel" reportou, ainda que não identificando as fontes, que a informação veio da parte de um serviço de informações estrangeiro. Segundo as mesmas, o adolescente disse a alguém numa conversa de chat na internet que estava a planear um ataque com explosivos a uma sinagoga, tendo esta pista levado os investigadores a procurar o jovem que vive com o seu pai na cidade de Hagen. 

A ministra da Justiça da Alemanha condenou duramente a tentativa de ataque à sinagoga: "É intolerável que os judeus sejam novamente expostos a uma ameaça tão horrível, não podendo celebrar o início do seu feriado mais solene, o Yom Kippur."

Os crimes antissemitas têm vindo a aumentar na Alemanha nestes últimos anos, com um total de 2.032 ofensas registadas em 2019, um acréscimo de 13 por cento em relação ao ano anterior.

Shalom, Israel!


quarta-feira, setembro 15, 2021

O SIGNIFICADO PROFÉTICO DO YOM KIPPUR (DIA DA EXPIAÇÃO)

Inicia-se esta noite o dia mais solene do calendário bíblico judaico: o Yom Kippur, o Dia da Expiação. Em obediência ao mandamento inserido no Livro do Levítico (16), os judeus de todo o mundo reúnem-se nas sinagogas tentando aproximar-se de Deus através de palavras e acções de arrependimento e reflexão. Este dia é tão importante, que é denominado como "Sábado dos Sábados."

A celebração deste dia é acompanhada de jejuns, orações e acertos de relacionamentos através do pedido de perdão às pessoas ofendidas durante o ano anterior. Até mesmo os judeus seculares celebram este dia, jejuando e não trabalhando, ao contrário das outras festas bíblicas. O jejum tem a duração de 25 horas, uma vez que se teme que se erre no cálculo das 24 horas, pelo que se estende mais uma hora para que nenhum erro possa acontecer, tal é a seriedade com que os judeus encaram este dia. 

O Yom Kippur é o culminar de um período de 10 dias de arrependimento iniciados na festa do Ano Novo (Rosh Hashanah), considerado o dia do julgamento. Durante estes dez dias os judeus vão acertando os seus relacionamentos, pedindo perdão uns ao outros pelos pecados e ofensas cometidas. A expressão que é usada refere-se ao desejo de que o nome da pessoa não seja riscado do Livro da Vida. Segundo a tradição religiosa, durante esses dez dias o Eterno Deus vai examinando a conduta de cada um, pesando as boas e as más acções numa balança, daí o pedido de perdão a Deus feito neste dia, pedindo que Ele não risque o nome da pessoa do Livro da Vida. 

NOS DIAS DA ANTIGA ALIANÇA

Nos tempo da Antiga Aliança, o Sumo Sacerdote de Israel entrava no Santo dos Santos neste dia específico para oferecer incenso e o sangue do sacrifício no propiciatório, para que o povo de Israel pudesse receber o perdão dos seus pecados. Este era o único dia do ano em que o Sumo Sacerdote o podia fazer. Uma vez que o Templo não existe mais, a oferta purificadora referida em Levítico 16 não pode mais ser efectuada. 


NOS DIAS DA NOVA ALIANÇA

Ao contrário deste procedimento, os crentes em Yeshua - Jesus - podem apresentar-se confiadamente diante de Deus, certos de que o Seu sacrifício expiatório nos purificou de todos os pecados. Diferentemente de todos os outros sacerdotes, o nosso Sumo Sacerdote Jesus, não necessita de oferecer sacrifícios diários, primeiro pelos seus próprios pecados, e depois pelos pecados do povo. Jesus sacrificou-Se pelos nossos pecados uma só vez, e de uma vez por todas - Hebreus 9.14.

SIGNIFICADO PROFÉTICO

Este dia tão importante no calendário bíblico das Festas do Senhor aponta profeticamente para o arrependimento colectivo futuro de Israel quando do retorno do seu Messias. Se a Festa das Trombetas (Dia do Ano Novo) anuncia o retorno do Messias Jesus para resgatar os Seus deste mundo, e o Seu juízo sobre toda a humanidade rebelde, este Dia da Expiação representa o Dia glorioso em que Ele estará no Monte das Oliveiras, de onde descerá para salvar o Seu povo atribulado em Jerusalém e levá-lo ao arrependimento. Encontramos referências a esse arrependimento colectivo no Livro do profeta Zacarias 12.9 e 10, 13.1 e ainda na Epístola de Paulo aos Romanos 11.25-27. Naquele Dia, os habitantes de Jerusalém olharão para Aquele a Quem rejeitaram, e reconhecerão as marcas do amor nas Suas mãos. Depois que o Messias Se identifica como sendo Jesus de Nazaré, haverá uma convulsão nacional, um choro compulsivo e arrependimento conducente à conversão. Israel reconhecerá em Jesus o "Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo", o Único capaz de fazer a reconciliação com o Pai. Jesus será visto como o "bode expiatório", inocente, que levou sobre Si todos os nossos pecados, tendo que morrer por causa dessa maldição que foi transferida para Ele. E tal como o "bode emissário" levava simbolicamente os pecados do povo de Israel para o deserto, para longe da vista de Deus neste mesmo Dia da Expiação, assim o sacrifício expiatório de Jesus, o Cordeiro de Deus, conseguiu de uma vez por todas afastar para sempre os nossos pecados da vista do Senhor - Salmo 103.12.

"Quando estiveres em angústia, e todas estas coisas te alcançarem, então nos últimos dias voltarás para o Senhor teu Deus, e ouvirás a Sua voz; porquanto o Senhor teu Deus é Deus misericordioso, e não te desamparará, nem te destruirá, nem Se esquecerá do pacto que jurou a teus pais" - Livro do Deuteronómio 4.30-31.

Assim, este Dia da Expiação não só nos recorda com imensa gratidão a grande e eterna Obra realizada há 2 mil anos em Jerusalém pelo Cordeiro de Deus, como nos aponta para o futuro dia em que Ele Se revelará aos Seus irmãos - tal como José no Egipto - perdoando-lhes os pecados e abençoando-os com a salvação e o descanso eterno.

Shalom, Israel!