terça-feira, junho 18, 2024

ISRAEL JÁ DESMANTELOU METADE DAS FORÇAS DO HAMAS EM RAFAH, COM CERCA DE 550 TERRORISTAS ABATIDOS


As IDF informaram que já desmantelaram cerca de metade da força de combate do Hamas em Rafah, tendo sido liquidados 550 terroristas do Hamas.

A 162ª divisão das IDF tem estado a combater em Rafah há mais 40 dias, tendo primeiramente tomado o controle dos arredores da parte leste da cidade e ainda a travessia que ligava ao Egipto. Numa segunda fase da operação, cerca de uma semana e meia depois do início, a divisão capturou o bairro Brasil. A terceira fase das operações levou a que as IDF assumissem o controle total da fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egipto, conhecida como "corredor Filadélfia", investindo as suas forças na região de Tel Sultan, no noroeste da cidade. 

Durante a operação em Rafah as IDF já liquidaram pelo menos 550 terroristas palestinianos, sendo estes aqueles que se conseguiram identificar após os combates. Muitos mais operacionais terroristas foram abatidos nos ataques a edifícios e túneis. Para além disso, um número indeterminado de terroristas fugiu de Rafah à medida que as IDF iniciavam ali as suas operações militares. 

Dos 4 batalhões da brigada do Hamas em Rafah, dois deles consideram-se praticamente quase totalmente desmantelados, ao mesmo tempo que as capacidades dos outros dois estão já degradadas em função das operações das IDF. 


Ao longo do corredor Filadélfia as IDF informou ter encontrado centenas de rockets, incluindo algumas dezenas de projécteis de longa distância destinados a atingir a parte central de Israel. Para além disso, na região fronteiriça foram encontradas mais de 200 entradas de túneis que levavam a muitas rotas subterrâneas. 

As IDF informaram ter encontrado pelo menos 25 longos túneis que chegavam à fronteira do Egipto, alguns dos quais entrariam provavelmente dentro do Sinai e que têm sido utilizados pelo Hamas para contrabandear armas. Os militares estão a investigar estes túneis com maior precisão. 


Para além do corredor Filadélfia, as IDF informaram que já estabeleceram o "completo controle operacional" do bairro Brasil e outros arredores de Rafah, perto dos acampamentos de Shaboura e Yabna. Esta última localização é considerada como fortaleza do Hamas, e o exército informou ter liquidado dezenas de terroristas dentro dos túneis. 

A 162ª divisão perdeu até agora 22 soldados durante os combates em Rafah, oito dos quais na explosão de um veículo no Sábado passado. Em Tel Sultan, soldados da 401ª brigada armada liquidou vários terroristas em combates corpo a corpo. Segundo as IDF, nessa mesma área foi destruído um depósito de armas a partir do qual tinha sido disparado um míssil anti tanque. 

Residentes em Rafah testemunharam que as forças de Israel estavam a avançar mais profundamente nas áreas centrais e ocidentais de Rafah sob intenso fogo terrestre e aéreo. Grupos armados liderados pelo Hamas estavam a combater em proximidade dentro de Shaboura. Forças das IDF continuam entretanto a operar no corredor Netzarim, no centro do enclave. Vários operacionais foram abatidos e edifícios usados pelos terroristas demolidos. 

Segundo Mahmud Basal, porta voz da agência de defesa civil do território administrado pelo Hamas, para além dos ataques mortíferos na cidade de Gaza durante a noite, "as outras áreas da Faixa de Gaza estão relativamente calmas."


Israel informou ontem que as Nações Unidas ainda estão por "aproveitar a vantagem total" desta nova rota destinada a facilitar o fluir da ajuda para a Faixa de Gaza após os militares terem anunciado no passado Domingo uma "pausa táctica" nos combates diurnos ao longo das estradas através das quais podem passar os bens essenciais. 

As autoridades israelitas têm continuamente alertado que a falta de ajuda que deveria chegar às populações desesperadas de Gaza deve-se ao falhanço da ONU em distribuir suprimentos no território afectado pela guerra. A ONU, por seu lado, alega que Israel está a forçar desnecessários procedimentos de inspecção nas travessias, e que o conflito em Gaza, para além da violência e da pilhagem de camiões. tem impedido os seus esforços de distribuição. Cerca de 1.000 camiões carregados de ajuda humanitária continuam parados já do lado de Gaza à espera de distribuição. 

Shalom, Israel!

sábado, junho 15, 2024

EXPLOSÃO EM RAFAH MATA 8 MILITARES ISRAELITAS

Este foi o pior incidente mortal com soldados israelitas desde Janeiro. Os soldados israelitas morreram todos dentro de um veículo de engenharia de combate israelita, denominado "Namer."

Os militares israelitas avançavam no seu veículo dentro de uma coluna militar por volta das 5 desta manhã após uma ofensiva nocturna contra o Hamas nas áreas do nordeste de Rafah, mais especificamente no bairro de Tel Sultan, uma operação militar na qual cerca de 50 terroristas foram abatidos .

A coluna militar dirigia-se a edifícios capturados pelo exército, com a intenção de deixar os militares descansar após uma intensa noite de operações. O veículo envolvido era o 5º ou o 6º da coluna militar, e, a certa altura, foi envolvido por uma enorme explosão. Não se tornou imediatamente claro se se tratou de uma bomba plantada antecipadamente, ou se foram operacionais do Hamas que se aproximaram do veículo e o fizeram explodir. Sabe-se que não houve tiroteios na altura da explosão e que o veículo atingido não se encontrava parado. 

Este infeliz incidente aumenta o número total de soldados israelitas mortos desde a intervenção em Gaza para 307.

Shalom, Israel!

sexta-feira, junho 14, 2024

PARA MUITOS PALESTINIANOS, OS "HERÓIS" SÃO OS ASSASSINOS, OS ESTUPRADORES E OS SEQUESTRADORES DE BÉBÉS


O apoio de muitos países ao Hamas traduz-se na imposição a Israel de uma "solução 2 estados". Sim, é isso mesmo. Tanto os EUA, como a Europa, já para não falar dos BRICs e das nações islâmicas alegam que a paz só será possível com a criação de um estado palestiniano no território de Israel como Jerusalém Oriental como capital...

Qualquer pessoa conhecedora da realidade no terreno e com um mínimo de senso comum perceberá que tal medida só acabaria por abrir as portas a mais atrocidades contra os judeus israelitas, colocando o próprio estado de Israel em risco, uma vez que tal "estado palestiniano" seria essencialmente governado pelos mesmos assassinos que perpetraram o massacre do 7 de Outubro. É isso que o mundo não entende. Ou prefere não entender...

Os vários países europeus - a Noruega, a Espanha, a Irlanda e a Eslováquia - que já reconheceram um estado-pirata palestiniano estão na realidade a expressar uma mensagem ao Hamas de que o terrorismo compensa e é a melhor via para conseguirem os seus maléficos intentos: extirpar a presença dos judeus da Terra Prometida, "from the river to the sea Palestine will be free." Mas isso eles não entendem. Ou fingem não entender...

Segundo as últimas sondagens, 54% dos palestinianos apoiam uma "luta armada" contra Israel, um aumento de 8 pontos em relação à pesquisa anterior realizada há 3 meses...Mas a sondagem revela também que tipo de estado é que eles querem: um estado terrorista armado e financiado pelo Catar e pelo Irão...

De acordo com Hamad Ghazi, um oficial do Hamas, nem o Egipto nem o Catar terão exercido qualquer pressão sobre o Hamas para aceitar o cessar fogo proposto pelo presidente Biden e aprovado pelo Conselho de Segurança da ONU. Mas o mundo não vê isso, ou prefere não ver...

Mais de oito meses depois do ataque do Hamas a Israel, a maioria dos palestinianos continua a manifestar o seu apoio às atrocidades cometidas pelo grupo terrorista com o apoio do Irão, e que incluíram o assassinato, a violação, a decapitação e a incineração de centenas de israelitas. Mas parece que o mundo já esqueceu esta barbárie, ou finge ignorar...

Toda a pressão norte-americana e não só para que Israel cesse os combates visa permitir que o Hamas sobreviva ao ameaçado desmantelamento e prossiga com os seus planos de destruir Israel, repetindo o 7 de Outubro as vezes que forem necessárias para tal consumação. Tal como ambicionava Hitler com a famigerada "solução final"... Mas o mundo faz de conta que isso só existe na mente dos israelitas...

Acreditar nos terroristas é dar um passo para o abismo. Israel não pode ceder às chantagens norte-americanas e europeias, pois o que está em causa é pura e simplesmente a sobrevivência do estado judaico...

Shalom, Israel!

quarta-feira, junho 12, 2024

O HAMAS NÃO QUER A PAZ. PREFERE VER O SEU PRÓPRIO POVO A SOFRER...E A MORRER!


Esperava-se uma resposta positiva do grupo terrorista à proposta norte-americana para um cessar fogo, aceite por Israel e votada a favor pelo Conselho de Segurança da ONU, com 14 votos a favor e apenas uma abstenção, a da Rússia. Mas o Hamas prefere a guerra, não se importando nada com o sofrimento do povo que diz querer defender e proteger. São verdadeiros criminosos e genocidas, ainda que para a opinião pública mundial Israel seja o verdadeiro genocida...

No final do seu 8º périplo pelo Médio Oriente desde o início do conflito em Gaza, o secretário de estado norte-americano Antony Blinken criticou a resposta do Hamas à proposta da troca de reféns israelitas por prisioneiros palestinianos, alegando que a mesma inclui condições que não são "trabalháveis".

"O Hamas propôs numerosas alterações à proposta que estava em cima da mesa...Algumas das mudanças podem ser trabalhadas, outras não" - afirmou Blinken durante a conferência de imprensa com o primeiro-ministro do Catar Mohammed bin Abdulrahman Al Thani, em Doha. 

"Estava em cima da mesa um acordo que era virtualmente idêntico à proposta feita pelo Hamas no dia 6 de Maio - um acordo que tinha o respaldo do mundo inteiro e que Israel tinha aceite."

"O Hamas podia ter respondido com uma simples palavra: 'sim'. Em vez disso, o Hamas esperou quase duas semanas e então veio propor mais mudanças num número que vai para além das posições que tinha previamente aceite" - afirmou Blinken.

"Como resultado disso, a guerra - que o Hamas iniciou em 7 de Outubro com o ataque bárbaro contra Israel e os cidadãos israelitas - irá continuar. Mais pessoas irão sofrer, mais palestinianos irão sofrer, mais israelitas irão sofrer."

"Mas nos próximos dias tentaremos avançar com os nossos parceiros a passos urgentes, com o Catar e com o Egipto, tentar fechar esse acordo. Porque sabemos que é do interesse dos israelitas, dos palestinianos, da região, na verdade, do mundo inteiro."

"Em alguma altura numa negociação - e isto anda para trás e para a frente desde há muito tempo - chegamos a um ponto em que se uma das partes continuar a alterar as suas exigências, incluindo fazer exigências e insistir em mudanças em coisas que já tinham antes aprovado, temos de questionar se eles estão ou não a proceder em boa fé."

"Estamos determinados em tentar tapar os buracos, e acredito que tal será possível. Mas isso não garante que vá acontecer."

"É tempo de parar de pechinchar e de dar início a um cessar fogo" - insistiu Blinken, acrescentando: "Pode ser que o Hamas continue a dizer 'não'. Ficará então claro para toda a gente no mundo inteiro que é culpa deles e que terão decidido continuar a guerra que eles próprios iniciaram."

É importante que as pessoas de bem entendam onde está o problema e a culpa de toda esta situação. A crueldade destes terroristas palestinianos é tão grande, que para eles de facto a perda de vidas inocentes é até um valor acrescentado, uma vez que estão apercebidos da forma em como as imagens de sofrimento transmitidas pelos media causa um impacto negativo contra Israel, pelo que é uma arma ignóbil e condenável que serve perfeitamente os interesses daqueles para quem a vida nada vale...

Shalom, Israel!

terça-feira, junho 11, 2024

A 98ª DIVISÃO DAS IDF DEIXA GAZA APÓS OPERAÇÕES BEM SUCEDIDAS E RESGATE DE REFÉNS


Após ter participado na memorável operação de resgate no passado Sábado que levou à libertação de 4 reféns das mãos dos assassinos do Hamas, a 98ª divisão das IDF retirou de Gaza.

Nos dias que antecederam o resgate dos reféns israelitas a divisão tinha iniciado uma ofensiva militar em Bureij e em Deir al-Balah, localizadas a leste e a sudeste de Nuseirat, de onde os reféns foram extraídos. 

No decorrer desta ofensiva, os militares informaram ter abatido cerca de 100 terroristas palestinianos e atacado mais de 100 alvos, incluindo túneis e lançadores de rockets, bem como a localização de armamento. 

Dois túneis de ataque usados pelo Hamas, cada um com cerca de um quilómetro de extensão, foram demolidos por engenheiros de combate a meio da operação militar. Durante a operação de resgate, tropas da divisão apoiaram na extracção de forças especiais, para além dos próprios reféns resgatados de Nuseirat.

Após a retirada desta divisão de Gaza esta manhã, o comandante da 98ª divisão alertou para a existência de 120 reféns ainda em Gaza, afirmando que "não iremos parar até os conseguirmos trazer de volta a casa."

"Estamos também obrigados a destruir o inimigo à superfície e debaixo de terra. É isso que temos feito ao longo destes 8 meses, e é assim que iremos continuar."

Shalom, Israel!

segunda-feira, junho 10, 2024

TERRORISTAS DO HAMAS TÊM ORDENS PARA ASSASSINAR REFÉNS CASO AS IDF SE APROXIMEM


A liderança do grupo terrorista palestiniano Hamas deu ordens aos seus operacionais que vigiam os reféns detidos em seu poder para que caso as forças especiais de Israel se aproximem para tentar resgatar reféns pura e simplesmente executem de imediato os reféns. Segundo essas ordens, a primeira coisa a fazer num caso desses é logo disparar contra os reféns. 

Os reféns estão a ser regularmente transferidos de casa em casa ou mantidos nos túneis subterrâneos do Hamas, de forma a dificultar as procuras pelas forças israelitas.

Segundo informações obtidas do "New York Times" os EUA têm estado a usar drones sobre a Faixa de Gaza visando ajudar Israel na busca dos reféns. Esses drones são capazes de detectar registos de calor dos combatentes ou de outras pessoas que saem ou entram nos túneis. 

Pensa-se que um pequeno grupo de reféns esteja detido junto ao sanguinário líder do Hamas, Yahya Sinwar com o propósito de servirem como escudos humanos de forma a dificultar um ataque israelita contra o líder do Hamas. 

Shalom, Israel!

sábado, junho 08, 2024

NUMA PLANEADA OPERAÇÃO DE ELEVADO RISCO, FORÇAS ESPECIAIS ISRAELITAS CONSEGUIRAM RESGATAR 4 REFÉNS


Forças especiais de Israel resgataram esta manhã 4 jovens reféns do Hamas, após uma delicada e extremamente arriscada operação que custou a vida a um dos operacionais israelitas.


Ao fim de 8 dolorosos meses de cativeiro às mãos dos terroristas palestinianos do Hamas, Noa Argamani, Almog Meir Jan, Andrey Kozlov e Shlomi Ziv foram restituídos às respectivas famílias a meio de grandes manifestações de júbilo por todo o Israel. Os quatro jovens tinham sido sequestrados durante o festival musical Supernova, no Sul de Israel. 


As corajosas forças especiais de Israel fizeram raides simultâneos a dois sítios do Hamas em Nuseirat, na parte central da Faixa de Gaza. Num dos locais procederam ao resgate de Argamani, enquanto Jan, Kozlov e Ziv foram salvos em outro local próximo. 


Os reféns revelaram boas condições físicas, tendo sido conduzidos de helicóptero ao hospital Tel Hashomer para exames médicos, tendo entretanto sido conduzidos às respectivas famílias. 


Os quatro reféns viveram estes 4 meses em casas de famílias de residentes em Gaza, em 2 prédios controlados pelo Hamas.

No decorrer desta operação foram realizados fortes bombardeamentos na zona contra posições do Hamas e em apoio às operações terrestres. Segundo o Hamas, houve um grande número de baixas. 

SOB FOGO INTENSO

Esta operação foi realizada sob fogo intenso dos terroristas, tendo as IDF respondido com disparos aéreos e terrestres. As informações da parte de Israel é que houve perto de 100 mortes, não se sabendo ao certo quantos destes seriam terroristas do Hamas. Nas suas habituais mentiras, o Hamas alega que houve "210 mártires" e mais de 400 feridos, acusando Israel de ter cometido "um massacre."

AMEAÇAS AOS RESTANTES REFÉNS

O porta-voz do Hamas Abu Obeida já veio entretanto ameaçar a condição dos restantes reféns: "A operação colocará um grande perigo aos prisioneiros inimigos e terá um impacto negativo nas suas condições e vidas."


"OPERAÇÃO ARNON"

Em honra a Arnon Zamora, o militar israelita morto esta manhã durante a operação de resgate, as IDF decidiram identificar esta operação histórica como "Operação Arnon." Zamora foi um dos que entrou num dos edifícios para resgatar 3 dos reféns, tendo fatalmente ferido na intervenção. Este herói de 36 anos deixa viúva e dois filhos. No dia do massacre - 7 de Outubro - Zamora liderou uma batalha contra o Hamas perto da comunidade fronteiriça de Yad Mordechai, liquidando dezenas de terroristas e impedindo que entrassem no kibbutz. 

Shalom, Israel!