sexta-feira, julho 19, 2024

"O POVO JUDEU NÃO PODE SER O OCUPANTE DA SUA PRÓPRIA TERRA!" - AFIRMOU NETANYAHU EM RESPOSTA À PROVOCAÇÃO DO TIJ


O Tribunal Internacional de Justiça, claramente manipulado pelo antissemitismo, decidiu agora considerar "ilegal" a "ocupação das terras na "Palestina", especificamente na Margem Ocidental (Judeia e Samaria) e em Jerusalém Oriental. 

O tribunal de Haia, que deveria ter mais com que se ocupar, decidiu que Israel tem de parar imediatamente com as novas construções na chamada "Cisjordânia", na parte leste de Jerusalém, e em Gaza. Como se Israel quisesse alguma vez voltar a ocupar Gaza...

As decisões deste tribunal não são vinculativas, constituindo no entanto um marco histórico de condenação a Israel pela ocupação do seu próprio território...Para os 15 juízes que deliberaram esta ridícula acusação, Israel está a fazer uma "ocupação permanente" e uma "anexação ilegal", incluindo a "deslocação dos habitantes, exploração e políticas de colonização que violam as leis de Genebra."

O desacreditado e hipócrita tribunal comprovadamente ao serviço dos grupos antissemitas apelou também à comunidade internacional para que reconheça esta "ocupação" como ilegal, parando também qualquer apoio a Israel para a manutenção da mesma. 

REACÇÃO DE ISRAEL

O primeiro-ministro de Israel já reagiu a esta perfídia, afirmando que "o povo judeu não pode ser um ocupante da sua própria terra - não na sua capital eterna Jerusalém, não na terra dos nossos antepassados da Judeia e Samaria. Nenhuma falsa decisão de Haia vai distorcer a verdade histórica, tal como a legalidade dos colonatos israelitas em todos os territórios da nossa pátria não podem ser contestados."

Entretanto, a reacção dos líderes de direita não se fez esperar, tendo já apelado a Netanyahu para que decida a "anexação total dos territórios da Palestina."

Shalom, Israel!

quinta-feira, julho 18, 2024

PARLAMENTO ISRAELITA (KNESSET) CHUMBA POR ESMAGADORA MAIORIA A EXISTÊNCIA DE UM ESTADO PALESTINIANO


A poucos dias da visita do primeiro-ministro Netanyahu a Washington, onde deverá discursar no congresso e encontrar-se com o presidente Biden - ainda que não se confirme ainda este encontro devido a Biden ter sido detectado com a covid - o parlamento de Israel, reunido ontem à noite na capital Jerusalém votou por esmagadora maioria uma moção de rejeição a um estado palestiniano em terras de Israel.

A resolução foi proposta pelos partidos que apoiam o actual governo de direita, juntamente com partidos de extrema direita da actual oposição, e ainda do próprio partido centrista da oposição liderado por Benny Gantz. O partido do centro esquerda Yesh Atid abandonou o hemiciclo durante a realização da votação, uma vez que o seu líder Yair Lapid apoia a ideia de 2 estados. 

Esta iniciativa passou apenas dias antes da visita do primeiro-ministro aos EUA para se dirigir ao congresso norte-americano numa sessão conjunta, e reunir-se com o presidente Biden na Casa Branca. Esta medida tomada soberanamente pelo parlamento israelita irá certamente provocar um mal estar entre o partido democrata norte-americano pelo seu apoio a um governo israelita que cada vez mais rejeita a ideia de 2 estados. 

Já em Fevereiro passado o Knesset tinha passado uma resolução proposta por Netanyahu rejeitando o estabelecimento de um estado palestiniano, embora essa moção apontava especificamente para o estabelecimento unilateral desse hipotético "estado" a meio de relatos de que vários países estavam a considerar o reconhecimento de um estado palestiniano mesmo sem haver um processo de paz com Israel. 

A resolução passou com 68 votos a favor da rejeição de um estado palestiniano e 9 contra. Esta rejeição inclui mesmo a possibilidade de se reconhecer um estado palestiniano como parte de negociações.

"O Knesset (parlamento) de Israel opõe-se firmemente ao estabelecimento de um estado palestiniano a ocidente da Jordânia. O estabelecimento de um estado palestiniano no coração da Terra de Israel representará um perigo existencial ao Estado de Israel e seus cidadãos, perpetuará o conflito israelo-palestiniano e desestabilizará a região" - declara a resolução. 

"Será apenas uma questão de pouco tempo até que o Hamas tome o controle do estado palestiniano, transformando-o numa base para o terrorismo radical islâmico, trabalhando em cooperação com o eixo liderado pelo Irão visando a eliminação do estado de Israel" - prossegue o documento, acrescentando: "Promover nesta altura a ideia de um estado palestiniano será uma recompensa para o terrorismo e irá simplesmente encorajar o Hamas e seus apoiantes a verem isso como uma vitória, graças ao massacre do 7 de Outubro de 2023 e um prelúdio para o triunfo do jihadismo islâmico no Médio Oriente."


PROSSEGUEM OS ATAQUES CONTRA OS TERRORISTAS EM GAZA E NO LÍBANO

Israel prossegue a sua "limpeza" da liderança terrorista do Hamas e dos outros grupos terroristas palestinianos, cabendo desta vez "a sorte" ao comandante das forças navais da Jihad Islâmica Palestiniana, Anas Murad. 


Entretanto, esta manhã Israel liquidou mais um alto responsável do Hamas no Líbano. Muhammed Jabra era um comandante militar do Hamas que esta manhã foi abatido com um ataque aéreo israelita na parte oriental do Líbano quando conduzia o seu carro, a cerca de 40 quilómetros da fronteira com Israel. Este criminoso agora abatido foi o responsável por vários ataques contra Israel. 

A imprensa do Líbano já veio entretanto confirmar um novo ataque israelita a cerca de 25 quilómetros da fronteira. 

Shalom, Israel!

quarta-feira, julho 17, 2024

DELEGAÇÃO ISRAELITA JÁ CHEGOU AO CAIRO PARA MAIS UMA RONDA DE CONVERSAÇÕES


Já é considerada a derradeira proposta de acordo de cessar fogo entre Israel e o Hamas, uma vez que o tempo urge, a vida dos reféns está em risco, há suspeitas de que algumas das mulheres cativas possam ter engravidado dos terroristas que as têm violado. Israel está em posição de força, tendo já desbarato uma grande parte das forças do Hamas - que só negoceia sob pressão - mas a teimosia de Netanyahu parece continuar, supõe-se que com novas exigências, revelando um desejo pessoal de ir arrastando a guerra para benefício próprio, o que é condenável, uma vez que as vidas dos reféns estão em risco. Mais de 70% da população israelita tem-se manifestado até violentamente para que este governo saia e dê lugar a novas eleições sem a presença de Netanyahu, considerado um dos principais responsáveis pelo massacre do 7 de Outubro. 

Agora no Cairo, e mais uma vez, os mediadores internacionais pressionam Israel e o Hamas para um acordo faseado que poria uma pausa aos combates e permitiria a libertação dos cerca de 120 reféns. 

A delegação israelita é composta por 6 representantes. As conversações ficaram paradas durante o passado fim de semana como consequência do forte ataque israelita em Gaza que visava liquidar o comandante militar do Hamas, Muhammad Deif, cujo destino continua um mistério. O Hamas afiançou a continuação das conversações. 

O ministro israelita da Defesa, Yoav Gallant afirmou ao seu par norte-americano Lloyd Austin que essa forte pressão sobre o Hamas "levou às condições necessárias para se alcançar um acordo para o retorno dos reféns."

David Barnea, chefe da Mossad, teria dito ontem durante o encontro no gabinete que as mulheres reféns não têm mais tempo para esperar por um novo acordo, para além deste que agora está a ser discutido. 

"As moças em cativeiro não têm tempo para esperar por alterações na proposta em discussão" - terá afirmado Barnea a Netanyahu, que se teme estar a querer introduzir novas alterações na proposta. 

Esperemos e oremos para que desta vez se chegue a um acordo que dê lugar ao fim dos combates, das mortes e permitindo a libertação de todos os reféns.

Shalom, Israel!

terça-feira, julho 16, 2024

ISRAEL PREPARA-SE PARA O FIM DA INTERVENÇÃO EM GAZA. TERRORISTAS QUE AINDA RESTAM ESTÃO EM "MODO DE SOBREVIVÊNCIA"


Segundo as IDF, a guerra em Gaza não vai durar para sempre. Por outro lado, os militares alegam que estão "aproveitando cada minuto" até que seja atingido um potencial acordo para a libertação dos reféns, estando preparados para lidar com as consequências de um cessar fogo com o Hamas, que poderá envolver a obrigação de uma retirada completa das forças militares israelitas de toda a Faixa de Gaza. 

Independentemente de um acordo, prosseguirão por tempo prologado operações de baixa intensidade contra o grupo terrorista, mas já há um final à vista, à medida que os militares estão a observar as dificuldades do Hamas em retaliar. 

Nestes últimos meses as IDF têm estado a ver cada vez mais operacionais e comandantes do Hamas a abandonarem as suas tocas - entenda-se: os túneis onde se esconderam em Gaza - estando a transferir os centros de comando e de organização e até de preparação de armamento dentro de zonas civis. Prova disso é que nestas últimas semanas, mais de 50 ataques aéreos foram efectuados contra posições do Hamas inseridas dentro de escolas, hospitais e outros sítios civis utilizados como abrigos pelas populações civis de Gaza. Segundo as averiguações dos militares, os operacionais do Hamas estão a ter dificuldade em permanecer dentro de túneis por tão longo tempo - nove meses desde o início da guerra - estando por isso a deslocar-se para outros locais à superfície no meio das populações civis palestinianas. 

As IDF também estão a reconhecer que o Hamas está com a moral em baixo, à medida que os combates prosseguem, e milhares têm estado a fugir aos combates, preferindo não lutar. 

Por outro lado, o grupo terrorista está a ficar sem munições. As IDF encontraram recentemente um documento apanhado aos terroristas em que estava alistado o inventário actual do batalhão de Shejaiya, segundo o qual o mesmo já tinha perdido cerca de dois terços dos seus elementos e estava com falta de RPGs, espingardas de assalto e explosivos. 

"EM MODO DE SOBREVIVÊNCIA"

As IDF descreveram o actual estado dos terroristas do Hamas como estando nestes últimos meses em "modo de sobrevivência", nada comparado a como se encontrava no 7 de Outubro. Mesmo assim, as IDF também reconhecem que o Hamas mantém capacidades para atacar tropas em Gaza e lançar rockets contra Israel, incluindo a longas distâncias. 

As IDF também acreditam que o Hamas já não dispõe de grandes capacidades para a produção de rockets, visto que as principais fábricas têm sido destruídas nos ataques. O grupo terrorista pode ainda produzir algum armamento, embora com qualidade muito inferior e reduzida. Os militares israelitas têm estado a acompanhar essas tentativas, tendo já atacado novas plantas de produção de armas. Numa operação recente, comandos israelitas atacaram uma base da UNRWA na cidade de Gaza após indicações recebidas de que o Hamas estava a construir drones explosivos para serem lançados contra os militares. Ainda em instalações da UNRWA, as IDF alegam ter encontrado evidências do recrutamento de novos operacionais pelo Hamas. Os militares acreditam que esses novos recrutas têm muito menos qualidade do que os actuais operacionais. 

Segundo as conclusões das IDF, conquanto o Hamas tenha perdido alguns comandantes durante os combates, ainda se mantêm uma mão cheia deles, incluindo os comandantes das brigadas de Rafah e de Gaza City, para além do cabeça da inteligência do grupo. 

As IDF estão a esforçar-se por liquidar os comandantes do topo da organização terrorista, bem como membros do grupo considerados como "fontes de conhecimento" nos campos da engenharia, química e electrónica, os quais poderiam contribuir para a reconstrução do grupo. 

Nestas duas últimas semanas mais de 1.000 terroristas já foram liquidados em toda a Faixa de Gaza. 

VÁRIOS MESES PARA DESCOBRIR TODOS OS TÚNEIS

As IDF acreditam que serão necessários muitos mais meses até descobrir todos os túneis usados para contrabandear armamento ao longo da fronteira entre o Egipto e o enclave. 25 desses túneis foram até agora localizados, mas há muitos mais por encontrar. 

segunda-feira, julho 15, 2024

PROSSEGUEM AS NEGOCIAÇÕES VISANDO UM ACORDO DE CESSAR FOGO E LIBERTAÇÃO DE REFÉNS


Contrariamente ao que foi propagado logo a seguir à morte de um dos principais líderes militares do Hamas em Khan Younis e de muitos outros terroristas que por ali parasitavam, tanto Israel como o Hamas confirmaram que as conversações vão continuar, devendo o líder da Mossad, David Barnea, partir dentro de dias para o Qatar. 

Um porta-voz do Hamas também confirmou que as conversações irão continuar.

Sabe-se entretanto que os dirigentes do Hamas e da Fatah irão reunir-se em Pequim na próxima semana, onde irão abordar a questão administrativa de Gaza no pós guerra. Os líderes destas duas facções criminosas irão também reunir-se com o ministro chinês para os Negócios Estrangeiros na capital chinesa. 

ATAQUES NO LÍBANO

Caças israelitas bombardearam há pouco dois edifícios no Sul do Líbano onde foram vistos operacionais do Hezbollah. Os alvos foram também atingidos por artilharia israelita de forma a "remover ameaças." 3 rockets tinham sido disparados desde o Líbano para Kiryat Shmona, tendo dois deles caído em zonas descampadas e um anulado pela Cúpula de Ferro israelita. 


Os media do Líbano relataram há minutos o ataque israelita a um automóvel na Síria, próximo da fronteira com o Líbano. Haverá vítimas, mas falta uma confirmação da parte de Israel. Normalmente estes ataques precisos e direccionados a carros ou motos atingem líderes terroristas do Hezbollah ou do Hamas, pelo que acredita-se que terá sido mais uma dessas intervenções "cirúrgicas" israelitas...

Shalom, Israel!

sábado, julho 13, 2024

ISRAEL TERÁ LIQUIDADO O "ARQUITECTO MILITAR" DO 7 DE OUTUBRO E OUTRO COMANDANTE DO HAMAS


O mundo está em verdadeiro sobressalto após o grande ataque desta manhã contra um local onde se encontrava Mohammed Deif, considerado o "arquitecto" do massacre de 7 de Outubro e comandante do braço armado do Hamas, e ainda Rafa'a Salameh, comandante da brigada terrorista em Khan Younis.

As imagens entretanto recolhidas dos satélites revelam que a zona atingida está inserida dentro daquilo a que Israel denominou como zona humanitária e está próxima de tendas para palestinianos desalojados. O sítio do Hamas não se encontra dentro de um acampamento de tendas e está separado por estradas e por uma vedação, encontrando-se à altura cercado por dezenas de operacionais do Hamas. 

Neste momento espera-se ainda a confirmação da morte dos dois terroristas. Pensa-se que Deif estará gravemente ferido. O indivíduo estaria escondido no local, pelo que as forças israelitas tiveram que decidir durante várias horas se esta seria a melhor oportunidade para o liquidar. A operação foi então decidida através de informações precisas da inteligência, tendo sido utilizadas bombas pesadas, incluindo as que perfuram bunkers.


O ataque israelita criou uma enorme cratera. Tanto o Egipto como a Jordânia já condenaram o ataque, acusando Israel de estar a "alvejar tendas de pessoas deslocadas", mas, por outro lado, as IDF alegam que o local atacado se encontrava fora das vedações, e era uma base do Hamas no meio de um ambiente civil. Segundo as autoridades militares israelitas, a área atingida "é uma área aberta e florestal com vários edifícios e armazéns."

As autoridades militares israelitas já tinham previamente decidido que "não se podia perder" esta chance de assassinar Deif, ainda que tal viesse a prejudicar as negociações em curso para um acordo de cessar fogo. A decisão foi discutida horas antes do ataque, tendo-se chegado à conclusão que o ataque e provável morte do chefe militar do Hamas seria estrategicamente benéfica, uma vez que mostra ao líder supremo Yahya Sinwar que Israel também o pode apanhar. 

Este criminoso terrorista Deif andava a ser procurado por Israel desde 1995 pelo seu envolvimento no planeamento e execução de um grande número de ataques terroristas, incluindo muitas explosões em autocarros nos anos 1990 e início dos anos 2000. Crê-se que ele também desempenhou um papel importante no massacre do 7 de Outubro, que levou ao assassinato bárbaro de mais de 1.200 inocentes israelitas e ao início dos combates na Faixa de Gaza. Este bandido já tinha escapado a 7 tentativas de assassinato, tendo ficado ferido em alguns deles e alguns membros da sua família já foram entretanto mortos. 

O Hamas está neste momento a investigar esta "grande brecha interna."

NÚMEROS DO HAMAS

Como sempre, o grupo terrorista do Hamas quer "comover" o mundo com números inflacionados de mortos e feridos, não havendo qualquer confirmação dos mesmos por parte de gente séria. Segundo eles, o ataque israelita provocou 71 mortos e 289 feridos. Como é costume, o grupo mistura civis com terroristas, pelo que nunca se saberá ao certo quantos civis realmente terão sido atingidos mortalmente por este importante ataque que visava exclusivamente os dois cabecilhas desta organização terrorista. 

GRANDE EXPLOSÃO NO IRÃO

Um canal israelita de TV revelou entretanto imagens da explosão há 3 dias junto a uma fábrica de drones perto da cidade de Kashan, no Irão. O video, com imagens gravadas a partir da estrada principal, revela aquilo que parecem ser os disparos das baterias anti-aéreas seguidos de uma explosão. Segundo os relatos a explosão teria ocorrido numa grande planta de construção de muitos drones explosivos iranianos. 

Shalom, Israel!


sexta-feira, julho 12, 2024

IDF DESCOBREM SALA DE COMANDO DO HAMAS NA SEDE DA UNRWA, PARA ALÉM DE MUITAS ARMAS


Tropas da brigada de comandos das IDF descobriram armamento e uma sala de comando do Hamas na sede da UNRWA, comprovando a mais que conhecida ligação entre os terroristas do Hamas e aquela organização da ONU, mais que comprometida com o terrorismo.

As instalações foram atacadas pelas IDF desde o início da semana como parte de uma nova operação militar nas zonas do Sul e ocidental da cidade de Gaza. A sede da UNRWA estava sem uso desde há vários meses. Já no início do ano as IDF tinham descoberto um túnel que passava por debaixo destas instalações da ONU. 

A operação mais recente permitiu aos militares israelitas capturar operacionais do Hamas que tentavam fugir das instalações. Foram também travados combates com células de atiradores terroristas que se haviam escondido no interior. 


As forças israelitas também encontraram parte de um drone do Hamas, uma sala de comando que era utilizada para observar as forças de Israel, e ainda dezenas de armas, incluindo rockets, metralhadoras, morteiros, engenhos explosivos, gramadas e drones que descarregam bombas. Numa universidade das imediações, os comandos descobriram um laboratório subterrâneo para o fabrico de bombas e ainda diversas armas. 


MAIS UM LÍDER DO HAMAS ABATIDO

As IDf abateram entretanto o comandante do batalhão do Hamas em Shejaiya. Este temível criminoso esteve envolvido directamente no massacre do 7 de Outubro e durante a consequente guerra realizou numerosos ataques contra os soldados israelitas em Gaza. 

Para além deste terrorista, Ayman Shweidahm um outro comandante de batalhão foi também abatido por Israel. Este último era uma proeminente comandante com grande envolvimento nos combates em Shejaiya. 

Shalom, Israel!

quinta-feira, julho 11, 2024

MAIS UM PASSO PARA SE ALCANÇAR UM ACORDO DE CESSAR-FOGO ENTRE ISRAEL E O HAMAS


Segundo informações publicadas pelo "The Washington Post", Israel e o Hamas terão concordado num "quadro de acordo" para a libertação de reféns e um cessar-fogo, estando agora a negociar a respectiva implementação. Um passo decisivo terá sido o acordo entre ambas as partes para o estabelecimento de "um governo interino" em Gaza liderado por uma força apoiada pela Autoridade Palestiniana na segunda fase do acordo. Alguns dos envolvidos nas negociações acautelaram ainda alguma euforia, alegando que apesar de o "quadro de acordo" ter sido montado, um acordo final ainda não estará provavelmente eminente, e ainda levará algum tempo para que se consigam "martelar" todos os detalhes.

"A pedra de tropeço tem sido a transição para a Fase 2, na qual o Hamas libertaria os homens soldados ainda cativos nessa fase, com ambas as partes concordando com "um fim permanente das hostilidades" , com "uma retirada total das forças israelitas de Gaza."

Um passo positivo foi a aceitação por parte de Israel e do Hamas que nenhuma dessas partes governaria Gaza desde o início da Fase 2, havendo sim um governo interino apoiado pela Autoridade Palestiniana. A segurança seria assegurada por forças treinadas pelos EUA apoiadas por estados árabes moderados. Estas forças seriam constituídas por 2.500 elementos ligados à Autoridade Palestiniana e já escrutinados por Israel. 

O Hamas terá dito aos mediadores "estar preparado para ceder a autoridade à governação interina."

Segundo a notícia do jornal norte-americano, ambas as partes envolvidas estão motivadas em terminar com os combates, com Israel a querer preparar as suas forças para uma possível confrontação com o Irão e seus proxies. Um general norte-americano também informou que o Hamas está numa "má condição" nos seus covis subterrâneos e com falta de munições e suprimentos. 

Shalom, Israel!

quarta-feira, julho 10, 2024

NETANYAHU AFIRMOU ESTAR "EMPENHADO" NUM ACORDO DE CESSAR FOGO "DESDE QUE SEJAM RESPEITADAS AS LINHAS VERMELHAS"


Decorrem a esta hora em Doha, no Qatar, as difíceis conversações entre os mediadores visando um acordo de cessar fogo em Gaza entre Israel e o grupo terrorista do Hamas. As conversações deverão durar 4 dias. Ao enviado dos EUA para as conversações, Brett McGurk, Netanyahu afirmou "estar empenhado" em garantir um acordo para Gaza, "desde que sejam mantidas as linhas vermelhas" estabelecidas por Israel. 

No passado Domingo o primeiro-ministro divulgou 4 itens não negociáveis: 1 - Um acordo terá de impedir o tráfego (contrabando) de armas do Egipto para Gaza; 2 - Israel poderá voltar a combater até que todos os objectivos de guerra sejam alcançados. Por outras palavras: o cessar fogo poderá ser temporário; 3 - Não será permitido o regresso de milhares de terroristas armados ao Norte da Faixa de Gaza. 

O Hamas está obviamente a perder a guerra, e só nessa condição é que se vê obrigado a negociar um acordo com Israel. Segundo fontes israelitas, cerca de 60% dos terroristas do Hamas já terão sido liquidados desde o início da guerra, mas não se sabe ainda quando é que Israel conseguirá encontrar e destruir os muitos túneis ainda intactos. Segundo o ministro da Defesa de Israel, 24 batalhões do Hamas já foram até agora destruídos. 

O grupo terrorista alegou entretanto que a intensificação actual dos combates em Gaza City e Rafah só irá prejudicar as conversações para um acordo de cessar fogo. Obviamente que é desde há muito sabido que o Hamas só negoceia debaixo de muita pressão, pelo que esta alegação do grupo pode indicar fraqueza e até temores da parte do grupo. O Hezbollah, através do seu líder Nasrallah, veio hoje repetir a alegação de que cessará os ataques a Israel logo que um acordo seja assinado, "sem ser necessária qualquer negociação." O grupo tem estado a disparar rockets contra o Norte de Israel, provocando incêndios e a morte de um casal, ontem, nos Montes Golan.

Shalom, Israel!



terça-feira, julho 09, 2024

ISRAEL DESTRÓI MAIS 6 TÚNEIS TERRORISTAS EM SHEJAIYA


As IDF continuam a combater intensamente na região de Gaza City, e em Shejaiya, tanto à superfície, como através de ataques aéreos. Esta intervenção dura há uma semana, e ao longo destes dias cerca de 150 terroristas já foram abatidos, muitos deles em combates corpo a corpo. Várias entradas de túneis têm sido achadas e destruídos 6 túneis com a extensão de 6 quilómetros e onde foram encontradas salas de comando e outras para descanso utilizadas pelo Hamas e pela Jihad Islâmica Palestiniana. Muitas infraestruturas têm sido também destruídas, para além de prédios armadilhados. Têm sido encontrados depósitos de armas e material de informação secreta. 

A intervenção em Shejaiya iniciou-se com um ataque a um complexo escolar que estava sendo utilizado pelos terroristas do Hamas, com cerca de 100 membros do grupo infiltrados no meio de 1000 civis que ali se haviam refugiado. A maior parte dos terroristas conseguiu fugir da escola, deixando para trás armas e material de informação considerado importante por Israel. 

Outros três túneis já foram entretanto encontrados, procedendo-se agora ao respectivo mapeamento e posterior demolição. 

Um dos túneis já destruídos servia de "bandeira" para a Jihad Islâmica em Gaza City. Tinha uma extensão de 2,5 quilómetros e era usado para comando e controle. As forças de Israel encontraram lá vários computadores portáteis, armamento e material de informação, indicando que estava até há pouco sendo utilizado. No total, já foram localizados 9 túneis nestes últimos 12 dias.

O Hezbollah entretanto informou que as forças israelitas liquidaram esta manhã na Síria o ex-guarda costas do líder do movimento terrorista, Nasrallah. Este criminoso agora abatido era o responsável pelo transporte de armamento e de pessoal para a Síria. 

Com esta morte, o número de terroristas do Hezbollah abatidos por Israel desde o 7 de Outubro já ultrapassa os 364.

Poucos minutos depois de 2 terroristas terem sido vistos a disparar rockets contra Israel a partir do Líbano, os caças israelitas atacaram o prédio onde eles tinham sido vistos a entrar. Os rockets foram entretanto interceptados pelas forças israelitas. 

9.250 militares em tratamento médico deram já entrada em vários centros de reabilitação pós-traumática desde o início da guerra com o Hamas. 70% deles são reservistas. 

segunda-feira, julho 08, 2024

ISRAEL LANÇA FORTE ATAQUE EM GAZA CITY


Seguindo informações obtidas pelos serviços da inteligência de Israel relacionadas com as infraestruturas do Hamas e da Jihad Islâmica e de operacionais terroristas instalados na zona. Os militares israelitas estão também a intervir num edifício que servia como quartel general da UNRWA (Nações Unidas) onde as IDF tinham previamente encontrado significativas estruturas de túneis do Hamas, tendo liquidado um determinado número de terroristas. As IDF recolheram informações sobre armazenamento de armas, para além de salas utilizadas pelos terroristas para detenção e interrogatórios. 

As IDF informaram previamente a população local, anunciando a abertura de um corredor local para a saída dos residentes na área. 

"As IDF continuarão a agir em concordância com a lei internacional e contra as organizações terroristas do Hamas e da Jihad Islâmica que sistematicamente operam e realizam actividades terroristas a partir do interior de infraestruturas civis, incluindo instalações da UNRWA, por elas utilizadas para planear e levar a cabo operações terroristas contra o estado de Israel" - informaram os militares.

Os residentes da cidade de Gaza City afirmam que estão a assistir aos maiores bombardeamentos à cidade desde o início das operações israelitas no enclave. Segundo esses populares, os tanques israelitas estarão a entrar na cidade oriundos de várias direcções. 

Shalom, Israel!

sábado, julho 06, 2024

FALECEU UM DOS HERÓIS MAIS ICÓNICOS DA GUERRA DOS SEIS DIAS


Um dos 3 para-quedistas heróis celebrizados pela famosa foto tirada no dia 7 de Junho de 1967 junto ao Muro Ocidental, o Dr. Yitzhak Yifat (o do meio na foto), faleceu hoje com a idade de 81 anos. A foto, tirada por David Rubinger, captou a alegria e o fascínio estampado nas caras dos 3 heróis pouco depois de terem recuperado a Cidade Santa de Jerusalém, no final da Guerra dos Seis Dias, mais especificamente o Monte do Templo e o Kottel - o Muro Ocidental - até então vedado aos judeus pelas forças ocupantes da Jordânia. Na altura da conquista eles ainda não sabiam que aquele era "o Muro" tão querido dos judeus, só tendo recebido a confirmação algum tempo depois. 

Na foto, da esquerda para a direita: Tzion Karasenti, YitzhakYifat e Chaim Oshri. A foto da direita foi tirada no mesmo local, exactamente 50 anos depois, ou seja, no dia 7 de Junho de 2017. 

Yifat formou-se e trabalhou como médico ginecologista. 

A reconquista do Monte do Templo foi um dos momentos cruciais e determinantes desta guerra, e o então ministro da Defesa Moshe Dayan tornou-se no grande herói da mesma, tendo estado à frente das tropas vitoriosas que em apenas 6 dias venceram 5 países inimigos e reconquistaram território bíblico, como partes da Judeia e Samaria, os montes Golan e a parte oriental da cidade de Jerusalém. 

Foi de facto um dos momentos mais importantes da História do século 20.

Shalom, Israel!

sexta-feira, julho 05, 2024

ESTAREMOS PRÓXIMOS DE UM ACORDO DE CESSAR FOGO?

Nestas últimas horas têm surgido esperanças de que se possa finalmente chegar a um acordo de cessar fogo entre Israel e o Hamas. Há poucos minutos regressou a Israel o chefe da Mossad, David Barnea, vindo de Doha, onde esteve reunido com os mediadores do Qatar para discutir a última proposta feita pelo Hamas.

Do lado do Hamas, um dos seus principais líderes, Osama Hamdan, afirmou hoje que o grupo que ele representa espera da parte de Israel uma rápida resposta "ainda hoje ou amanhã de manhã" às suas "novas ideias". Por outro lado, e numa tentativa de não dar parte de fraco, este líder terrorista alegou que o braço militar do grupo terrorista se mantém "em boas condições que lhe permitem continuar a combater as forças israelitas"...

HEZBOLLAH PRONTO A PARAR OS ATAQUES

Um alto representante do grupo terrorista Hezbollah veio entretanto alegar que o seu grupo terminará os seus ataques a Israel no momento em que um acordo de cessar fogo entre em vigor em Gaza. Esta é de facto a promessa que o grupo tem vindo a fazer desde que iniciou os ataques a Israel. 

"Se houver um acordo em Gaza, haverá na mesma hora um cessar fogo no Líbano" - afirmou o responsável do Hezbollah. 

Esta manhã o líder do Hezbollah Hassan Nasrallah recebeu Khalil Al-Hayya, um alto responsável do Hamas, em que foram revistos "os últimos desenvolvimentos políticos e as questões de segurança" na Faixa de Gaza.

O líder do partido da Unidade Nacional, Benny Gantz, na oposição, após ter estado ao telefone com Benjamin Netanyahu, afirmou que "apoiará plenamente qualquer acordo responsável que conduza ao retorno dos reféns."

A "bola" está agora do lado do governo de Israel. Creio ser este um momento único e uma oportunidade a não perder, uma vez que o mais importante neste momento é a vida dos mais de 100 reféns ainda cativos do Hamas.

Shalom, Israel!

quinta-feira, julho 04, 2024

JACTOS ISRAELITAS QUEBRAM A BARREIRA DO SOM SOBREVOANDO BEIRUTE


Provavelmente num sinal de aviso do poderio aéreo de Israel, jactos israelitas sobrevoaram a capital do Líbano, Beirute, quebrando a barreira do som, numa altura em que cresce a tensão entre o grupo terrorista Hezbollah e Israel. Só nesta manhã os terroristas dispararam 200 rockets e duas dezenas de drones para as regiões a Norte de Israel mais próximas da fronteira com o Líbano, como resposta vingativa à morte de um dos seus principais líderes por parte de Israel no dia de ontem. Os disparos do Hezbollah não provocaram danos, embora tenham surgido alguns fogos provocados quer pelos drones, quer por estilhaços que caíram em zonas de matagais ou florestais. 

As IDF informaram que de facto bombardearam "estruturas militares do Hezbollah" nas regiões de Ramyeh e Houla, no Sul do Líbano. 

Há poucos minutos as IDF voltaram a informar que continuam a atacar alvos do Hezbollah no Sul do Líbano, acrescentando que durante a manhã foram atacados edifícios utilizados pelo grupo terrorista em Qanatra, Rab al-Thalathine, Deir Seryan e ainda em Tallouseh. Segundo os militares israelitas, uma outra estrutura foi também atingida em Naqoura. 

ISRAEL ATACA CENTROS DE COMANDO DO HAMAS DENTRO DE ESCOLAS DA ONU

Vários operacionais do Hamas escondidos dentro de salas de escolas da ONU em Gaza City foram atacados esta manhã pela força aérea israelita. Segundo as IDF, o Hamas tinha estabelecido centros operacionais em escolas da UNRWA, portanto da ONU, em al-Qahirah e em Musa. Segundo os militares, estas escolas eram utilizadas como "esconderijos para terroristas e como estrutura operacional activa da organização terrorista Hamas, a partir da qual os terroristas do Hamas planeavam, dirigiam, e realizavam muitos ataques terroristas contra tropas das IDF a operar na Faixa de Gaza." Os locais foram atacados por helicópteros e caças israelitas, tendo havido muito cuidado para "mitigar danos em civis", tendo-se feito uso de munições de precisão. 

Shalom, Israel!


quarta-feira, julho 03, 2024

ISRAEL CONFIRMA TER LIQUIDADO UM DOS PRINCIPAIS LÍDERES DO HEZBOLLAH


Os militares israelitas confirmaram ter esta manhã abatido na cidade libanesa de Tiro o comandante sénior do Hezbollah, Muhammad Nimah Nasser.

Este temível terrorista comandava a unidade Aziz do Hezbollah, uma das três divisões regionais no Sul do Líbano. Esta unidade é responsável pela região sudoeste do Líbano, desde a região costeira à área de Bint Jbeil, e tem realizado centenas de ataques a Israel, especificamente à Alta Galiléia durante a actual guerra. 

Segundo as IDF, este bandido era o segundo mais importante comandante do Hezbollah liquidado por Israel, logo a seguir ao comandante da unidade regional Nasr abatido por Israel no mês passado. 

Nasser era o comandante da unidade Aziz desde 2016, tendo previamente comandado as forças especiais do Hezbollah, tendo estado envolvido em numerosos ataques contra Israel, incluindo sequestros durante a guerra de 2006. 

Israel aguarda agora a habitual retaliação do Hezbollah a acções desta natureza, tal como aconteceu em Junho, após a morte de Taleb Abdullah.

HEZBOLLAH JÁ DISPAROU PELO MENOS 100 ROCKETS

Tal como se previa, o Hezbollah já respondeu à morte do seu líder com o disparo de mais de 100 rockets nesta última hora dirigidos a Kiryat Shmona e à parte Norte dos Montes Golan. Segundo as IDF, a maioria dos foguetes caíram em descampados, e não há notícias de danos em Israel. 

A terceira divisão regional do Hezbollah no Sul do Líbano é a unidade Badr, que está estacionada acima do rio Litani, e é considerada a segunda linha de defesa do grupo terrorista Hezbollah. 

Shalom!

terça-feira, julho 02, 2024

900 TERRORISTAS PALESTINIANOS ATÉ AGORA ABATIDOS EM RAFAH


O chefe das IDF, general Herzi Halevi, durante a visita hoje realizada às tropas israelitas estacionadas em Rafah anunciou que pelo menos 900 operacionais terroristas foram liquidados em Rafah desde o início da intervenção naquela cidade do Sul de Israel. 

"Nós contamos (da brigada do Hamas) aquilo que vimos com os nossos próprios olhos... mais de 900 terroristas mortos, incluindo comandantes, pelo menos um comandante de batalhão, muitos comandantes de companhia e muitos operacionais."

O general informou ainda que os militares irão continuar a destruir a infraestrutura do Hamas em Gaza, incluindo os seus túneis: "Leva tempo, por isso esta campanha é longa, uma vez que não queremos sair de Rafah com a infraestrutura." 

O primeiro-ministro Netanyahu veio entretanto desmentir um artigo publicado no "New York Times" segundo o qual os militares israelitas quereriam um cessar fogo em Gaza mesmo com a presença do Hamas no poder. O primeiro-ministro corrigiu essa informação de forma clara: "Estou aqui para tornar isso inequivocamente claro: Isso não vai acontecer!" E acrescentou: "Só terminaremos a guerra quando todos os seus objectivos tiverem sido alcançados, incluindo a eliminação do Hamas e a libertação de todos os reféns."

Shalom, Israel!

segunda-feira, julho 01, 2024

ISRAEL LIBERTA 55 TERRORISTAS, ENTRE OS QUAIS O DIRECTOR DO HOSPITAL SHIFA, CAUSANDO GRANDE INDIGNAÇÃO ENTRE OS MINISTROS


As autoridades presidiárias israelitas libertaram 55 palestinianos detidos em Israel, incluindo o director do hospital Shifa, Mohammad Abu Salmiya, que havia sido preso por Israel sob a acusação de permitir que o hospital fosse utilizados para as actividades terroristas do Hamas. Israel costuma libertar periodicamente detidos de Gaza que não sejam identificados como terroristas. 


As reacções entre os ministros do governo israelita não se fizeram esperar: Ben Gvir, ministro da Segurança Nacional, afirmou que a decisão de libertar o director do hospital Shifa juntamente com dezenas de terroristas foi "ruinosa." Vários outros ministros já revelaram a sua revolta através de mensagens num grupo privado de whatsapp. Este é o exemplo de alguns dos protestos publicados por alguns desses ministros:

"Por que é que foi liberto este homem, em cujo hospital reféns foram mortos e onde funcionava um centro de comando do Hamas?" "É impensável fazer tal coisa sem consentimento do gabinete ministerial. Pergunto seriamente sob que autoridade isso foi feito?". "Israel necessita de uma nova liderança de segurança, quanto mais cedo melhor."


Benny Gantz, líder do partido da oposição "União Nacional", apelou ao governo para que se demita por causa desta decisão de libertar o director do hospital Shifa, alegando que Israel "não pode continuar a fazer a guerra" desta forma. 

"Um governo que liberta aqueles que abrigaram os assassinos do 7 de Outubro e que ajudaram a esconder os nossos reféns cometeu um erro moral, ético e operacional, pelo que não é capaz para liderar a nossa guerra existencial e precisa de ir embora" - afirmou Gantz, acrescentando: "Quem quer que tenha tomado tal decisão precisa de ser demitido hoje." Gantz insistiu ainda na necessidade de se marcar uma data para eleições. 


O líder da oposição Yair Lapid juntou também a sua voz às muitas que protestam esta decisão: "As notícias desta manhã e o caos neste governo relacionado com a libertação do director do hospital Shifa é uma continuação directa da ruína e disfunção do governo israelita que está causando estragos na segurança dos cidadãos israelitas."

O primeiro-ministro Netanyahu e o ministro da defesa Yoav Gallant já vieram entretanto distanciar-se da decisão tomada: "O procedimento de encarceramento prisioneiros de segurança e sua libertação está sob a responsabilidade do Shin Bet e do serviço prisional de Israel, e não está sujeito à aprovação do ministro da Defesa" - afirmou Gallant. O Shin Bet está sob a jurisdição do gabinete do primeiro-ministro, e o serviço prisional de Israel está sob a alçada do Ministério da Segurança Nacional actualmente dirigido pelo ministro Itamar Ben Gvir. Netanyahu já exigiu uma investigação imediata ao ocorrido. 

Ben Gvir já veio entretanto apelar à destituição do chefe do Shin Bet, os serviços secretos de Israel. A agência israelita já veio no entanto alegar que foi forçada a soltar e enviar os prisioneiros de volta à Faixa de Gaza "por falta de espaço nas prisões israelitas." O porta-voz do Shin Bet acrescentou ainda que "desde há muito que têm vindo a alertar sobre a crise nas penitenciárias e sobre a necessidade de aumentar o número de celas à luz do crescente número de detenções de terroristas na Faixa de Gaza e na Margem Ocidental."

Está aberta mais uma guerra...Deus tenha misericórdia de Israel!

sábado, junho 29, 2024

NUMEROSOS TERRORISTAS ABATIDOS EM SHEJAIYA, RAFAH E NO CENTRO DE GAZA

As IDF avançam consistentemente em Shejaiya, em Rafah e na parte central do enclave, para além do corredor Netzarim, tendo nesta última madrugada abatido um elevado número de terroristas.


Em Shejaiya numerosos operacionais do Hamas foram liquidados em tiroteios e as IDF encontraram mais um depósito de armas dentro das instalações de uma escola. Mais uma...

Drones da Força Aérea israelita atingiram alvos em Shejaiya enquanto prosseguiam as operações terrestres, incluindo várias células com terroristas que se preparavam para atacar os soldados israelitas. 

Vários operacionais terroristas foram também liquidados em Rafah, com a Força Aérea destruindo várias posições pertencentes aos grupos terroristas, incluindo entradas de túneis. 

No corredor Netzarim as tropas usaram tiros de metralhadora para abater vários terroristas . Um lançador de mísseis anti-tanque anteriormente utilizado pelos criminosos palestinianos foi também destruído.

Várias entradas de túneis foram ainda destruídas, tendo uma delas sido usada para lançar 2 rockets contra Sderot na noite de ontem. Um dos rockets caiu em campo aberto, enquanto outro foi destruído pela defesa aérea israelita.

Shalom, Israel!

sexta-feira, junho 28, 2024

AS FORÇAS DE ISRAEL ATACAM TERRORISTAS DO HAMAS ESCONDIDOS EM ESCOLAS E EM "ZONAS HUMANITÁRIAS"


As IDF confirmaram ter realizado ataques "cirúrgicos" em Shejaiyah, um dos subúrbios da cidade de Gaza. Os ataques ontem realizados pela 98ª divisão das IDF foram consequência das informações da inteligência sobre a presença de terroristas do Hamas e de infraestruturas do grupo naquela região.

As IDF informaram que a 7ª brigada armada penetrou em Shejaiyah durante o dia e a noite de ontem, com a brigada dos pára-quedistas a atacar sítios naquela zona. 

À medida que as forças terrestres iam avançando no terreno, dezenas de posições do Hamas foram atingidas a partir do ar.

Por outro lado, em outros ataques "significativos" no Norte de Gaza, as IDF anunciaram ter liquidado dezenas de terroristas do Hamas que se encontravam escondidos numa escola e em outras instalações da UNRWA.

Entretanto, e também durante esta madrugada, um caça israelita atacou um operacional do Hamas num edifício na parte central de Gaza, mais especificamente em Deir al Balah, dentro do espaço designado por Israel como "zona humanitária."

"O terrorista operava a partir da área humanitária que a organização utiliza como protecção para a sua actividade terrorista" - informaram as IDF. 

Os militares informaram ainda que previamente ao ataque, foram feitos esforços para evacuar a população civil da área do edifício atingido. Foi também feito uso de observação aérea e ainda de uma munição de precisão e outros meios para evitar danos entre a população civil. 

Shalom, Israel!


quinta-feira, junho 27, 2024

UMA HIPOTÉTICA GUERRA NO LÍBANO NÃO INTERESSA A NINGUÉM


Sob o pretexto de solidariedade, o grupo terrorista Hezbollah colocou-se ao lado do Hamas assim que a intervenção israelita começou na Faixa de Gaza, iniciando logo um conflito limitado com Israel através do disparo diário de rockets, mísseis e drones. Milhares de israelitas que residem no Norte de Israel nas regiões fronteiriças com o Líbano tiveram de se deslocar para Sul, com todos os prejuízos materiais, sociais e psicológicos daí inerentes. Felizmente que os sistemas de defesa de Israel têm conseguido evitar males maiores, como mortes de civis, etc., contudo várias habitações têm sido afectadas e florestas incendiadas, causando graves prejuízos materiais para as populações locais. Israel tem respondido com ataques aéreos a cada lançamento de mísseis, numa tentativa de empurrar os terroristas para 30 quilómetros a Norte da fronteira, conforme tinha ficado estabelecido em 2006 no acordo de cessar fogo lavrado no final da última guerra com o Hezbollah. Só que os terroristas não respeitam nada, nem ninguém, dominam praticamente todo o território do Líbano, um país extremamente frágil e vulnerável que está literalmente à mercê da ocupação dos terroristas do Hezbollah. 

Os líderes do Hezbollah têm repetido que os seus ataques "comedidos" a Israel durarão enquanto continuar o conflito em Gaza, e que logo que as forças israelitas saiam daquele enclave irão deixar de atacar Israel. Pelo menos por agora. Será esta promessa credível? Pessoalmente acredito que sim, uma vez que se sabe que não é do total interesse do Irão atacar Israel nesta altura através dos seus proxies, neste caso o Hezbollah. Tanto mais que os EUA já prometeram apoiar Israel na sua defesa, tendo já estacionado um grande porta aviões nas águas do Mediterrâneo Oriental. 


Apesar da verborreia verbal habitual de Nasrallah, o líder do Hezbollah, este criminoso tem mesmo assim repetido várias vezes que o seu movimento não quer "uma guerra total com Israel"...

Contudo, e por outro lado, e devido à ameaça velada feita pelo líder do Hezbollah a Chipre, um país membro da União Europeia, já levou a que os ministros dos 27 se tenham reunido para tomarem uma posição conjunta caso o conflito ecluda. Ainda durante esta semana haverá uma reunião com os ministros europeus em Bruxelas e o ministro libanês dos Negócios Estrangeiros, para discussão de ideias que possam levar ao desescalar da tensão existente na fronteira entre Israel e o Líbano. O líder dos Negócios Estrangeiros europeu, o antissemita espanhol Joseph Borrell - felizmente de saída - prometeu que a Europa está ao lado do exército libanês e apoia as forças "de paz" da ONU desde há anos estacionadas na fronteira, ainda que é facto mais que constatado que essa presença das forças da ONU é inútil, nada têm feito para travar o Hezbollah, muito menos para defender Israel. Tenho-os visto muitas vezes numa região fronteiriça que costumo visitar anualmente, e reparo que esses indivíduos limitam-se a observar o que se passa, sem qualquer tipo de acção preventiva. Mais uma vergonha para o actual secretário-geral, o antissemita António Guterres.

AMEAÇAS ISRAELITAS

O actual ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, no final da sua visita de 4 dias as Estados Unidos, ameaçou entretanto de forma clara que Israel pode fazer o Líbano regressar "à idade da pedra." Mesmo assim, Gallant acrescentou que Israel prefere uma solução diplomática. Israel não está interessado nesta guerra, ainda mais numa altura em que há fortes divisões dentro do governo, os recursos têm sido bastante usados na guerra com o Hamas, e a população do país está cansada de guerra. Já para não falar do cansaço patente entre os militares. 

Sabe-se entretanto que tanto os EUA como Israel acreditam que a diminuição dos ataques israelitas em Gaza levará a uma atitude positiva da parte do Hezbollah. 


O aumento da tensão nesta região poderá facilmente levar a uma escalada de dimensões inimagináveis, atraindo o Irão, a Síria e as milícias no Iraque, e por outro lado a própria Europa e os EUA. Creio que até mesmo o Hezbollah não terá grande interesse nesta situação. Tanto Washington como Jerusalém estão a trabalhar intensamente tendo em vista o abrandamento da situação considerada por todos como extremamente vulnerável. Segundo informações militares, Israel pensa que dentro de 2 ou 3 semanas a principal intervenção em Rafah estará concluída, passando-se depois à "fase 3", o que significará um decréscimo nos ataques, passando-se mais a uma vigilância, controle e pequenas intervenções muito limitadas quando necessário. 

Esperemos e oremos para que dia a dia este clima altamente inflamado possa ir baixando de intensidade, e que possamos em breve ver um regresso à normalidade tão ansiada pelas populações do Norte de Israel, e certamente de muitos libaneses...

Shalom, Israel!


quarta-feira, junho 26, 2024

MINISTRO DA DEFESA DE ISRAEL: "O HAMAS OU ACEITA O PLANO DE CESSAR FOGO NORTE-AMERICANO, OU TERÁ DE SOFRER AS CONSEQUÊNCIAS!"


Numa das reuniões realizadas durante a sua actual visita aos EUA, o ministro da Defesa de Israel Yoav Gallant ameaçou o Hamas com ter de levar com as consequências caso não aceite a proposta endossada pela ONU para um cessar fogo e troca de reféns por prisioneiros. 

"Estamos firmes no apoio à proposta do presidente (Biden), que Israel aceitou e que agora o Hamas terá de aceitar - ou então sofrer as consequências" - afirmou Gallant. 

Gallant, que tem estado reunido na Casa Branca com o conselheiro para a segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, acrescentou que Israel está "comprometido em trazer os reféns para casa, sem excepções."

"Mas que se saiba que a nossa guerra não é com o povo de Gaza. A nossa guerra não é com o povo do Líbano. A nossa guerra é contra o Hamas, o Hezbollah e o seu apoiante: o regime iraniano" - continuou o ministro, acrescentando: "Só combatemos aqueles que nos querem fazer mal."

O ministro adiantou ainda que Jerusalém, e ele em particular, estão "comprometidos em facilitar a entrada de ajuda humanitária essencial em Gaza."

Elogiando os "poderosos e duradoiros laços" entre as duas nações e a apreciação de Israel a Washington pelo apoio "visível e oculto" durante a guerra, Gallant reconhece mesmo assim as divergências expostas a público relativas à alegada retenção na entrega de munições a Israel por parte dos EUA. 

"Em qualquer família - e nós consideramos como família o povo americano - podem surgir desacordos. Contudo, e tal como em todas as famílias, nós discutimos as nossas desavenças dentro de portas e continuamos unidos" - afirmou o ministro, num comentário por alguns considerado como um "recado" ao primeiro-ministro, responsável por ter despoletado esta questão.

Shalom, Israel!

Shalom, Israel!

terça-feira, junho 25, 2024

ORGANIZAÇÃO LIGADA À ONU DESMENTE QUE HAJA FOME EM GAZA


Um novo relatório agora publicado pela organização "Integrated Food Security Phase Classification" - IPC - revela que não há actualmente fome em Gaza, isto apesar de no passado mês de Março a mesma organização ter previsto uma incontrolável explosão de fome no enclave entre Março e Julho de 2024. 

O novo estudo alega que as estimativas sobre a quantidade de comida que entraria no território acabaram por sair erradas, e que o fornecimento de comida em Gaza, em vez de ter decrescido, tem aumentado nestes últimos meses. 

"Dentro deste contexto, as evidências disponíveis não indicam que a fome seja actualmente decorrente" - descreve o relatório.

O IPC, que está ligado à Organização do Programa Alimentar da ONU, é visto como uma organização neutra e altamente credível na sua avaliação de onde a fome pode estar a decorrer em qualquer parte do mundo. 

Este novo estudo da organização declara que a situação da insegurança alimentar permanece catastrófica, contudo, com "um elevado e sustentável risco de fome em toda a Faixa de Gaza", acrescentando que a "provável melhoria no estado nutricional", que teve lugar em Abril e Maio, "não deverá abrir espaço para complacência sobre o risco de fome nas próximas semanas e meses." O estudo adianta ainda que "o sofrimento humano extremo está sem dúvida a decorrer presentemente na Faixa de Gaza."

Acusações de extrema insegurança alimentar, má nutrição e fome têm feito parte integral das alegações contra Israel. O estado judaico tem sido acusado de genocídio contra os palestinianos nos tribunais internacionais, chegando-se ao ponto de alegar que Israel está a usar a fome como "arma de guerra" para extermínio dos palestinianos. 

Como se sabe, entram diariamente na Faixa de Gaza centenas de camiões carregados de bens alimentares para a população palestiniana de Gaza, mas grande quantidades são saqueadas e roubadas pelo Hamas e outros, com a ONU a não conseguir nem fazer uma distribuição capaz, muito menos de proteger os bens que diariamente Israel deixa entrar no enclave.

Portanto, a grande responsabilidade da alegada fome cabe à ONU e aos terroristas do Hamas, indiferentes às necessidades e privações do seu próprio povo...

Shalom, Israel!

segunda-feira, junho 24, 2024

EXÉRCITO DE ISRAEL PRESTES A DERROTAR A BRIGADA DO HAMAS EM RAFAH


Segundo o porta-voz do exército de Israel, o general Herzi Halevi, os militares israelitas estão perto de derrotar a brigada do Hamas em Rafah. 

"Temos tido muitos avanços significativos nos combates em Rafah" - afirmou Halevi durante a visita que realizou à cidade de Rafah no dia de ontem, mas cujo teor só há pouco foi divulgado. 


"Isso reflecte-se no número de terroristas abatidos, bem como nas infraestruturas e túneis que têm vindo a ser destruídos."

Halevi informou ainda que o controle das IDF da assim-chamada rota de Filadélfia na fronteira entre Gaza e o Egipto "é muito, muito significativo." Segundo ele, isso vai fechar a "a torneira de oxigénio para contrabandos futuros." 

"Estamos claramente a aproximar-nos do ponto onde poderemos afirmar que desmantelámos a brigada do Hamas. Ela estará derrotada, não no sentido de que não haja mais terroristas nela, mas no sentido de que não conseguirá funcionar mais como estrutura de combate."

Halevi afirmou que "muitos" dos operacionais da brigada do Hamas em Rafah foram mortos, dizendo ainda às tropas que visitou ontem para "cuidarem de matar o maior número possível de terroristas e destruir o máximo possível das infraestruturas até ao fim da nossa missão aqui."

Shalom, Israel!

sábado, junho 22, 2024

MAIS UM TEMÍVEL CHEFE DO HAMAS ABATIDO NO LÍBANO, E PROVAVELMENTE OUTRO EM GAZA


Israel prossegue a "caça" aos líderes dos movimentos terroristas palestinianos, abatendo-os sempre que surja uma oportunidade, de forma a desencorajar e causar o pânico entre os membros desses grupos criminosos.

Desta vez o "ajuste de contas" foi com Ayman Ghatma, que segundo as IDF era o responsável pelo fornecimento de armamento ao Hamas e ao grupo al-Jama'a al-Islamyya no Líbano. Este monstro foi abatido através de um ataque aéreo israelita dentro do Líbano. Ghatma foi liquidado quando conduzia um veículo perto da localidade de Khiara, a cerca de 40 quilómetros a Norte da fronteira com Israel. 


OUTRO MONSTRO PROVAVELMENTE ABATIDO HOJE

Já em Gaza, um ataque israelita terá liquidado um dos principais líderes do Hamas em Gaza, Raad Saad. Não se sabe ao certo se o ataque, ainda que direccionado a este bandido o teria ou não atingido de facto. A ser confirmada a morte deste indivíduo, será mais um duro golpe na estrutura da organização terrorista palestiniana, uma vez que ele era o responsável chefe pelas operações terroristas do Hamas. Pensava-se que ele estaria dentro do hospital Shifa aquando do ataque de Israel a esse hospital em Março passado, não tendo porém sido ali encontrado. 

Este ataque desta manhã foi dirigido a duas posições militares do Hamas na cidade de Gaza, esperando-se ainda pela confirmação oficial das IDF. Fontes palestinianas alegam que estes ataques provocaram dezenas de mortes. Como sempre, os números não podem ser confirmados, nem diferenciados entre terroristas e civis.

Shalom, Israel!

sexta-feira, junho 21, 2024

EXÉRCITO DE ISRAEL ATACA LANÇADOR DE ROCKETS INSERIDO NA "ZONA HUMANITÁRIA" DE GAZA...


É importante que o mundo civilizado entenda com quem Israel está a lidar. Não é a primeira vez que isto acontece, mas há muito que nos habituámos a ver as formas mais barbáricas e desumanas de que os terroristas palestinianos fazem uso para atacar as forças de defesa de Israel. Claro que o objectivo desses assassinos é fazer com que Israel se envolva nos contra-ataques, alvejando zonas onde os cobardes terroristas se misturam e se escudam, ou seja: no meio da população civil.

Desta feita foi um lançador de rockets da Jihad Palestiniana Islâmica imbuído num abrigo destinado a palestinianos de Gaza deslocados - as chamadas "zonas humanitárias" - na região de Khan Younis, no Sul de Gaza, descoberto pelas IDF e prontamente destruído através de um drone. Segundo as IDF, antes do ataque "foi feito um enorme esforço para reduzir os riscos para pessoas não envolvidas."

"As organizações terroristas continuam a colocar armas e infraestruturas terroristas no coração das populações civis, colocando-as em risco e usando-as como escudos humanos" - acusaram as forças militares.

INTENSOS COMBATES EM RAFAH

Segundo moradores nesta cidade fronteiriça com o Egipto e que é neste momento o último bastião dos terroristas do Hamas, estão a decorrer intensos combates por parte das IDF, dando a entender que as forças israelitas estarão a "apressar" a conquista final da cidade. Segundo esses relatos, os tanques israelitas estarão a avançar para dentro das partes Norte e Ocidental de Rafah, tendo já conseguido capturar a parte Sul, central e oriental. De acordo com esses relatos, as forças israelitas estarão disparando a partir do ar, do mar e por meio de tanques de guerra. Moradores dizem que os ataques e bombardeamentos israelitas intensificaram-se e não param desde há 2 dias. Segundo o prefeito da cidade, "toda a cidade de Rafah é agora uma zona de intervenção militar israelita."

Entretanto, mais dois militares israelitas morreram como resultado de um disparo de morteiro por parte do Hamas.

Shalom, Israel!